Por que fazemos o que fazemos? – Mário Sérgio Cortella - Tomo Literário

Post Top Ad

Por que fazemos o que fazemos? – Mário Sérgio Cortella

Compartilhe



“Todas as graças da mente e do coração se escapam
quando o propósito não é firme.”
William Shakespeare

Por que fazemos o que fazemos? Nada mais propositivo do que uma indagação como título de um livro. Assim é o objeto desta resenha, de autoria do filósofo, escritor e professor Mário Sérgio Cortella, publicado pela Editora Planeta em 2017 (174 páginas).

A indagação lançada pelo autor e que é explorada no livro centra-se no âmbito profissional. Ainda que possamos, por analogia, emprega-la nas questões da vida doméstica, o foco abordado no livro é o trabalho.

As pessoas estão, cada vez mais, buscando fazer algo que vá além da questão salarial. E vem daí a necessidade dessas pessoas de terem o seu trabalho reconhecido e de sentir-se valorizado pelo que faz. Cortella aborda a importância do propósito: “Uma vida com propósito é aquela em que eu entenda as razões pelas quais faço o que faço e pelas quais claramente deixo de fazer o que não faço” – escreve no primeiro capítulo do livro.

Para que a pessoa sinta que seu trabalho tem valor, é preciso então, que haja na realização dele um determinado propósito. Nesse sentido, num dos trechos o filósofo questiona sobre as pessoas que iniciam o dia de trabalho com um certo nível de tristeza. Para que isso não ocorra é preciso reinventar as razões pelas quais se faz isso ou aquilo. A pergunta surge, inevitável: qual é o seu propósito?

De modo geral as pessoas tem buscado sentido autoral em seu trabalho. O que significa dizer que querem se reconhecer naquilo que produzem. Reconhecer-se não é necessariamente obter vantagem pecuniária, mas a sensação de pertencimento, de ser autor de seu trabalho e, logo, autor de sua própria vida.

Mário Sérgio Cortella trata ainda sobre a origem da motivação. Esta não se revela como um fator externo, como muitos costumam pensar, confundindo-a com estímulo (este sim extrínseco ao indivíduo). Não sentir-se reconhecido é algo que mingua a razão de fazer dado trabalho. O mesmo vale para o “reconhecimento superdimensionado”.

O autor cita no livro uma frase que disse numa entrevista: “Só um imbecil gostaria de fazer o que não gosta”. Há que se pensar que fazer o que se gosta não nos livra de quaisquer esforços, pelo contrário. Para se realizar o que se gosta é necessário esforço, pois sempre há algo que não gostamos de fazer, mas que precisamos fazer para podermos fazer o que desejamos. Sim, esforço é preciso. “A felicidade não é possível em lugar nenhum de maneira inteira, exclusiva, homogênea”.

Diante da abordagem sobre o indivíduo integrado ao trabalho, o autor aborda a questão da lealdade para com a empresa. Lealdade à empresa até quando? É preciso que vejamos qual o nosso propósito, pois dentro de uma organização também existem dissabores. Há alguns deles que podem ser facilmente superados e outros que não são possíveis de serem tolerados. Assim sendo, é possível afirmar que o serviço deve ser realizado até interessar, quando não houver mais interesse, o melhor é sair da organização.

As turbulências pelas quais passamos não são definitivas. Esse assunto é tratado no capítulo dedicado a motivações em tempos difíceis e fala sobre a persistência necessária para enfrentar a crise.

O livro se encerra falando da empresa com propósito. Quando ela o tem, mais fácil a proximidade com o seu empregado e com o mercado em que atua.

Por que fazemos o que fazemos? é um livro que tem uma narrativa fluída e com apontamentos que nos levam a refletir. Cortella tem uma linguagem fácil, acessível, didática e que permite ao leitor, mesmo aqueles que não flertam com a filosofia, compreender o seu conteúdo com clareza.

Leitura altamente recomendada para pessoas ligadas à administração, líderes organizacionais ou de quaisquer outras entidades que não tenham visão econômico-financeira, pessoas que atuam em organizações diversas, estudantes das áreas administrativas e o público em geral. Cortella desvenda inquietações sobre o trabalho, a carreira e a realização. Livro para ler e reler.

Sobre o autor


Mário Sérgio Cortella é filósofo, escritor, com mestrado e doutorado em educação e professor-titular da PUC-SP, com docência e pesquisa na Pós-Graduação em Educação. Foi  Secretário Municipal de Educação de São Paulo (1991-1992), tendo antes sido Assessor Especial e Chefe de Gabinete do prof. Paulo Freire. Comentarista da Rádio CBN nos programas Academia CBN e Escola da Vida. É autor de mais de vinte livros. Entre eles “Qual é a tua obra?” e “Pensar nos faz bem!”.

Ficha Técnica

Título: Por que fazemos o que fazemos?
Escritor: Mário Sérgio Cortella
Editora: Planeta
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-422-1211-2
Número de Páginas: 174
Ano: 2017
Assunto: Filosofia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages