Consolação - Carlos Messias - Tomo Literário

Post Top Ad


Consolação, livro de Carlos Messias, publicado pela Editora Prosaica em 2019 (342 páginas), traz a história de Marco Camargo, jornalista que atuou no Correio do Povo e que passa por uma situação de término de relacionamento com a personagem Érica e a demissão de um jornal, sendo um dos quarenta que sofreram o desligamento.

As mudanças de sua vida não resumem-se ao campo amoroso e profissional. O jornalista muda-se para um prédio próximo da Consolação, em São Paulo, com seu cachorrinho Nietzsche, um schnauzer acinzentado. Com a necessidade de ajeitar a vida ele se propõe a dar continuidade a escrita de seu livro numa velha Remington.

Marco passa alguns meses com o dinheiro da rescisão contratual e busca preencher o vazio de sua vida  e a ciência de que sua ex já tem um novo parceiro, com um desafio a que se propõe: levar cem mulheres para a cama. 

"...decidi que não iria entrar mais nesse clichê, o da dor de cotovelo. Pelo contrário, iria viver sem responsabilidades, com direito a me jogar em todas as estripulias que a vida me ofertasse. Beber durante a semana, tudo bem. Balada quando e com quem eu quisesse. E, sempre que possível, levaria uma companhia feminina para casa. Afinal, pela primeira vez na vida estava morando sozinho. Era mais do que hora de acertar as contas com uma juventude de aventuras não cometidas."

É nessa jornada do protagonista por encontrar mulheres que satisfaçam seus desejos, que embarcamos numa história urbana, situada basicamente no Centro de São Paulo, passando por prédios, bares e casas noturnas da cena paulistana. Além de referências musicais, cinematográficas e de locais que realmente existem, vemos o personagem lidando com o sexo, as drogas e amigos de tipos diversificados.

A trama criada por Carlos Messias reside na busca do homem pelas mulheres. No entanto, não somente nisso. Demonstra uma série de relações efêmeras, sem vínculo sentimental, cujo prazer sexual é o auge e, por vezes, nem tanto. O livro aborda o anseio do homem contemporâneo que coloca suas frustrações, medos, anseios, desejos e objetivos sobre as mulheres. Ainda que elas surjam apenas como um componente da relação sexual, a dependência desse homem que diz-se moderno salta das páginas do livro, demonstrando que ele não sustenta-se em si, mas na quantidade de mulheres que enumera para sua vida. 

"... a irrefutável verdade é que, ao final de qualquer relacionamento, tem sempre alguém que vira as costas primeiro."


A busca por cem mulheres pode soar como machista ou como uma narrativa superficial, mas o livro se revela uma história bem humorada, com uma pitada de provocação sobre as convenções sociais e que traz bons personagens. Mostra a visão de um homem procurando prazer sexual para preencher o vazio de sua existência. E ele não faz elucubrações filosóficas sobre existir, embora narre o livro em primeira pessoa. Isso torna o personagem-narrador (Marco Camargo), uma figura bem construída e com características que nos provocam sentimentos diversos enquanto acompanhamos a sua história. Sua informalidade e sua desconexão com o seu próprio ser, faz com que ele tenha visões (por vezes distorcidas) sobre o sentimento dos outros. Essa "informalidade" no modo como age é um dos pontos altos de sua personalidade, e o que nos faz sentir o estranhamento em relação a sua posição no mundo (narrada na obra) e notar a sua busca por certa adaptação.

No frenesi pelo sexo, Marco - o hedonista desgovernado - constata a transformação das mulheres, incluindo posições que ocupam na sociedade e o comportamento que também sofreu transformações ao longo do tempo. 

Ele, que outrora estivera num relacionamento, agora passa também por uma transformação, que é, aos olhos do leitor que acompanha a sua trajetória no livro, gradual. Uma demonstração clara de boa construção de personagem, cuja caminhada ao longo da trama não precisa ser explícita para demonstrar sua mudança. Elas surgem nos detalhes, nas nuances comportamentais, nas falas que se modificam, na visão que vai apresentando sobre aquilo que pensava em outro momento.

Na obra temos as expressões e tormentos de um homem atual, o desemprego, o término de relações estáveis, a busca de relações passageiras, a necessidade do trabalho, a vida solitária num apartamento, a arte (que surge com a literatura e a música), o comportamento da sociedade atual que se expressa pela efemeridade e pela superficialidade - mesclando-se com questões profundas que surgem a partir daquilo que nos parece vago, a abordagem dos relacionamentos instantâneos, os amigos que passam por diversas situações. E temos a busca do protagonista que, ao lançar-se no desafio que vai lhe garantir algum consolo, acaba também sendo um modo de autoconhecimento.

"Vivemos em uma redoma de segurança imaginária. Uma ilusão alimentada com o intuito de adir ao máximo o momento em que inevitavelmente seremos obrigados a reconhecer que não temos controle sobre porra nenhuma."

Carlos Messias nos entrega um bom livro, com uma narrativa ágil e fluída que nos conduz pela trama sem grandes sobressaltos, o que torna a jornada de leitura bastante agradável. Sem dúvida um bom retrato sobre a masculinidade tóxica e os seus reflexos na sociedade, demonstrando uma observação aguçada do autor sobre a geração que se aproxima dos trinta anos, lidando com os relacionamentos na era de aplicativos e das redes sociais.

Consolação, além de ser o título do livro, remete ao espaço físico do apartamento para onde o personagem muda. Notadamente, consolação também refere-se ao conforto e ao alívio que Marco busca por meio do sexo casual. Nessa busca  está o seu consolo diante das inconformidades e das desventuras com que tem que lidar.

Sobre o autor:

Carlos Messias | Foto: Lucas Lima

Carlos Messias nasceu em São Paulo. Mestre em Literatura e Crítica Literária pela PUC-SP, é escritor, jornalista, tradutor e roteirista. Foi editor de customizadas da Trip Editora e das revistas Billboard e VIP, redar da Folha de S. Paulo e repórter do jornal Agora São Paulo e da Revista MTV. Traduziu para o português o livro The Sick Bag Song, de Nick Cave, pela editora Terreno Estranho.

Ficha Técnica:

Título: Consolação
Escritor: Carlos Messias
Editora: Prosaica
Edição: 1ª
Ano: 2019
ISBN: 978-85-80466-00-9
Número de Páginas: 342
Assunto: Ficção Brasileira








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages