Filho de peixe, peixinho é.



Mães são apontadas na pesquisa Retratos da Leitura no Brasil como as maiores influenciadoras da leitura

Já notou como as crianças falam, gesticulam e interagem de modo semelhante aos pais? Os hábitos de estudo e leitura também estão relacionados aos exemplos familiares. De acordo com a Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, encomendada pelo Instituto Pró-Livro ao Ibope Inteligência, a mãe ou uma responsável do sexo feminino foram apontadas como principal influenciadora do gosto pela leitura.

De acordo com a 4ª edição da pesquisa, o hábito de leitura dos pais tem forte influência na construção do gosto dos filhos pela leitura. Dos respondentes, 33%, afirmam ter sofrido influência de alguém para começar a gostar de ler, sendo que deste total, 11% mencionam a mãe ou um responsável do sexo feminino como influenciador do gosto pela leitura; 7% dizem terem sido influenciados por um professor ou uma professora; e 4% dos entrevistados alegaram ainda que o pai ou o responsável do sexo masculino foi o influenciador. Entre aqueles que viam seus pais lendo também temos mais leitores que informam gostar de ler, o que reforça a importância desse exemplo no ambiente familiar. É papel dos pais e da escola ajudar as crianças e jovens a enxergar o livro não apenas como uma obrigação escolar, mas como uma oportunidade de entretenimento e diversão.

Zoara Failla, coordenadora da pesquisa, declara: “Nossos jovens estão sofrendo uma exclusão perversa. Eles não sabem se gostam de ler porque não lhes foi oferecido esse cardápio. É preciso garantir a todos, por meio de políticas públicas, o direito ao acesso a livros de literatura de qualquer segmento, incluindo o juvenil, para que possam escolher o que ler. É preciso garantir, especialmente, o direito de compreender aquilo que leem. E lhes garantir o direito de experimentar. Que lhes sejam oferecidos espaços, encontros e práticas leitoras cativantes e mediadas. Que encontrem pais, professores e bibliotecários, valorizados, capacitados e que gostem de ler literatura e de conquistar leitores, para que esses jovens brasileiros exerçam seu direito de serem despertados pelo prazer de ler”.

Acompanhe algumas sugestões de livros infantojuvenis para ler com os pequenos:

A Rainha dos Estapafúrdios, de José Eduardo Agualusa (Editora Melhoramentos). Ana, uma filhote de perdiz muito inquieta e curiosa, quer uma roupa mais colorida do que aquela que a natureza lhe deu ao nascer. Só que, sem querer, vai parar, sozinha e desprotegida, no meio de animais selvagens. Mas uma hiena esfomeada e um leão feroz não são problemas para ela. Descubra, nesta história com sabor e cheiro de África, como uma frágil filhotinha de perdiz transformou-se na rainha da savana.

 

Josefina quer ser bailarina, da professora e psicóloga Claudia Souza (Editora do Brasil) Nesta obra a protagonista tem enormes dificuldades nas aulas de balé. Mesmo trocando de escola de dança, ela não quer fazer as atividades propostas, muito menos acompanhar a turma. Então por que Josefina continua querendo ser bailarina? Uma história sobre o que somos e o que queremos ser, ainda que seja apenas imaginação.

Meninas, do Ziraldo (Editora Melhoramentos). Pensando em contar e ilustrar à sua maneira o livro Alice no País das Maravilhas, Ziraldo se concentra em explicar quem é a menina, esse ser encantado que dura apenas dos 7 aos 11 anos. São as meninas que inventam amigos imaginários, que transformam suas lágrimas em rios de esperança, que perseguem coelhos brancos, que enfrentam rainhas loucas e que se apaixonam por gatos luminosos. Depois de ler mais de 100 exemplares diferentes da história de Alice, percebeu que o livro de Lewis Carroll é, além de uma narrativa onírica, uma ode em homenagem à menina. Para Ziraldo, Lewis traz à mostra um pequeno ser de tão curta permanência em nossas vidas que, ao final do seu tempo, se divide em duas e, juntas, menina e mulher, seguem em frente para desmentir quem afirma que dois corpos não podem ocupar o mesmo espaço ao mesmo tempo.
 
Os piolhos da princesa, da Rosinha, (Editora do Brasil) A autora e ilustradora pernambucana Rosinha apresenta Os piolhos da princesa. Na obra, a pequena e solitária princesa encontra uma forma muito inusitada de se divertir: ter piolhos. Mas eles não são nada agradáveis. Para atender às exigências de sua alteza, a realeza manda fabricar piolhos de ouro. Por meio de uma linguagem simbólica, complementada por belas e coloridas ilustrações, esta divertida história leva os leitores a uma reflexão sobre criatividade, individualismo e consumismo, convivência em grupo e amizade.

Silêncio de filha, do Jonas Ribeiro (Editora do Brasil) Juliana é comunicativa, mas certas confissões só faz ao seu diário. Quando percebe algo errado, Marta, sua mãe, deixa bilhetes pelo caminho da filha para ajudá-la nas decisões importantes. Intermediado por estas anotações, o leitor conhecerá o universo de afeto entre mãe e filha e a relação de amor e amizade que constroem permeadas pelo silêncio. Este mais recente sucesso de Jonas Ribeiro traz novamente a família de “Palavra de filho”, livro que aborda a relação entre o pai e o irmão de Juliana – cada qual comunicando-se à sua maneira.

Ulisses e a Odisseia em Versos de Cordel - Mauricio de Sousa e Fábio Sombra (Editora Melhoramentos). Mauricio de Sousa e Fábio Sombra trazem para seus jovens leitores, as aventuras vividas pelo corajoso Ulisses e seus bravos soldados no retorno à pátria amada, Ítaca. Com o fim da Guerra de Troia, Ulisses e seus soldados se puseram ao mar no retorno para casa. O que eles não imaginavam é que demorariam quase 10 anos para concluí-lo. Nessa longa jornada, Ulisses viveu aventuras, perigos e provações, mas nunca desistiu de retornar à sua casa e reencontrar a sua esposa, Penélope. Em poesia com sextilhas de cordel, a épica e famosa Odisseia é narrada com humor e encantamento e ilustrada com os queridos personagens da Turma da Mônica Jovem.

Sobre o Instituto Pró-Livro:

O Instituto Pró-Livro (IPL), foi criado no final de 2006 pelas entidades do livro – Abrelivros, CBL e SNEL, com o objetivo principal de fomento à leitura e à difusão do livro. Iniciou suas atividades em 2007. Atualmente é  mantido pelas entidades fundadoras e contribuições voluntarias de editoras.  As entidades do livro, representando a cadeia produtiva, fundaram o Instituto Pró-Livro assumindo o compromisso de responsabilidade social junto a representantes do governo e sociedade civil, para a promoção de ações de fomento à leitura, orientado pela missão de transformar o Brasil em um país de leitores. O IPL realiza periodicamente a pesquisa Retratos da Leitura do Brasil, maior e mais completo estudo sobre o comportamento do leitor brasileiro, para avaliar impactos, orientar políticas públicas do livro e da leitura, promover a reflexão e estudos sobre os hábitos de leitura do brasileiro e, desta forma, melhorar os indicadores de leitura e o acesso ao livro. www.prolivro.org.br

Sobre a Editora do Brasil:

Fundada em 1943, a Editora do Brasil atua há mais de 70 anos com a missão de mudar o Brasil por meio da educação. Como empresa 100% brasileira, foca a oferta de conteúdos didáticos, paradidáticos e literários direcionados ao público infantojuvenil. Foi fundadora da CBL, SNEL, FNLIJ, IPL e da Abrelivros. Os títulos estão disponíveis para comercialização por meio da loja virtual da Editora Brasil (http://www.editoradobrasil.com.br/lojavirtual/) ou nas lojas físicas, em São Paulo (Rua Conselheiro Nébias, 887 – Campos Elíseos, São Paulo - SP), Rio de Janeiro (Rua do Bispo, 150 - Rio Comprido-RJ) e Natal (Rua dos Caicós, 1533 – Alecrim, Natal- RN).

Sobre a Editora Melhoramentos:

Há 125 anos a Editora Melhoramentos ocupa posição de destaque nas diversas áreas em que atua. É referência no mercado editorial com milhares de títulos publicados. À frente de seu tempo desde a fundação, ela se distingue pelo pioneirismo de suas obras, pelos autores e avanços editoriais aos quais se dedica. www.editoramelhoramentos.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.