Alameda dos Pesadelos – Karen Alvares - Tomo Literário

Post Top Ad

Alameda dos Pesadelos – Karen Alvares

Compartilhe


“Toda aquela loucura só confirmava que realmente minhas teorias estavam certas e que tudo não passava de um pesadelo...”

No primeiro capítulo já sentimos o ar de mistério que ronda a protagonista (narradora da história). Sua vida agitada e o estresse que carrega numa sexta-feira, em que vê um acidente de trânsito, já nos deixa intrigados. O que há de conexão entre esse acidente e Vivian?

Tudo que se sabe de imediato é que ela é uma mulher de trinta e quatro anos, que mora com o pai e seu filho Lucas, além de trabalhar. Com o decorrer da história vamos tomando conhecimento sobre a personalidade da personagem e sobre acontecimentos relacionados com sua vida, o que inclui, por exemplo, o relacionamento com Joshua e o relacionamento que teve depois, com um homem chamado Gabriel.

Este último homem, Gabriel, perturba a mente da protagonista, aparecendo em momentos inesperados, em lugares inimagináveis e causando a Vivian medo e angústia. Ele é um tipo que causa calafrios pela sua maneira sorrateira de aparecer na história. Eis aí um mistério que intriga.

Vivian conta-nos sobre seu passado, não deixando de abordar a morte da mãe, o momento em que conheceu Gabriel e toda a trajetória do relacionamento que tiveram e que, claramente, deixou marcas.

“Eu queria morrer.
Eu queria fugir.
Eu queria matar.
Eu queria viver.”

Uma mistura de sentimentos invade Vivian. Ela sente o abandono de Gabriel em momento dos quais precisava dele mais próximo e desespera-se com a proximidade que ele tem agora (forçosamente). Vivian vive um verdadeiro pesadelo. E, nesse turbilhão de sentimentos e de possibilidades que se abrem diante da história que ela narra, somo tragados por suas nuances psicológicas. Ora nos questionamos sobre a realidade do que se apresenta, ora acreditamos piamente que faz parte de um processo de aproximação de uma possível insanidade, ora embarcamos na imagem de que é apenas um pesadelo, ora  somos completamente surpreendidos pelos fatos.

Karen Alvares, autora do livro, adota uma estrutura de intercalar presente e passado, moldando uma história com capítulos que vão se encaixando para trazer à tona os tormentos da protagonista e clarificar os eventos que vão surgindo. Na obra vamos ver retratado o relacionamento abusivo, a sede de vingança, a relação familiar, a culpa, as preocupações da personagem para com os seus, o sobrenatural, o espiritualismo. Tudo isso envolto em mistérios que prendem a atenção de quem lê.

“Eu tinha que me encolher e tapar os ouvidos para tentar abafar o som, que me feria como se mil facas estivessem em minha pele. Aquilo me feria muito mais do que qualquer coisa que tivesse feito, qualquer tortura, qualquer soco na cara.”

Por vezes nos questionamos sobre o que há  de visões e realidade, e Vivian vai descobrir algo mais tenebroso do que pensamos. Gabriel é um antagonista obsessivo, que persegue a mulher para além do que pode o leitor supor.

A trama é envolvente, as tragédias pessoais de Vivian são contadas de maneira enigmática, os tormentos e fantasmas que a perseguem carrega nos dão uma boa pitada de suspense e há outros fatos relacionados a ela que vem em intrigantes subtramas a serem desvendadas pelo leitor. Me agrada os contornos psicológicos que Karen imprimiu em seus personagens. Vivian, ao mesmo tempo que demonstra ser uma mulher fragilizada, tem uma força que emana de si nos momentos certos, mas carrega culpas que parecem pesar-lhe o tempo todo sobre os ombros. Suas características, suas dúvidas, suas certezas, e todas as impressões que nos transmite, bem como seus derradeiros anseios são, antes de mais nada, humanos. O caminho que ela escolhe é uma saída para seus problemas ou uma expiação de sua culpa?

Há clima de mistério e suspense no ar o tempo todo, uma tensão que vai nos envolvendo. Quando do início da trama é certo que você, leitor, vá formular algumas teorias sobre o que são os pesadelos da protagonista e que contornos eles podem ganhar no avançar das páginas. A autora surpreende, trazendo um caminho inesperado. Em dado momento até imaginei algo similar ao que acontece, mas a surpresa é maior, pode apostar.

Alameda dos Pesadelos tem um terror que mexe com o imaginário do leitor. Suscita dúvidas com relação aos traumas pelos quais a personagem passou (o que nos deixa curiosos com o desenrolar na narrativa) e consegue ir além do esperado para evidenciar os acontecimentos. Quando entra em cena o espiritualismo tudo é feito com ares de ficção, sem ficar apegado ao contexto religioso, mas traçando bem a atmosfera que envolve aquele ambiente. Não é de bom tom contar o que acontece aqui no blog, mas tenho certeza de que o leitor ficará curioso com a trama do livro.

O livro tem uma narrativa fluída e que, aliada a história, garante uma leitura prazerosa. Prepara-se e adentre a alameda dos pesadelos. Garantia de uma ótima história.

Foto: Reprodução
Sobre o autor

Karen Alvares é um dos expoentes de literatura de terror e suspense psicológico no Brasil. Iniciou há mais de cinco anos a carreira literária, com livros autopublicados e publicados a convite de editoras, e já conquistou prêmios em alguns de seus contos publicados em antologias e romances, com destaque para o Celebrando Autores Independentes, da Amazon, na Bienal do Livro São Paulo 2016. Autora de Alameda dos Pesadelos (Cata-vento, 2014) e de Inverso e Reverso (Draco, 2015 e 2016). É escritora associada da ABERST – Associação Brasileira de Escritores de Romance Policial, Suspense e Terror.

Ficha Técnica

Título: Alameda dos Pesadelos
Escritor: Karen Alvares
Editora: Cata-Vento / Independente (Amazon)
Edição: 3ª
ISBN: 978-85-6672-509-4
Número de Páginas: 252
Ano: 2018
Assunto: Literatura brasileira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages