[Entrevista] Greg Polo - Tomo Literário

Post Top Ad


A Revista Diário Macabro é uma revista de contos que reúne o melhor do horror. Apesar de ser chamada de revista ela é, na verdade, um livro que usa o termo como homenagem às revistas pulp do século passado. O livro tem contos, ilustrações e entrevistas com mestres do horror.

Igor Moraes, que tem um conto na 5ª edição da publicação que estará disponível na Horror Expo, conversou com Greg Polo - escritor e ilustrador que participa da edição com o conto "A noite dos encouraçados" - e trouxe uma entrevista para o Tomo Literário. 

Greg falou sobre o contato com a literatura, o mercado literário, a edição da revista, ilustrações e muito mais.

Confira.

Tomo Literário (Igor Moraes): Greg, para o público que não o conhece, como você se apresentaria?

Greg Polo: Prazer, eu sou o Greg Polo! De uma forma recorrente, eu me apresento como um artista. Acredito que o termo “artista” acaba me dando mais liberdade pra decidir se a narrativa vai ser escrita ou ilustrada, ou até, como em projetos futuros, em quadrinhos.

Tomo Literário (Igor Moraes): Qual foi seu primeiro contato com a literatura? Quando decidiu tornar-se escritor?

Greg Polo: Meus pais tinham o hábito de sempre estar lendo alguma coisa e eu fui seguindo o exemplo. Quando criança eu vivia lendo sobre animais e insetos, tanto em revistas quando nas enciclopédias. Nessa época também tive contato com uma das minhas maiores paixões que são as histórias em quadrinhos. Logo que aprendi a ler, comecei a devorar gibis do Maurício de Souza, e a partir daí não teve mais volta. Mas o primeiro livro que eu peguei pra ler por conta própria foi Ana Terra do Érico Veríssimo. Eu devia ter uns 10 ou 11 anos e eu fiquei maravilhado com a narrativa, nunca tinha lido algo naquele estilo, com detalhes e até coisas impróprias pra minha idade. Depois disso veio Stephen King, Tolkien, e por aí vai.

Com o tempo eu comecei a colocar, sem nenhuma pretensão, algumas reflexões no papel. Nada muito elaborado, mas que com o tempo foram se tornando coisas maiores e aí eu decidi começar a escrever as histórias que eu criava. Mas a decisão de escrever pra valer mesmo, foi em 2013 quando publiquei um pequeno conto num jornal local. Foi uma experiência que me marcou bastante, principalmente por ter que esperar a data de lançamento e depois poder ver o que eu tinha escrito sendo apreciado por pessoas que eu nem conheço.

Tomo Literário (Igor Moraes): Como você vê atualmente o mercado literário, sobretudo para os novos escritores?

Greg Polo: Apesar do fechamento de algumas livrarias grandes e a crise que ainda paira sobre o país, eu acredito que em relação ao mercado literário, muitos sinais podem ser vistos como positivos. 

Apesar de ser um pouco complicado lançar com uma editora grande, nunca foi tão fácil publicar um livro. Com um bom planejamento, um escritor pode publicar de forma independente e ele mesmo se ocupar com as vendas. É mais trabalhoso e bem menos glamouroso, mas pra começar é excelente.

Um exemplo bem interessante que me veio agora é um fato ocorrido em 97 ou 98. Eu acho que o pai de alguma criança da minha escola escreveu um livro e publicou com alguma editora que não consigo me recordar, depois talvez com um estoque encalhado ou algo assim, ele doou um exemplar pra cada criança da escola, e era um livro bem divertido, eu li bem rapidamente, e até acabei trocando num sebo. O fato é que buscando pelo nome do livro, eu não consigo encontrar esse livro na internet para adquirir e reler, simplesmente sumiu. Se fizermos uma comparação com os dias de hoje, é praticamente impossível que um livro escrito e lançado atualmente, seja com editora ou independente, suma assim. Esse é um ponto bastante positivo ao meu ver. As obras podem durar uma eternidade.

Tomo Literário (Igor Moraes): Como autor, de modo geral, o que te inspira a escrever?

Greg Polo: Eu sempre admirei pessoas que contavam histórias. Quando eu era mais novo, adorava perguntar coisas para as pessoas mais velhas, como avós ou tios e tias. Acho que contar histórias sempre foi meu objetivo, tanto com a escrita quanto com a ilustração.

Minha inspiração é algo relativamente fácil de surgir. Às vezes um pedaço de uma letra de música, um diálogo interpretado de outra forma num filme, ou até mesmo coisas do dia a dia que presencio como protagonista ou espectador e após momentos de reflexão acabam virando um mote. Mas a ideia principal é tentar contar uma história que possa agregar alguma coisa ao leitor, seja uma reflexão, seja pra passar o tempo.


Tomo Literário (Igor Moraes): O conto A noite dos encouraçados foi transformado na capa da Diário Macabro n° 5. Do que se trata?

Greg Polo: Esse conto surgiu após algumas reflexões que coincidiram com a abertura do edital da Diário Macabro nº 5. Eu sempre fui muito fã de filmes de terror com monstros, principalmente os dos anos 80 e eu quis fazer um conto bem visual, com criaturas que pudessem ser imaginadas pelo leitor conforme a narrativa avançasse.

A história do conto em si envolve uma cidade que após alguns acontecimentos bizarros é atacada e dizimada por monstros.

O conto ter sido transformado em capa, no entanto, foi algo que me surpreendeu. Eu não sabia como era o processo para definir a capa da Diário Macabro e não criei expectativa.

Quando eu soube que meu conto estaria na capa, fiquei muito feliz por dois motivos. O primeiro, obviamente é pelo conto em si, que de tão visual acabou se tornando uma ilustração. E em segundo por ter sido a primeira vez que outra pessoa – que não eu – ilustra uma ideia minha. Além disso, o trabalho da Aline Psidonik Finkler ficou muito bom.

Tomo Literário (Igor Moraes): Sua formação em economia e sua experiência com desenhos, de algum modo reverbera na construção de seus personagens ou de suas histórias?

Greg Polo: Sem dúvida nenhuma, os desenhos me ajudam muito na elaboração das histórias, muitas vezes eu até demoro pra decidir se aquela história vai ser contada em palavras ou desenhos. Ter cursado economia me ajudou bastante como pessoa, mas não tanto na elaboração da minha arte, digamos assim.

Na realidade, eu me formei em publicidade e propaganda, atuei certo tempo na área mas acabou que não deu tão certo. Nessa época eu já tinha fortes conexões com a arte e escrita, mas eu estava muito focado em encontrar um plano B que me permitisse ter certo tempo livre para as minhas criações. Nesse momento surgiu o curso de economia, mas conforme o tempo foi passando, eu percebi que eu estava me distanciando muito do que eu realmente queria fazer, então abandonei o plano B e abracei o plano A, que era a arte.

Tomo Literário (Igor Moraes): Além da literatura, quais são seus os outros interesses?

Greg Polo: Além da escrita, a ilustração é uma das minhas maiores paixões, e também me trouxe boas experiências recentes e atualmente estou buscando fazer uma história em quadrinhos, que acaba aliando as duas coisas.

Tomo Literário (Igor Moraes): Você tem lido o que ultimamente?

Greg Polo: Apesar de ter lido alguns autores clássicos como Thomas Mann, minha paixão atual são os livros da saga The Witcher de Andrzej Sapkowski. Até me arrependi de ter demorado pra ouvir um amigo que vivia indicando os livros e os jogos.

Tomo Literário (Igor Moraes): Quais autores te influenciaram e se você tem alguma dica para autores iniciantes.

Greg Polo: Acredito que meu autor preferido é o Neil Gaiman, principalmente pela versatilidade dele em vagar por diversos estilos e tipos diferentes de narrativa, mas não dá pra deixar de citar H. P. Lovecraft, Stephen King e Clive Barker que fazem a cabeça de todo escritor de terror. Eu também gosto bastante de roteiristas de quadrinhos como Chris Claremont,  Alan Moore e Robert E. Howard.

Como dica para outros autores, eu diria que o que funciona para o meu processo criativo é manter um roteiro de certa forma detalhado que me dê a direção que eu devo seguir, mas que me seja flexível para que o processo de escrita não se torne algo mecânico e chato.

Algo que tenha um ponto de partida e de chegada, e uns dois ou três pontos menores entre eles, para cada capítulo.

Agradeço pelo espaço e pela entrevista!


O catálogo da Revista Diário Macabro está disponível no site da Editora:

Serviço Horror Expo:
Datas: 18, 19 e 20 de outubro de 2019
Horário: das 12h às 22h
Local: Expo Center Norte
Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme, São Paulo/SP, CEP: 02055-000

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages