O Telefonema Que Não Fiz – Jonas Zair Vendrame - Tomo Literário

Post Top Ad

O Telefonema Que Não Fiz – Jonas Zair Vendrame

Compartilhe

O Telefonema Que Não Fiz, do escritor  Jonas Zair Vendrame, foi publicado pela Skull Editora em 2018 (1ª edição; 240 páginas).

Um simples telefonema pode mudar a vida das pessoas? E se esse telefonema não for feito? Pense nisso!

Júlia Pascoal trabalha num hospital e namora um dos médicos do estabelecimento. Protagonista do livro ela faz a narração da história em primeira pessoa. Uma mulher que apresenta traços de imaturidade e desatenção em relação aos sentimentos dos outros. Seu comportamento individualista acaba levando-a a arquivar uma pasta (em que está as informações sobre um telefonema que ela deveria fazer). O erro que comete no trabalho, ao não ligar para quem deveria, culmina num episódio nada agradável.

Júlia, no entanto, parece sentir-se culpada, ainda que por vezes esconda o fato de não ter realizado a tal ligação. Lembre-se que não estamos falando de uma ligação de cunho privado, mas que era uma responsabilidade profissional da protagonista. A culpa, aos poucos, começa a consumi-la, sobretudo quando ela sabe o que aconteceu após a não realização do telefonema.

Então, a moça começa uma jornada em busca de reparar, ou melhor, minimizar a sua culpa. É a partir daí que temos uma história que envolve superação, desprendimento, doação, empatia e os contrapontos de todas essas questões positivas que permeiam o lado humano de personagens que figuram na história criada pelo autor.

É inegável que Júlia vai mexer com o leitor, porque apesar de protagonizar a história, ela expõe suas fragilidades e defeitos, o que nos faz sentir por ela sentimentos contraditórios. É dessa imperfeição que surgem ainda grandes ensinamentos quando lemos a história e que lançam provocações para que o leitor reflita. Reflexões que reverberam tanto das ações que a personagem tem na trama quanto no modo como agimos no cotidiano.


O Telefonema Que Não Fiz é um livro cheio de emoções, que aborda o peso da culpa, o abalo psicológico advindo de uma omissão, o confronto com as consequências de seus atos e a necessidade de pensar sobre a responsabilidade. Uma falha, uma omissão, um desleixo, pode causar dor, sofrimento e danos, não só a quem provoca, mas a quem é abatido por tudo isso, e pode ser não só uma pessoa, mas várias. A extensão de uma ação é tratada na obra de maneira que compreendamos todos os impactos gerados a partir daquilo que Júlia não fez.

“Não sei o que houve, o telefone nunca tocou, nunca...”

Um telefonema não feito pode gerar impactos sem volta, pode gerar a partir daí a oportunidade de refletir sobre a sua própria vida, pode mudar sua visão sobre compromisso e responsabilidade, pode modificar sua forma de encarar a vida, pode gerar impacto na vida de terceiros, pode te fazer amadurecer, pode causar desconforto a partir da culpa e a necessidade de exercício da empatia. E se fosse com você? Um telefonema não feito pode gerar impactos inimagináveis.

Outra coisa que paira na trama é o questionamento sobre o acobertamento de um erro que pode levar outra pessoa a pagar por ele. Provoca, portanto, o senso de justiça, tanto dos personagens envolvidos quanto do leitor ao avaliar o que deveria ou não acontecer.

A história provoca frisson e tem um plot twist inesperado, daqueles que deixam o leitor boquiaberto com o rumo da trama. Surpreende por não ser previsível, mas sobretudo por ter coerência com o que acontece no decorrer da história. Há detalhes que são passados ao leitor durante a narração que tem total conexão com a reviravolta. Nenhum segredo consegue ser mantido para sempre.


Mencionei inicialmente sobre  a imaturidade da protagonista. A trajetória de Júlia dentro da história tem consistência, porque ela não é a típica heroína que espera-se quando imaginamos a palavra "protagonismo". Isso é interessante e atrativo para o leitor, pois sai da mesmice e mostra uma personagem abalável, imatura, individualista, desatenta e até podemos dizer irresponsável, mas ainda assim ela vai se descobrindo e amadurecendo. Outro ponto que vale a pena mencionar é que ela não faz isso num salto de transformação, o que poderia fragilizar a construção da personagem. Ela faz isso de maneira gradual, sem grandes sobressaltos. Observar a trajetória de crescimento da personagem dentro da história faz com que destaquemos a humanidade dela.

O pano de fundo abordado na trama nos faz alerta para doação de órgãos, para a responsabilidade profissional e para o trabalho voluntariado. As imagens que ilustram a obra tem total conexão com a história e fazem parte de um trabalho gráfico bem construído pela Skull.

O Telefonema Que Não Fiz é um livro perfeito para quem gosta de drama, emoções, reviravoltas e uma história com conteúdo que vai além da ficção, deixando reflexões para o leitor.

Sobre o autor:

Jonas Zair Vendrame | Foto: Reprodução

Jonas Zair Vendrame é ator brasileiro que vive no interior de São Paulo. Amante de terror e suspense policiais, escreve e elabora contos com muito mistério e sangue. Após escrever o seu primeiro livro Relatos de Sangue, uma obra sanguinária e que deu nó na cabeça de muitos leitores, Jonas se aventura em uma atmosfera completamente diferente dentro do suspense com o livro O Telefonema Que Não Fiz.

Ficha Técnica:

Título: O Telefonema Que Não Fiz
Escritor: Jonas Zair Vendrame
Editora: Skull
Edição: 1ª
Ano: 2018
ISBN: 978-85-53037-37-7
Número de Páginas: 240
Assunto: Drama


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages