[Entrevista] Fernando Luiz



Fernando Luiz é autor do livro A Fraternidade e editor da Skull. Está trabalhando em um novo projeto como escritor e contou ao Tomo Literário sobre novidades da editora para o segundo semestre. Na entrevista tem ainda informações sobre o primeiro contato com o meio literário, autores que o inspiram e muito mais. Confira.

Tomo Literário: Como foi o seu primeiro contato com a literatura e como você decidiu se tornar escritor?

Fernando Luiz: Desde pequeno tenho hábito de ler histórias fantásticas ou aventuras, meu primeiro contato foi com Rei Arthur e O último dos Moicanos. Anos depois me apaixonei por Alexandre Dumas e Julio Verne e são eles que até hoje me inspiram a criar. Ser escritor nunca foi um plano ou um modelo de futuro. Escrevo, pois, gosto, o resultado veio com o tempo.

Tomo Literário: Seu livro A Fraternidade foi publicado pela Editora Skull. Como surgiu a ideia do livro?

Fernando Luiz: Na Skull eu recebo muitos originais, no gênero Vampiros, muitos Edward’s e Bella’s ou Eduardo’s e Isabela’s. Vampiros que brilham e até mudam de cor. Como fã do clássico de Stoker e de narrativas que brinquem com o tempo (O Conde de Monte Cristo) escrevi A Fraternidade literalmente com intuito de resgatar o clássico. Acho que consegui!

Tomo Literário: Quanto tempo levou a preparação e a escrita da história?

Fernando Luiz: A Fraternidade foi uma obra planejada em 2017, mas abandonada devido a correria da Skull. Em janeiro de 2018 devido a “paradeira” de início de ano decidi iniciar o projeto novamente. Foram 18 dias de escrita ininterruptos, muitas pesquisas e noites sem dormir.

Tomo Literário: Você também atua como editor da Skull. Conte-nos um pouco sobre a história da editora e o que os leitores podem esperar para o segundo semestre?

Fernando Luiz: A Skull surgiu com o intuito de publicar autores de forma barata, engana-se quem pensa que lucramos horrores com cada publicação. Valorizamos o autor desde a avaliação, reconhecemos a realidade de muitos e fazemos a publicação sem impedimentos. A hastag #paratodos diz muito sobre nós. Estamos aqui para ajudar.

O segundo semestre está cheio de novidades:
Antologias gratuitas;
Publicação de obras traduzidas antes nunca publicadas no Brasil;
Eventos com foco em São Paulo.

Pegamos 2018 para focar em nossa cidade e preparamos muitas novidades, desde autores novos a novos projetos.

Tomo Literário: Como você vê atualmente o mercado literário brasileiro?

Fernando Luiz: Antes eu o definia como ingrato, hoje o defino como “em expansão”. Vejo editoras valorizando o nacional, buscando o fruto da terra e isso me alegra. Somos ainda alvo de descrença, mas nos mantemos firmes. Enquanto existir bons escritores, sempre teremos nosso espaço.

Uma coisa que gosto desde mercado, é a diversidade de gêneros e espaço para todos trabalharem. Tudo pode ser explorado, e trabalhado, poucas áreas são assim.

Tomo Literário: De modo geral o que te inspira a escrever?

Fernando Luiz: Música. Sempre estou com a playlist no aleatório ouvindo de tudo (ultimamente muito reggeaton) não consigo escrever sem música. kkk

Tomo Literário: Além de escrever, quais são suas outras paixões?

Fernando Luiz: Ver série (Netflix amor eterno) e ler, estou sempre lendo algo. Gosto de conhecer novos autores. Compro muito de autores independentes. Minha parcela de apoio a literatura

Tomo Literário: Você está preparando algum novo projeto literário? Pode nos adiantar alguma informação?

Fernando Luiz: Eu sou autor de seis títulos, contando com A Fraternidade. Estou preparando-os para entrar na Skull. Mas também estou preparando um romance intitulado “Just a Wicth” que conta a história das mulheres consideradas Bruxas em uma Salém atual. Pronto, já contei demais.

Tomo Literário: Quais são os autores que você admira ou que de alguma forma influenciaram o seu trabalho como escritor?

Fernando Luiz: Alexandre Dumas, como dito acima. Uma coisa que gosto de trabalhar nas minhas obras é o tempo e memória e Alexandre Dumas trabalhou isso muito bem em O Conde de Monte Cristo. De autores vivos rsrs Cesar Bravo foi um encontro que me inspirou. Embora eu não tenha veia para o Terror, seus textos me dão inspiração ao suspense que coloco nos romances. Marcos deBrito e Raphael Miguel também tem espaço na lista de autores nacionais  que me inspiraram de alguma forma.

Tomo Literário: Que livros, de quaisquer gêneros, você recomendaria aos leitores? Está lendo algum atualmente?

Fernando Luiz: De literatura Nacional As Faces de um Anjo – Hermes M Lourenço, li a versão física, hoje extinta, mas você encontra na Amazon. Um livro que nos faz acreditar em nós mesmos e fala de bruxas kk

De literatura estrangeira eu indico novamente Alexandre Dumas e para quem gosta do impossível Júlio Verne, muitas de suas criações foram consideradas premonitórias, foi o primeiro escritor a definir viagem por balão e ou submarinos. Uma mente realmente a frente de seu tempo.

Tomo Literário: Gostaria de deixar algum comentário para os leitores do blog?

Fernando Luiz: Bom, agradeço ao espaço e convido a todos a conhecer a Skull Editora e sempre que puderem acompanhar meu trabalho como escritor. Obrigado.

Conheça A Fraternidade


Há séculos o mundo crê nas lendas contidas nos livros, mas nunca acreditará na verdade existente nas ruas da Romênia. Com a morte de Drácula, a instabilidade entre vampiros e lobisomens tornou-se um ponto chave para a criação de leis.O Coven formado por quatro anciãos ordenou a Igor, o lacaio do Conde, que encontrasse a pura estirpe de Vladislau, um herdeiro humano que guarda a essência vampiresca em seu sangue, o único que pode guiar os vampiros neste novo mundo onde são apenas lenda. Vladmir Notoryev não imagina a enrascada que se meteu ao deixar um velho moribundo entrar em sua casa; a partir daquele dia, era só gritar e Igor o atenderia.

Dimitri Skapov é um jovem estudante deslumbrado com as novidades do mundo acadêmico. Sua primeira festa na fraternidade Dracul será a última. Ao descobrir o segredo de Alira, a líder da casa negra mais badalada do Campus , o jovem calouro é tirado de cena. O que Alira nunca imaginou é que o bisbilhoteiro retornaria diferente, com um charme incomum, algo que ela só havia conhecido no passado, um charme Dracul.

Treinado por Vladmir, o Conde de Dracul, o jovem universitário começa a entender os motivos de ter se tornado um vampiro e abandonado seus amigos.Ao lado de Velcan, um lobisomem e chofer, ele enfrentará a bela e sedutora Alira na intenção de impedir mais mortes e mostrar ao Coven que a noiva de Drácula ainda vive e que, no passado, todos foram enganados.

Disponível no site da Editora Skull.



[Entrevista] Fernando Luiz [Entrevista] Fernando Luiz Reviewed by Tomo Literário on 14:06 Rating: 5

Um comentário:

Deixe aqui seu comentário.

Tecnologia do Blogger.