O Silêncio dos Amantes – Lya Luft - Tomo Literário

Post Top Ad

O Silêncio dos Amantes – Lya Luft

Compartilhe


O silêncio. Por acaso ele não existe entre os amantes? E, na esfera das relações, não há momentos em que o silêncio e até a ausência de comunicação, tomam as pessoas? O Silêncio dos Amantes, de Lya Luft, foi publicado pela Editora Record em 2008 e reúne vinte contos da escritora.

A Pedra da Bruxa, conto que abre o livro, aborda a incomunicabilidade que fica ainda mais marcante quando há a morte de um filho. Se faz perceptível quando o deixar de ouvir, o deixar de dizer, já não pode mais ser remediado.

Em outra história um garoto que tem nanismo sente a rejeição na escola, e não só nela, em casa também. Mesmo quando pede ajuda ao pai não a recebe. Demonstra-se o preconceito com quem tem aparência diferente. Criam-se barreiras, calam-se as vozes, ou ainda que a voz fale, não se ouve.

A morte também silencia: “onde estão todas as coisas que amei e perdi ou deixei, todas as pessoas?” Morte natural ou provocada por si mesmo, traz silêncio. No entanto, há o silêncio que esteve presente nos anos anteriores, quando em vida. Existe a não percepção em relação ao outro e ao que o outro pensava ou sentia. Quantas não são as vezes em que as pessoas não percebem quem está ao seu lado?

Nos acomodamentos, brigas, descobertas da vida cotidiana, pode-se ainda deixar passar o que de fato é importante. Há momentos em que não se pode mais saber o que era, sim, era, realmente necessário. Já não há como remediar. A vida se esvaiu, foi tirada.


O alcoolismo se faz presente numa família, criando um cenário de mentiras e de barreiras entre relações. Também temos a história de quem sente o afastamento do pai, que sabe sobre suas tentativas de deixar a vida, de esconder-se da realidade no quarto escuro. Sabe que “seus fantasmas eram mais fortes”. Uma metáfora em relação a águas escuras que chamam o homem é feita com a depressão e as marcas que ela deixa nos familiares, em decorrência do desfecho que tem.

Nos contos temos retratadas situações que versam sobre a falta de diálogo, os conflitos das relações humanas (amorosas, afetivas, familiares), a busca do homem pelo sentido da vida ou de emprestar-lhe algum sentido no cotidiano que, efêmero, nos traga para o olhar a nós mesmos. Falam sobre a percepção dos acontecimentos do dia e dos sentimentos de quem nos ronda (ainda a ausência da percepção). Lya Luft demonstra e trata com sutileza e coragem assuntos que provocam o leitor ao longo da leitura. Fala-se sobre questões que, por vezes, são pouco comentadas, mas que precisam ser debatidas e suscitadas nas relações. Não falta a objetividade e a subjetividade, a dureza e a delicadeza para nos contar boas histórias que lemos em O Silêncio dos Amantes, livro publicado pela Editora Record em 2008.

O cotidiano dos personagens que aparecem nas histórias são imprevisíveis, tal qual o da vida que se faz fora da ficção. Os textos conseguem ser profundos e sutis, fortes e sensíveis, com uma narrativa que encanta pelo modo como nos é narrada. Amor, vingança, saudade, raiva, depressão, falta de comunicação, suicídio, tranquilidade e inquietação se fazem presente.

Uma mulher se imagina como outra pessoa. Seria uma visão do que ela gostaria de ser e não é? A família, para ela, não a enxerga direito, “apesar do café na hora, da camisa bem passada, do supermercado com muita economia, da comida como eles gostam e dos lençóis limpíssimos”. A invisibilidade nossa de cada dia.

Há também a neta que sela a cumplicidade com a vó que está no leito, sendo cuidada, agindo como uma criança. O olhar, tão silencioso e que tanto diz, e que é perfeitamente capaz de deixar registros, marcas na lembrança.


O perdão é sempre necessário? Na penúltima história, Leilah casa-se, aos quinze anos, com um homem mais velho, por imposição do pai. Esse homem não lhe faz bem e trinta anos depois ela consegue se separar. Há muito que quem está de fora de uma relação não sabe, mas Leilah sabia e sofreu por muitos anos. Coloca-se em discussão a visão que homens tem a respeito de mulheres. O que é preciso fazer?

O silêncio dos amantes, conto que dá nome ao livro, encerra a obra. “Eu tinha sido traída por uma pessoa, ele pelo destino”. Uma relação que se constrói, apesar das dores.

Os nomes dos contos presentes no livro são: A Pedra da Bruxa, O anão, O aniversário, O que a gente não disse, Bebês no sótão, Um copo de lágrimas, O jardim das visões, No fundo das águas, O fruto do meu ventre, O internato, A presença, Uma em duas, Encontros, A Velha, O menino do mar, O pássaro, Adria, Presente de Natal, O perdão e O silêncio dos amantes. Um poema chamado Sem palavras faz a abertura da obra.

“A vida inteira busquei
explicações e deciframentos;
encontrei silêncio e segredo,
às vezes o conforto de um ombro,
outras vezes
dor.”

O livro é uma reunião de histórias ficcionais que falam, sobretudo, de ações humanas. Nos detalhes, metáforas, simbologismos, comportamentos dos personagens, temos uma porção de textos que nos levam a refletir sobre o perceber o outro, ainda que na sutileza, ainda que seja no silêncio, e perceber também nas entrelinhas do que nos é dito (e silenciado). É um bom livro. Um mergulho em sentimentos humanos.

Sobre a autora:

Lya Luft | Foto: Reprodução

Lya Luft começou sua carreira literária em 1980, aos 41 anos, com a publicação do romance As Parceiras, seguido por A Asa Esquerda do Anjo (1981), Reunião de Família (1982), Exílio (1987), O Lado Fatal (1988), A Sentinela (1994), O Rio do Meio (1996, Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte), Secreta Mirada (1997), O Ponto Cego (1999), História do Tempo (2000), Mar de Dentro (2002), Perdas & Ganhos (2003), Pensar é Transgredir (2014) e, no mesmo ano, História de Bruxa Boa, sua estreia na literatura infantil, tema que retomaria em 2007 com A Volta da Bruxa Boa. Em 2005, publicou o volume de poesias Para Não Dizer Adeus e, em 2006, a reunião de crônicas Em Outras Palavras. Forma em Letras Anglo-Germânicas e com mestrado em Literatura Brasileira e Linguística, Lya trabalha desde os vinte anos como tradutora de alemão e inglês, e já verteu para o português obras de Virginia Woolf, Günter Grass, Thomas Mann e Doris Lessing, além de ter recebido o Prêmio União Lataina de melhor tradução técnica e científica em 2001 pela tradução de Lete: Arte e Crítica do Esquecimento, de Harald Weinrich.

Ficha Técnica

Título: O Silêncio dos Amantes
Escritor: Lya Luft
Editora: Record
Edição:
Número de Páginas: 159
ISBN: 978-85-01-07193-4
Ano: 2008
Assunto: Conto brasileiro



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages