Ferrão de Escorpião – Soraya Abuchaim - Tomo Literário

Post Top Ad

Ferrão de Escorpião – Soraya Abuchaim

Compartilhe


O escorpião costuma se abrigar da luz. Normalmente fica escondido sob pedras, entulhos, madeiras, materiais de construção ou até mesmo dentro de calçados e vestimentas. E como são comuns em áreas urbanas, podem ser encontrados no interior das residências ou nos terrenos ao seu redor.

Ser invertebrado artrópode, que pertence a classe dos aracnídeos, há em torno de 2000 espécies de escorpião no mundo. No Brasil há cerca de 140 espécies catalogadas. A cauda do escorpião é a primeira coisa que nos vem à mente quando pensamos no animal. Cauda esta que carrega as suas glândulas de veneno, o conhecido ferrão. É através do seu ferrão que o escorpião injeta veneno, o que pode levar à morte, dependendo da espécie, vez que 30 das espécies de escorpião podem causar mortes.

Astrólogos dizem que as pessoas do signo de escorpião são intensas, tem sentimentos profundos que as fazem viver com muita energia. Com emoções tão extremadas são aquelas que amam com verdadeira paixão e odeiam com imenso fervor. Pessoas de escorpião mantém um certo clima de mistério no ar.

Como todos esses elementos em torno do escorpião, acrescente vingança. Esse é o tema central do novo livro de Soraya Abuchaim, Ferrão de Escorpião, publicado pela Monomito Editorial em 2018.

A obra traz quatro histórias independentes em que mulheres que sofreram diversos tipos de abusos resolvem matar a “sede” de vingança que as toma. Tal qual um escorpião elas decidem ferroar seus algozes, tornando-os presas e paralisando-os. Fazem deles vítimas de sua crueldade.

A primeira história do livro surpreende. Jabbah – Quelíceras, inicialmente parece narrar a vida cotidiana de uma mulher comum, sem grandes sobressaltos, mas temos uma reviravolta apavorante, daquelas que nos deixam arrepiados. Intenso, insano e obscuro o conto faz uma abertura que eleva a expectativa dos leitores em relação ao que virá nas próximas histórias apresentadas. E, garanto-lhes, leitores, vocês terão ainda mais boas surpresas adiante.

Camila aparece em Sargas – A Carapaça, o segundo conto. Ela é uma jovem que carrega o sofrimento da não aceitação e a cena inicial a coloca numa igreja, em total desacordo e desconforto em relação ao poder que sua mãe exerce sobre ela e como a jovem encara todas as imposições. O conto toca numa questão delicada e que, infelizmente, é mais comum do que imaginamos. A jovem Camila sofre com isso. A sua orientação sexual é tratada como doença, pior do que isso, como anormalidade.

“Sempre soube que enfrentaria obstáculos, mas o que mais lhe doía era saber que aqueles obstáculos vinham de quem deveria amá-la e protege-la”.

O destaque do conto é que o desfecho não é óbvio e ainda é capaz de provocar reflexões em quem lê. O conto demonstra o terror psicológico que Camila sofre e desnuda a crueldade humana de quem não tem empatia pelo outro e que é incapaz de compreender aquilo que confronta sua miserabilidade. Como dizia Cazuza em sua música, “pessoas de alma bem pequena”. Num dado momento a história parece caminhar para a conclusão e aí surge uma personagem enigmática. A abordagem sobre alguém que no linguajar comum “tem telhado de vidro” é bem interessante e o conto demonstra a hipocrisia.


Um ponto interessante para reflexão surge durante a leitura dos contos que estão presentes em Ferrão de Escorpião. Não são histórias sobre justiça, portanto, leitor, cabe a nós percebermos que são tramas pautas em vingança. Apesar de todo o mal que as personagens sofreram ao longo de suas vidas e do mal que outros lhes fizeram passar, elas não estão buscando justiça, portanto, não cabe uma régua de ética para medir as suas ações.

A terceira história do livro é Shaula – O Ferrão. A trama revela surpresas para Charles que está indo ao encontro de uma mulher que conheceu. A autora consegue dar uma guinada na história nos pegando de surpresa e apresentando um desfecho inesperado. O fato de a autora conseguir imprimir ritmo, estilo e tramas diferenciadas em cada conto que está no livro, torna a leitura ainda mais agradável.

Soraya Abuchaim fez um retorno em grande estilo. Os contos da publicação revelam-se bem arquitetados e com os elementos necessários para prender a atenção do leitor em histórias curtas: foco no personagem, narrativa clara e certeira sem criar aspectos secundários que se perdem, deixa camadas secundárias citadas para provocar o leitor sem prejudicar o cerne da trama e apresenta reviravoltas que realmente surpreendem.

Graffias – As Pinças é uma reedição do conto Madrugada Macabra e tal qual os anteriores temos uma história coesa e coerente que fecha o livro de um modo intrigante.

São quatro histórias fascinantes que tratam de vingança e que ainda assim deixam ao leitor camadas para reflexão sobre outros assuntos. Veja-se o exemplo da segunda história em que temos uma mãe julgando a filha pela sua orientação sexual. Os assuntos que a autora coloca nos contos são atuais, portanto lemos um livro contemporâneo e cheio de personalidade. O terror psicológico, os abusos, as agressões e a violência mexem com nosso senso de justiça. Vingança não é justiça, e essa linha tênue é trabalhada no livro provocando quem lê.

Cada uma das histórias surpreende o leitor de um modo diferente. Poderíamos pressupor que quatro histórias com uma mesma temática, num único livro, de uma mesma escritora, pudessem ser repetitivas, mas isso não acontece com Ferrão de Escorpião. Temos quatro histórias completas, singulares e que garantem uma excelente leitura.

Ferrão de Escorpião é leitura mais que recomendada!

Sobre a escritora:

Soraya Abuchaim | Foto: Reprodução

Desde muito jovem Soraya Abuchaim se apaixonou pelos livros. Não demorou para que de leitora voraz se tornasse uma escritora dedicada. Já nas primeiras histórias que escreveu, adotou Stephen King como mentor e mergulhou no mundo sombrio das narrativas de terror e suspense sobrenatural e psicológico. Soraya vive em Vinhedo (SP), é casada e tem uma filha.

Ficha Técnica

Título: Ferrão de Escorpião
Escritora: Soraya Abuchaim
Editora: Monomito Editorial
Edição:
Número de Páginas: 104
ISBN: 978-85-923508-8-8
Ano: 2018
Assunto: Literatura brasileira / Contos

2 comentários:

  1. Parabéns Eudes pela resenha. Muito boa mesmo, adorei.
    O livro e maravilhoso, me surpreendeu...

    ResponderExcluir
  2. Excelente resenha, Eudes! Parabéns!!! Você escreve muitíssimo bem!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages