[Entrevista] Danilo Morales - Tomo Literário

Post Top Ad



Danilo Morales é autor do livro ABC da Morte e Suprema. Definindo-se como um artista de guerrilha, o escritor é associado a ABERST – Associação Brasileira dos Escritores de Romance Policial, Suspense e Terror, e também atua com produção cinematográfica independente. Danilo Morales é o criador do Festival POE de Cinema fantástico. Ele conversou com o Tomo Literário e falou sobre seu contato com a literatura, suas obras, o conto que define seu estilo de escrita, o cenário literário brasileiro, novos projetos e muito mais.

Tomo Literário: Como foi o seu primeiro contato com a literatura?

Danilo Morales: O meu primeiro contato foram os quadrinhos. É uma ótima porta de entrada. Sempre com predileção para o terror, fazia visitas semanais a bancas de revistas usadas, e simplesmente garimpava, encontrando o que naquela época já era raro, Hqs Cripta do Terror, Kripta, Dylan Dog, Calafrio, Shock. No formato de livro, Agatha Christie foi minha primeira mentora. Assassinato no Campo de Golfe é minha obra favorita da autora.

Tomo Literário: ABC da Morte é um livro que traz vinte e seis contos de horror. Os contos foram feitos separados e reunidos para a obra ou foram feitos especialmente para compor a publicação? Fale-nos um pouco sobre o livro.

Danilo Morales: Eu comecei a escrever de forma precoce. E em poucos anos tinha 11 livros escritos, mas não tinha dinheiro para publicar uma única obra, e assim foi por anos, tendo meus romances engavetados e empoeirados. Foi quando decidi compilar os 11 livros em 1. Enxuguei alguns romances e os converti em contos. Por isso digo que é uma obra, no mínimo, confeccionada de forma diferente ao usual. Foram contos escritos dos meus 12 anos de idade aos 34 anos. A obra segue um abecedário da morte, de A a Z, e tem em cada abertura, uma ilustração de Robson Strobel.


Tomo Literário: Qual dos contos melhor define o seu estilo de escrita? E por que você escolhe esse conto?

Danilo Morales: Uma pergunta muito difícil de ser respondida, já que cada conto tem uma característica muito própria. Posso dizer que tenho um amor muito grande pelo primogênito, que abre a obra. Adega de Sangue. Uma história criada aos meus 12 anos de idade, escrita no caderno, depois transcrita para a quase extinta maquina de escrever. Que traz a essência de meu estilo de escrita. Histórias sufocantes, estilo thriller, subversivas e estranhas. Com forte apelo visual, já que cinema e literatura se fundem intrinsecamente em minha mente.

Tomo Literário: Suprema é outro livro de sua autoria. Como surgiu a ideia desse livro?

Danilo Morales: Histórias que envolvem bruxaria sempre me fascinaram, e me dei conta que não tinha nenhum conto ou romance, em que bruxas tivessem um papel de destaque. Nessa obra compilei tudo o que queria dizer, em termos místicos. Tem vodu, necrofagia, uma personagem muito forte e uma história de vingança. Trata-se do obscurecimento da alma, e de uma escolha. Tem tido ótima aceitação, e vem ganhando novos leitores a cada dia. Notei uma forte aceitação da obra pelo público feminino, o que me deixa muito feliz!


Tomo Literário: Você prefere atuar criando contos ou escrevendo romances?

Danilo Morales: Desde 2018 entrei no ritmo de antologias, sempre que sou convidado, entro. Tenho uma facilidade para escrever contos, e estou trilhando o caminho usado hoje. Estou compilando esses contos, e daqui uns 2 anos devo lançar um novo livro de contos, esse somente, contos publicados em antologias. Já somo 7 guardados para isso. Mas o romance é a cereja do bolo, ao menos em minhas obras.

Tomo Literário: Como você vê atualmente o cenário literário brasileiro, sobretudo para escritores de terror?

Danilo Morales: Eu sou um artista de guerrilha, independente. Não gosto de amarras. Tenho, assim como todos os escritores, o desejo de ser publicado por uma editora séria, e isso vem na mesma proporção do medo de cair em um contrato fraudulento por uma editora não tão séria assim. Dessa forma a Amazon me proporcionou essa liberdade, de ser de certa forma independente. Hoje tenho motivação para continuar escrevendo, ganhando novos leitores, e noto grupos se formando, se fortalecendo. Eu sou membro da ABERST. Pois percebemos que juntos somos mais fortes. Acho uma pena entrar nas livrarias e não encontrar o livro desses autores maravilhosos, ou encontrar essas obras escondidas no rodapé de uma estante. O Brasil infelizmente supervaloriza os autores estrangeiros e não dão o valor devido aos nossos. E as pessoas somente não compram como deveriam, pois não conhecem, nem mesmo encontram o produto nas prateleiras. Mas tenho fé que isso vai mudar. Tem que mudar.

Tomo Literário: Você também é criador de um festival de cinema fantástico. Fale-nos sobre o festival.

Danilo Morales: Faço cinema independente profissional desde 2012, se contar as experiências amadoras, 2006. Tenho 14 filmes produzidos, entre curta, media e longa metragem. Alguns deles rodaram e rodam festivais nacionais e internacionais. Fui a vários festivais e me inspirei para criar o Festival POE de Cinema fantástico, que entra em sua quarta edição em 2019, no mês de Agosto. Trazendo filmes do cenário independente do Brasil e do exterior, abrindo um canal de exibição, trazendo entretenimento gratuito para a população e visando fortalecer o cenário independente do cinema em nosso país. POE é uma referência ao mestre da literatura fantástica. Edgar Allan POE e também significa . P.O.E – Pequenos Orbes Espectrais. Aquelas luzes, muito citadas na ufologia, que também faz link ao fantástico.


Tomo Literário: Você está preparando algum novo projeto literário? Pode nos adiantar alguma informação?

Danilo Morales: Acabo de finalizar uma obra cyberpunk e distópica envolvendo androides. Uma ficção cientifica muito diferente do que foi abordado em Suprema. Essa mudança radical deve-se a um motivo. De forma alguma pretendo ser repetitivo em minhas obras, e sempre abordar algo extremamente novo. Essa obra está entrando no processo de revisão e diagramação e deve ser publicado ainda em 2019. Não decidi se será ebook, ou físico via catarse. E já me adiantando, Já inicio uma nova obra, essa se trata de um suspense policial, envolvendo serial killers, para 2020. Tem ainda o projeto HQ Trilogia do Terror, com 3 edições, que será lançado em ebook ainda esse semestre. O anfitrião narra 3 histórias de horror. Histórias minhas e ilustração de Robson Strobel.

Tomo Literário: De modo geral o que te inspira a escrever?

Danilo Morales: Minha mente não para, ou estou escrevendo um romance, ou adaptando um roteiro, ou produzindo um filme, uma hq. Sou o que se chama de artista multimídia. Escrever é vida, não consigo parar, a história transita em minha mente e só me deixa, quando a finalizo, sim, como dizia Carl Sagan, escrever é uma prova que o ser humano pode fazer magia. É também uma forma de critica, ao sistema, ao egoísmo humano e a hipocrisia. A oportunidade de entrar em outro mundo, e assim como o Doutor Frankenstein, criar vidas, e sim, o autor de terror é uma mestre em destruí-las, é um ceifador nato.


Tomo Literário: Que escritores você admira ou que influenciaram o seu trabalho como escritor?

Danilo Morales: Na primeira fase, foram Agatha Christie (Assassinato no Campo de Golfe) e Sidney Sheldon (Um Estranho no Espelho), que me marcaram. Seguido pelo Edgar Allan POE ( Histórias Extraordinárias). Clive Barker (Hellraiser), William Petter Blatty ( O Exorcista). William Hjortsberg ( Coração Satânico), Scott Smith ( As Ruínas). Stephen King- Várias obras. E sim, estou sendo injusto com vários autores não citados aqui. Lembrando que minhas influências se estendem ao cinema. Wes Craven, Polanski, Kubrick, ente inúmeros outros.

Tomo Literário: Que livros, de quaisquer gêneros, você recomendaria aos leitores? Está lendo algum atualmente?

Danilo Morales: Além desses de cima, O Mundo de Sofia, e O Dia do Curinga de Jostein, Memórias póstumas de Braz Cubas de Machado de Assis,e atualmente estou lendo Eu, Robô de Isaac Asimov.

Tomo Literário: Gostaria de deixar algum comentário para os leitores do blog?

Danilo Morales: Invistam no autor nacional independente. Valorizem nosso produto, nossos costumes. Tem muita gente boa por ai. Editoras, fiquem antenadas, tem muita coisa boa acontecendo. Tenho fé que ainda vou entrar em uma livraria e ver autores nacionais no lugar de destaque, que é onde eles merecem estar. E agradecer aos leitores e ao pessoal do Tomo Literário pela oportunidade.

Acompanhe o escritor nas redes sociais:

Book trailer Suprema: https://youtu.be/BS-08nb4nFo
ABC da Morte Amazon: http://a.co/d/cRb76gC
Suprema Amazon: http://a.co/d/1z4ia5q

Um comentário:

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages