Cinco livros de Rubem Braga - Tomo Literário

Post Top Ad

Cinco livros de Rubem Braga

Compartilhe


Rubem Braga é um dos autores, cuja obra é publicada exclusivamente pela Global Editora. Ele nasceu em Cachoeiro do Itapemirim, ES, em 1913. Ainda estudante, começou atuando no jornalismo fazendo uma crônica diária no jornal Diário da Tarde. Como repórter, trabalhou na cobertura da Revolução Constitucionalista de 1932 para os Diários Associados. Mesmo depois de formado em Direito, continuou com o jornalismo, escrevendo crônicas para O Jornal.

Passou a escrever para o Diário de Pernambuco, quando mudou-se para Recife, PE. Fundou, no Rio de Janeiro, o jornal Folha do Povo, tomando partido da ANL (Aliança Nacional Libertadora).

Em 1936, lançou seu primeiro livro de crônicas, O Conde e o Passarinho. Em 1938, fundou, junto com Samuel Wainer e Azevedo Amaral, a Revista Diretrizes. Foi correspondente de guerra na Europa durante a Segunda Guerra Mundial pelo Diário Carioca, tendo tomado parte da campanha da FEB (Força Expedicionária Brasileira) na Itália, em 1945. No período de 1961 a 1963, foi embaixador do Brasil no Marrocos.

Considerado um dos maiores cronistas brasileiros, Rubem Braga publicou diversos livros, entre eles Crônicas do Espírito Santo e Coisas simples do cotidiano.

O autor adorava a vida ao ar livre, morava em um apartamento de cobertura, em Ipanema, onde mantinha um jardim completo, com pitangueiras, passarinhos, e tanques de peixes.

Nos últimos tempos, publicava suas crônicas aos sábados no jornal O Estado de São Paulo. Foram 62 anos de jornalismo e mais de 15 mil crônicas escritas. Rubem faleceu, no Rio de Janeiro, no dia 19 de dezembro de 1990. 

Conheça cinco livros do autor:

O poeta e outras crônicas de literatura e vida 


Rubem Braga sempre esteve rodeado por seus colegas de ofício. Nas redações de jornais e revistas de várias cidades brasileiras em que trabalhou, durante sua experiência como sócio na Editora do Autor e na Editora Sabiá e em diversos outros espaços e momentos de sua movimentada trajetória, o mestre da crônica teve a oportunidade de conviver com um rol significativo de escritores nacionais dos mais variados gêneros. O poeta e outras crônicas de literatura e vida traz uma fração resultante destes encontros ímpares, os quais Rubem Braga, como não poderia deixar de ser, soube traduzir em memoráveis crônicas.

Publicadas pela primeira vez em livro, as 25 crônicas reunidas nesta obra foram escritas entre os anos de 1948 e 1988 e saíram em diversos órgãos de imprensa como Diário de Notícias, Correio da Manhã, Diário de Pernambuco, O Globo, Manchete e Revista Nacional.

Recado de Primavera


Recado de primavera reúne crônicas de Rubem Braga, em sua maioria, publicadas na Revista Nacional e no Correio do Povo, de Porto Alegre. Elas abarcam de um amplo leque de assuntos: mulheres, a Rainha de Nefertite, a Revolução de 1932, o diário secreto de um homem subversivo e – uma das predileções do cronista – as belezas que a natureza oferece aos olhos de quem sabem admirá-la, como as nuvens, os passarinhos e o brilho das estrelas sobre o mar.

A crônica que dá título ao livro foi feita por Rubem para a Rede Globo, por ocasião do primeiro aniversário da morte de um querido amigo: Vinicius de Moraes. Escrita em forma de carta, a crônica é uma saudação fraterna ao poeta e compositor, na qual Rubem Braga expressa a falta que o amigo já lhe fazia.

Neste livro, um dos últimos que Braga publicou em vida, o cronista comprova mais uma vez sua sensibilidade única para narrar um fato, dividir uma impressão pessoal e compartilhar com seus leitores um pouco de seu modo leve e, ao mesmo tempo, perspicaz, de sentir e de ler o mundo.

Ao trazer de volta às livrarias Recado de primavera, com capa de Victor Burton, a Global Editora inaugura uma nova fase de publicação dos textos de Rubem Braga, reapresentando a partir de agora aos leitores os títulos mais consagrados deste grande escritor que deu um novo sentido ao campo da crônica.

O Conde e o Passarinho


Em O conde e o passarinho, livro de estreia de Rubem Braga, já se encontra presente um dos traços mais vivos da personalidade do cronista: sua firme inquietude.

Faz-se necessário também destacar a variada procedência dos textos coligidos no volume: Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Bahia. Nos instantes de maturação de sua escrita, Rubem Braga indicia com sua trajetória nômade sua disposição a nunca se acomodar e, ao invés disso, a se lançar constantemente em novos postos para observar e narrar o que ocorre à sua volta.

Um menino nascer com o coração fora do corpo em São Paulo, a revolta de uma mãe no Rio de Janeiro diante do fato de sua filha ter fugido com um homem negro, a viva alegria das ruas do Recife na véspera de um dia de São João são passagens da vida cotidiana que Rubem nos transmite com seu indelével lirismo.

Morro do Isolamento


Morro do isolamento traz vinte crônicas que conjugam lirismo, mordacidade e humor, marcas incontornáveis do estilo incomum de Rubem Braga. Porque ninguém escreveu como ele, e ele se mostra cada vez mais vivo nas páginas que nos legou. Aqui temos o cronista globe-trotter que trabalhou em diversas redações, de Recife a Porto Alegre, de São Paulo a Santos, e no Rio de Janeiro, seu porto seguro, onde residiu a maior parte de sua vida.

Publicado pela primeira vez em 1944, Morro do Isolamento é outro livro paradigmático do cronista que apesar de muito moço nessa época, já possuía a marca do gênio alimentado por largos horizontes terrestres. Um lírico que não dispensou o dedo na cara de quem faz pouco ou nada pelo bem dos abandonados da vida. É Rubem Braga em sua potência máxima, contundente como na extraordinária dedicatória inicial, ou em qualquer um destes seus vinte recados em forma de crônica.

História de Zig


O cachorro Zig, grande de porte e também de coração, era praticamente um membro da família Braga. Seu comportamento, no entanto, muitas vezes surpreendia os desavisados. Nesta crônica História de Zig escrita em outubro de 1948, Rubem Braga conta algumas das façanhas de um dos cachorros que conviveu por 11 anos com sua família, conhecido em Cachoeiro de Itapemirim por Zig Braga.

Para conhece esse e outros livros de Rubem Braga, acesse o site da Global Editora.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages