[Entrevista] Márcio Muniz - Tomo Literário

Post Top Ad




Poeta, contista e romancista, Márcio Muniz é autor de oito livros, sendo quatro em formato físico e quatro em ebook. Participou de 26 antologias, é membro da Academia Liminescência Brasileira (Alubra) e Embaixador da poesia pela Academia Virtual de Artes, Letras e Cultura Embaixada da Poesia. Em 2015 venceu o concurso do circuito itinerante de poesia dos bairros cariocas. Márcio concedeu entrevista ao Tomo Literário.Confira.

Tomo Literário: Como e quando você decidiu ser escritor?

Márcio Muniz: Costumo dizer que não escolhi ser escritor, mas sim, fui escolhido. Escrever é uma forma de me expressar, de mostrar o mundo como o vejo e o que sinto. Escrevo poemas e crônicas desde que me reconheço como indivíduo. Sempre gostei das aulas de redação no colégio. Então, depois vieram contos e romances curtos, tudo guardado em minhas gavetas e restrito a pouquíssimos amigos. Em 2014 tomei coragem e mandei um poema para uma antologia, depois outra e vieram os livros. Quando vi tinha virado vício e aí sim comecei a me dedicar mais, dispor de mais tempo para aprender. Ainda não me considero um escritor, mas acho que dei um passo importante ao entender que escrever vai além da inspiração, é preciso uma grande dose de transpiração neste ato.

Tomo Literário: Você acaba de lançar Microamores pela Editora Illuminare. Como surgiu a ideia do livro e como foi o processo de criação?

Márcio Muniz: Sempre tive dificuldades em ser sucinto quando escrevia, tinha uma grande tendência a me alongar em meus textos. Então em 2016 a editora Illuminare lançou o desafio de escrever microcontos, a priori com cem caracteres incluindo espaços e pontuação. No começo achei que jamais seria capaz de fazer um desses de modo decente...Bom, acabei me viciando. Tudo era motivo para tentar criar uma micro estória. Depois disto, também em 2016 fui convidado a dar uma palestra sobre Haicai, o que me levou a pesquisar muito sobre o tema devido ao fato de eu não ter uma formação acadêmica da área de literatura. Ao conhecer melhor este gênero literário e ainda alguns outros, também acabei me apaixonado pela capacidade de se expressar e se fazer entender em poucas palavras. Hoje tenho mais de 500 microcontos e 300 micropoemas e o bom que a inspiração vem em um estalo e pronto. Depois em alguns rola uma lapidação, mas a maioria vem de um insight.

Tomo Literário: Seu livro foi apresentado na Feria do Livro Livre na Argentina. Qual a sensação de ter sua obra divulgada além das terras brasileiras?

Márcio Muniz: Cada conquista é um degrau a mais nesta escalada de quem sabe um dia, me tornar de verdade um escritor. Esta foi mais uma das alegrias que a editora Illuminare me proporcionou. Hoje posso afirmar que esta editora está profundamente interligada na minha trajetória. Saber que meu livro despertou grande interesse em leitores além das fronteiras de nosso país é para mim motivo de grande orgulho. Acho que ter parceiros que te proporcionem este tipo de sensação não tem preço.

Tomo Literário: Você também escreve contos e tem participações em antologias, como 7 Pecados Capitais. De que trata o seu conto nessa antologia?

Márcio Muniz: Verdade, hoje já são 26 antologias publicadas e tem mais três a caminho. Fiquei muito feliz em ser mais uma vez selecionado para esta grande antologia, afinal participei também da primeira edição. No começo fiquei na dúvida sobre qual pecado escreveria, acabei falando um pouquinho de cada um deles, mas não posso revelar muito pois seria um grande spoiler já que a grande surpresa da revelação do pecado em questão está no seu final. Digamos que como eu não sou tão trevoso assim, acabo pendendo para que tenha uma certa dose de humor neste conto.

Tomo Literário: O que te inspira a escrever?

Márcio Muniz: Viver! Tudo me inspira. Seja uma cena que presencio, uma viagem de trem, uma mulher com um cabelo diferente, um olhar. A inspiração para mim vem da observação e do devaneio de supor o que poderia acontecer de diferente a partir daquela observação. Vou dar um exemplo, certa vez fiquei observando um casal que caminhava em uma calçada em sentido contrário, então os dois se cruzaram e ao cruzar um com o outro, ambos olharam para trás só que uma fração de segundos atrasado com relação ao outro. Ou seja, ambos tiveram interesse, mas essa defasagem os impediu de saber. Quem sabe o que poderia ter acontecido se tivessem olhado ao mesmo tempo? Bom, claro que escrevi algo a respeito.

Tomo Literário: Tem algum projeto literário vindo por aí? Pode nos adiantar algo?

Márcio Muniz: Tenho a cabeça inquieta, estou sempre escrevendo e me vejo em multiplos projetos, quase sempre falta tempo, capital e parceiros para leva-los adiante. Já lancei 8 livros, quatro em formato físico (dois de poemas, um de contos e um romance) e quatro em formato digital de poesia (amor, crítica social, sentimentos diversos e sensualidade). Posso dizer que não tenho nada concreto, mas estou de olho em boas oportunidades. Além disso, sou co-organizador de um sarau literário (Sarau Poesia & Arte), acho que é uma forma de fomentar a cultura e criar novos apreciadores e consumidores de cultura em geral, uma vez que em nosso sarau temos espaço para música, dança, teatro e outras manifestações artísticas.

Tomo Literário: Que autores você recomenda ou quais autores influenciaram o seu trabalho como escritor?

Márcio Muniz: Tem tanta gente boa aqui no Brasil que fica difícil citar. Gente que não fica nada devendo aos escritores internacionais, nomes como Rô Mierling, MV Barcelos, Vina Ferreira, LM Gomes, Jhefferson Passos, Fernando Nunes, Juliana Daglio, Francine Locks, Vitor Abdala, Bruno Black, Leandro Ervilha, Juliana Aguiar, Germana Zanetti, Fabio Shiva, Anderson Assis, enfim, é gente demais e tenho orgulho em dizer que muitos deles se tornaram meus amigos depois que entrei neste caminho de letras. Quanto aos que me influenciaram, eu citaria Machado de Assim, Carlos Drummond de Andrade, Marcelo Rubens Paiva, Fernando Pessoa. Longe de me comparar a escrita destes, seria desta forma ao menos que eu gostaria de escrever.

Foto: Reprodução
Tomo Literário: Que livros, de quaisquer gêneros, você indicaria aos leitores e de que maneira esses livros te tocam?

Márcio Muniz: Bom, nada contra o livro que é mero entretenimento, eu mesmo os leio e curto bastante, mas eu gosto mais dos livros que me causam reflexão, que me provocam e fazem com que eu me emocione. Gosto de ler de tudo um pouco, acho que nem chego a ter um gênero favorito, depende do meu momento. Eu ficaria a entrevista toda citando mas vamos lá: Dom casmurro – Machado de Assis; Travessuras da menina má – Mario Vargas Lhosa; A cabana – William P. Young; Proibido – Tabitha Suzuma; A Montanha e o rio – Dan Chen; Ensaio sobre a cegueira – José Saramago, O cortiço – Aluísio Azevedo, O caçador de pipas – Kalhed Houssaini. Tantos...

Tomo Literário: Quais são as suas expectativas ou sonhos como escritor?

Márcio Muniz: Ser lido, crescer como autor, emocionar pessoas e fazê-las pensar. Só isso...(risos). Brincadeiras a parte, quero que meus textos toquem as pessoas, tenham significado para elas. Mas acho mesmo que tudo se resume em ser lido, o que me leva também a ser reconhecido neste meio. Acredito que este também é papel de quem se predispõe a escrever, pois de alguma forma acabamos nos tornando formadores de opinião e como tal, podemos e devemos almejar construir um mundo melhor, de sujeitos felizes, que provocados, sejam questionadores, mais capazes de criar e desenvolver raciocínio. Bom, creio que todo poeta é meio utópico.

Tomo Literário: Quer deixar algum comentário para os leitores?

Márcio Muniz: Agradecer. Dobrar os joelhos e agradecer as pessoas que curtem minhas postagens, que me enviam recados em minhas redes sociais, que compram meus livros, que vão aos eventos que participam me dar um abraço. Eles são a razão disto, senão, o que sobra é apenas vaidade de querer se fazer notar. A gente escreve para si, um pouco, mas principalmente para as pessoas, para o mundo. Peço aos leitores que estão aqui tirando um tempinho para ler esta entrevista que se permitam experimentar a literatura e os autores nacionais, que tenham a mente aberta para o novo e que no fim de tudo esbocem um sorriso, se emocionem e que possam sair sempre melhores depois da sua leitura de um livro, seja ele qual for.

Conheça os livros do autor

Amor somente amor

Que chances um garoto pobre, negro, morador de uma comunidade do Rio de Janeiro, teria com uma bela menina rica, branca, frequentadora da alta-sociedade carioca? Teoricamente, nenhuma!

Pior... para Breno, não bastará apenas conquistá-la, terá que lutar contra o preconceito imposto por todos... principalmente, pelo próprio pai dela! Seu Levi é um homem autoritário, extremamente preconceituoso e arrogante, jamais permitirá que sua filha venha a namorar um “favelado”.

Mas Breno encontrará em Lucas – um playboyzinho que mora no mesmo condomínio de Sabrina e que frequenta a mesma comunidade de Breno em busca de saciar seu vício –, um forte aliado. Será com sua ajuda e companheirismo que ele tentará romper com todas as barreiras impostas por nossa sociedade e conquistar o coração de Sabrina.

Disponível na Livraria Drago Editorial.

Vida e Verso em Prosa

Para momentos de reflexão, dias leves e envolventes, a leitura de "Vida e verso em prosa" é a mais indicada.

Com palavras simples e claras, o autor traz aos amantes de poesia - e aos não amantes também - o privilégio de passear por situações inusitadas e vivê-las com uma intensidade verdadeira.

Disponível na Livraria Drago Editorial.


Microamores

Um livro cheio de sentimento, sensibilidade e reflexões. A obra é dividida em duas partes: micropoesias e microcontos. Cada texto com uma composição toda especial para falar de amor, paixão, sedução, saudade, carinho e outros ingredientes que fazem a vida ter um sentido todo especial. O livro é uma pequena obra de arte. Ilustrações internas feitas em nanquim dão um sentido mais vivo e visual a muitas das histórias e poesias. Um pedaço de sentimento concretizado em papel.



Encontros com o amor

Em um mundo tão pragmático e cheio de dramas, impregnado de uma fria realidade, um pouco de fantasia nos faz ter com ele um relacionamento mais suave e agradável. Encontros com o amor é uma coletânea de contos que nos mostra que o amor pode estar ao lado, no ar, em toda parte, sob nossas vistas, ao alcance das mãos, à nossa espreita, à nossa espera. Como digo em uma de minhas poesias: “Quem nunca ouviu falar do amor? Quem com ele nunca se encontrou?” Aqui ele é relatado de forma singela, por vezes parecendo surreal e por que não, como matéria palpável. Encontros com o amor podem ser inusitados, imprevisíveis e sem dúvidas, inesquecíveis.

Disponível na Sanfer Livros.

E-books na Amazon
Poemas, paixões e declarações de amor
Poemas, utopias e algumas doses de razão
Poemas entre lençóis
Poemas e outros tantos sentimentos

Acompanhe o escritor nas redes sociais

Um comentário:

  1. Gostaria de dar os parabéns pelo grande trabalho de apoio a literatura nacional e agradecer pela oportunidade de falar sobre mim e minha trajetória literária.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages