[Entrevista] Bruno Black



Bruno Black concedeu entrevista ao Tomo Literário. Confira na íntegra e conheça mais sobre o escritor, seus livros e outros trabalhos.

Tomo Literário: Como foi o início de suas incursões pelo mundo literário?

Bruno Black: Eu desde criança lia, obrigado pela escola, mas nunca sentia prazer, pois era para fazer uma simples prova de escola e não para o meu alimento. Mas nessa obrigação despertei o interesse em ler em outros processos, mas não o livro escrito! Independente disso sempre fui chamado de um dos alunos mais criativos da sala.

Mas... de fato em 1995 eu fui também obrigado a ter uma responsabilidade sobre isso... como assim?

Um grande amigo me convidou em 1995 pra escrever uma poesia, eu confesso que não queria, mas depois que escrevi, nunca mais parei!

Em 1999 me tornei poeta por mérito próprio! Como assim? Eu olhei pra 100 poesias que passei a amar e entendi que ali nascia o ser poeta!

Tomo Literário: Conte-nos como surgiu a ideia do livro Perdas e Ganhos.

Bruno Black: Na verdade ele é meu primeiro livro lançado em 2005. (1ª Edição)

Naquela época tudo era muito mais difícil e podemos dizer que internet era algo impossível de se imaginar...

Ele surgiu diante de uns questionamentos que tive com meu eu: 

- Por que os nossos sentimentos de amor são tão oprimidos pelo mundo? Por que quem ama é sempre acusado de se fazer de vítima? Por que o amor nos deixa aparentemente tão vulneráveis? O que fazemos com as perdas e ganhos que temos nessa esfera dos sentimentos?

Em 2017 (2ª Edição) eu volto trazendo esse mesmo livro esgotado em sua primeira edição mesmo sem ser conhecido pela galera, ou seja, ele nunca esteve em eventos, saraus e nunca teve uma sessão de autógrafos com uma nova roupagem,desde a capa até das folhas.

Ele tem um lema: “Quem nunca teve Perdas e Ganhos no amor que atire o próprio coração! ”

E tem mais...

Vem com uma superprodução por dentro mostrando que eu não só gosto de escrever e sim criar junto todo o processo de um livro junto com a editora!

Falar de Perdas e Ganhos é se desnudar de todos os medos de parecer ridículo diante do que sente e ser livre para ser de verdade...

É um mergulho em densas e intensas emoções que somente quem já amou entenderá!

É um papo direto de uma poesia humana pronta para ser sentida por quem tem sentimentos e ama amar! 

É por ai!!!

Tomo Literário: Quanto tempo durou o processo até a publicação? E qual foi o seu maior desafio?

Bruno Black: 1a Edição (2005) foram 3 anos...

Juntei money 3 anos, comendo arroz, feijão e hambúrguer para realizar esse sonho...

Nessa época o mais fácil era montar o livro, como eu não tinha noção nenhuma de como se fazia ele veio como um livro qualquer de poesia, tipo: dentro poesias e ponto final!

A dificuldade?

Foi pagar, era muito caro e tive muitos atrasos, pois salário na época era muito baixo e um livro quase 2 mil...

Mas nasceu!

Qual a facilidade?

Na segunda edição que será lançada na Bienal 2017, é juntar as poesias e criar as ideias do livro. Amo tudo! E admito que é o mais fácil, eu faria um livro por semestre se pudesse!

O mais difícil?

Continua sendo pagar, pois sai muito caro, ainda mais um livro que vem todo bem produzido desde a capa até a qualidade das folhas... eu me superei!

Tive outra grande dificuldade e muito séria que foi simplesmente conseguir convencer a editora que a minha mente biônica tinha criado um livro extremamente sensível e complexo de montar.

Eles quase pediram para eu desistir do molde que sonhava, pois poderia ser inviável!

A capa tive que desistir e foi remodelada.

Agora dentro eu lutei até o fim e deu muito certo!

Eles tiram razão de me orientar, poderia ter tido pecados mortais para minha arte, mas me sentaram na mesa com o editor e pude tirar o “ Avatar” da Cartola e tudo deu certo. E posso ter a honra de dizer que nunca li um livro de poesia produzindo como o meu!

Mas eu pensei que nada daria certo, e me superei...

Editora mega empolgada!!

Tomo Literário: Em 2016, na Bienal de São Paulo, você comentou sobre ver muitos jovens na sessão de autógrafos de seu livro Poético. Você percebe que os jovens e o público em geral tem aceitado bem a poesia?

Bruno Black: Bom, o problema não está somente nessa barreira que existe com o jovem de ler leitura escrita e sim também na forma como a poesia é feita e apresentada.

Até eu quando vejo poesias mortas sinto sono...

É uma junção, poesia é alimento e não lanchinho, ela tem que invadir as pessoas, tocar e diante disso pensei no meu livro Poético. Ele é um livro pra pessoas que não gostam de ler e nem de poesias e deu certo!

Os jovens e pessoas que odiavam poesia se conectaram com ele. Acho que falta dos poetas serem poéticos, é um caminho pra mudar o cenário.Eu posso dizer que estou vendo muitos jovens lendo e inclusive meus livros!

O jovem tem hoje a liberdade de dizer o que pensa e isso também está lhe dando oportunidade de se redescobrir através de suas palavras e um dos caminhos mais leves e profundos é a poesia, e eles estão abraçando ela como parte de suas vidas!Afinal, quem de nós pode determinar o poder da poesia? Ela invade até os silêncios!

Amei a Bienal de SP!

Tomo Literário: O que te move a escrever?

Bruno Black: Tudo! De verdade... Até um simples peido... rs...

Eu não pude me dar ao luxo de escolher pensar nas palavras, elas parecem roubar a cena de qualquer coisa que eu possa querer, quase uma outra vida dentro de mim!

Pra escrever em minha realidade de periferia nunca existiu a inspiração dita por anos pelos estudiosos, sempre existiu a necessidade, vontade, responsabilidade com meu legado intimado pela arte poética.

Imagina que enquanto saía tiro la fora na rua e meu prédio quase metralhado era eu estava embaixo da cama escrevendo como se pudesse ser o último presente que eu pudesse ter deixado pra Deus por tudo que ele me deu!

Eu sonhava em ser motorista de ônibus e nunca poeta! 

Se tens um dom, seja!

Tomo Literário: Está preparando algum novo projeto literário? Pode nos contar?

Bruno Black: Sempre, já tem coisas até pra 2019, mas sou daqueles que sempre guarda cartas na manga e se permitir na ceroula também kkkk ...  no momento vocês precisam focar no Perdas e Ganhos e acreditem, ele vem pra arrebatar corações!

O que podem saber nesse momento é...

Livro Perdas e Ganhos esteve na Bienal dia 09 de Setembro às 18h no estande da editora Litteris; na OAB, Livraria leitura... e por aí nas grandes livrarias!

Meu projeto Literário Domdomdom volta pra escolas no Rio, MG e SP.

Eu no projeto faço oficinas pra despertar os dons nas pessoas.

Tenho um programa "Os Descabelados" de Rádio e Tv sempre às segundas 09 e 30h na Rádio Revolução que rola dentro do Hospital Nise da Silveira e passa em 27 países onde sua missão é divulgar dons de todas as pessoas.

Até dezembro a 3a Edição do Poético disponível no mundo todo!

E muito mais... 

Preciso guardar segredos!!! Rs...

Tomo Literário: Que autores você recomenda ou quais autores influenciaram o seu trabalho como escritor?

Bruno Black: Interessante isso... minhas grandes influências não foram literárias e sim na música, mas tenho lido muitos novos autores...

Meus ídolos na música que leio: Djavan, Mariah Carey, Jairo Bomfim, Tim Maia, Yolanda Adams...

Na poesia pessoas que admiro: Adriano Soares, Tiago Malta, Angelina da Conceição,Mary Trarbach, As Sarauzeiras Oníricas, Mulheres Reais,Rennan Leta,Rodrigo Santos, Zé Salvador,Carmem Teresa, Fernado Sá, Kklho Rainho, Luna Magalhães, Nilza Freira ... tenho lido muita gente!!

Tomo Literário: Que livros, de quaisquer gêneros, você indicaria aos leitores e de que maneira esses livros te tocam?

Bruno Black: Hum... essa é boa!

O que vem do coração? por Mary Trarbach e Angelina da Conceição (Poesia)
O bobô da Corte com Adriano Soares. (Poesia)
Luzes da Ponte Invisível de Fernando Sá (Poesia)
Atravessando Portais de Vera Alves. (Poesia)
Mulheres Reais por Katia Pires Chagas, Jana Souza e Vera Alves. (Poesia)
?oesia por Brunno Vianna (Poesia)
Vai um soneto ai? De Zé Salvador (Poesia)
Amor em Sangue da Editora Casa Cultura (Contos)
Contos Fantásticos da Editora Casa Cultura (Contos)

Tomo Literário: Quer deixar algum comentário para os leitores?

Bruno Black: Tem horas que é preso ficar cego e seguir com seu sonho. Nos fizeram entender que às vezes escutar o mundo é sinal de sabedoria, mas às vezes não, se tratando de sonhos a primeira voz deve ser do seu eu. Você nunca sabe as reais intenções de quem te cerca.

Escute a sua alma!

Dialogue com seu sonho!

Permita-se perder os limites e siga!

Se quiser falar sobre seus sonhos fale com Deus, dele receberá o caminho e não a farsa!

Se tens um dom, seja!

Foto: Reprodução
Saiba mais sobre o autor

Em 1995, o seu melhor amigo de adolescência, Cleber Melo, o convidou pra escrever o primeiro texto em poesia, e de lá pra cá, esse jovem começou a amar escrever. Em 1999, ele se tornou poeta por mérito próprio e a partir daí, não parou mais, prova disso são as realizações admiráveis desse jovem, que ainda se acha um aprendiz. Possui 6 Livros publicados: Perdas e Ganhos, Face a Face o que tu me diz?, Minha Cidadania Violada até quando?, Face a Face Eu Ser Palavra, Poético e Poetas Sem Nome (escrito em trio) e já saiu em mais de 30 antologias. Tem conquistado o povo com seu lema: "Se tens um dom, seja!".

Participou de 9 Bienais Internacionais do Livro: 2006, 2008, 2014, 2016 em São Paulo; 2015 Volta Redonda e RJ e 2016 MG e Volta Redonda; Bienal do RJ . Feiras: Flir (Feira Literária de Valença) 2014, Feira Literária de Resende 2015 e 2016 e Salão Carioca do livro no Boulervad Olímpico do RJ, 2016. Ele tem alcançado tudo que todo poeta sonha. Em 2015, teve sua poesia, Minha voz...Meu Silêncio, exposta no lendário Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo e em 2017, Na Caixa Cultural da Bahia e sua poesia, “Beijo Roubado”, atraiu o olhar da grande Maria Bethânia e o fez conhecê-la pessoalmente. Se apresentou no Museu da República do Rio de Janeiro, no III Encontro de Poetas da Língua Portuguesa. Bruno Black, recebeu 3 prêmios por seus escritos. O Troféu Celebridade do Ano 2016, da maior Revista de Karaokê do Brasil, “Gvk Brasil" por Deigila Prates; Prêmio Personalidade 2016, em SP pela Luiza Moreira, da Editora Delicatta e Prêmio Excelência Literária 2016, em SP, por Anete Simões da ARLAC (Academia Rotária de Letras, Artes e Cultura), vinculada ao Rotary Club de Tubaté Oeste). Faz parte dos autores da Flupp (Festa Literária das Periferias) de Ecio Salles e liderava em 2016 um dos Saraus mais conhecidos e pluralizados da Zona Oeste do RJ, “Os Descabelados”, idealizado por Bruno Black e Katia Pires Chagas, atraindo a presença do Jornal Extra e o Globo de tão simples e produtivo, esse modo de fazer arte, promovendo o DOM. Em 2017 retoma esse sucesso, criando seu próprio projeto de vida, o “Domdomdom”, que é seu grito de emancipação artística e pessoal no mais essencial lado poético de sua construção, "Gênese Cíclica”, conforme citação do escritor Bráulio Ribeiro sobre a contínua atuação de reinvenção criativa do mundo poético de Black.

O artista atraiu a atenção do público no quiosque da Rede Globo, no último sábado, durante o Sarau de Ideias, com seu jeito poético de ser. Outra descoberta foi seu tom de radialista na Rádio Revolução, no Programa “Os Descabelados”, dentro do Hospital Nise da Silveira, transmitido ao vivo, para mais de 20 países em 2016. O autor esse ano, também começou a produzir livros de novos poetas do RJ e SP e vem com novo livro, prometendo arrebatar corações e lavar a alma diante da dor e do amor. Black está sendo colocado, como um dos novos grandes produtores e empreendedores Culturais da Zona Oeste do Rio de Janeiro e em breve do país.

Conheça os livros de Bruno Black

Poético  










Face a Face o que tu me diz?

Face a Face eu ser a palavra

Minha cidadania violada até quando?

Perdas e Ganhos

Disponíveis na Livraria Cultura

Conheça o mundo de Bruno Black

[Entrevista] Bruno Black [Entrevista] Bruno Black Reviewed by Tomo Literário on 05:00 Rating: 5

2 comentários:

Deixe aqui seu comentário.

Tecnologia do Blogger.