12 livros que li em 2017 (e que você precisa ler) - Tomo Literário

Post Top Ad

12 livros que li em 2017 (e que você precisa ler)

Compartilhe

Não costumo fazer aquelas listas de melhores livros do ano. Seria injusto, mencionar que um livro que eu li é melhor do que outro que não li. Mas, há livros cuja história reverbera na minha mente. São livros sobre os quais quero falar mais sobre eles, quero conhecer mais sobre seus autores. São livros que deixaram alguma mensagem que me tocou, alguma passagem que me fez refletir, ou são livros que me propiciaram uma prazerosa diversão, uma fantástica incursão pela literatura.

Pensando nisso me indaguei: quais livros li em 2017 e que quero dividir com mais leitores? Por que eles deixaram uma marca que me faz querer falar mais sobre eles?

Montei uma lista de doze livros lidos em 2017 (lidos, não necessariamente publicados no ano) e quero indicar para que outros tantos leitores leiam. São as minhas indicações de leitura do ano ou você pode chamar de “Doze Leituras ‘Phodásticas’ de 2017”.

Se você não os leu antes, ou em 2017, pode adicioná-los em sua lista de leitura de 2018.

Diário de Uma Escrava
Escritora: Rô Mierling
Editora: DarkSide Books

O livro traz uma história ficcional, todavia inspirada em fatos reais. O modo contundente com que a autora nos relata a história de sua protagonista Laura, não é leve. É uma obra que tem força. Toca em questões profundas de uma jovem que é mantida em cárcere e abusada sexualmente. Pela voz da ficção, Diário de Uma Escrava, faz um grito de alerta. Muitas são as pessoas que desaparecem e muitas são destinadas a fins sexuais.

Diário de uma Escrava é  um livro impactante, que nos faz navegar por um lado sombrio e cruel do ser humano, mas que chama o leitor para a reflexão. Um choque necessário! Um livro necessário!

As Invernas
Escritora: Cristina Sanchéz-Andrade
Editora: Tordesilhas

Cristina é considerada uma das novas vozes femininas da literatura espanhola. Tem uma narrativa burilada e agradável de ler. Em “As Invernas” conta a história de duas irmãs, Saladina e Dolores, que voltam para a aldeia em que nasceram e de onde haviam fugido quando crianças. Elas carregam um segredo e ao remexer no passado causam transtornos aos habitantes do local. Na narrativa a história dos personagens flutua na fronteira entre a verdade e a mentira, entre memórias e realidade. Tudo difuso.

Na leitura paira uma certa estranheza em relação aos personagens. Uso o adjetivo estranho, porque é assim que os vi. E foi isso que me fascinou. Além da ótima história contada no livro, seus personagens são singulares.

Começa em Mar
Escritora: Vanessa Maranha
Editora: Penalux

Quando comecei a ler o livro já me senti fisgado pela primeira frase. Parece absurdo, mas não é. De fato senti que teria um navegar prazeroso pela história que se apresentava. Havia sido atraído pela sinopse e pela bela capa. Eu, que tanto gosto de mar, não imaginava, inicialmente, que a história de Vanessa Maranha me levaria por uma instigante viagem.

Alice Zulmira é uma personagem que vive o desterro do migrante. Quando pequena cruzou o mar e veio morar na fictícia Róvia Baiana. Filha de pai português e mãe espanhola, ela constrói sua vida aqui, mas sente a necessidade de ter contato com aquilo que o pai lhe contava. Hortênsia, Marta e Jordana são outras três personagens que fazem parte da bela história. Críveis, elas tem facetas distintas. Há abordagem sobre o pertencimento ao lugar, sobre conflitos nas relações, sobre a busca de conhecer a si, sobre insanidade. É como se todas fossem estrangeiras (ou estranhas) em seu cotidiano rotundo.

A autora tem uma narrativa esmerilhada, de quem sabe trabalhar com as palavras para dar-lhe força e suavidade. Gostei muito dos personagens, de sua construção, da maneira como se apresentam ao longo da trama. Não bastasse tudo isso, eu comecei e terminei a leitura de frente para o mar, o que tornou tudo ainda mais mágico. Citei inúmeras vezes o livro como um dos prediletos do ano. E de fato é! Altamente recomendado!

Estou Atrás de Você
Escritor: John Ajvide Lindqvist
Editora: Tordesilhas

Foi o meu primeiro contato com o autor. Dizem que ele é a resposta sueca para Stephen King. E, independente disso, fiquei admirado pelo terror escrito por Lindqvist. Tudo no livro é enigmático, e esse foi o ponto alto que me atraiu.

O terror, o sobrenatural, as inquietações humanas, os segredos que são revelados, estão na obra e são bem amarrados. Um universo de personagens ricos em sua constituição física e psicológica, que são bem elaborados e bem aproveitados em todos os aspectos.

A história causa frisson. Num dia tudo se foi. O que resta é apenas um campo de grama infinito, quatro trailers, quatro carros, oito adultos, duas crianças, uma gata e um cachorro. O acampamento sumiu, o lago sumiu e até o sol desapareceu. O pesadelo começa. Intrigante do início ao fim, o livro leva-nos a adentrar a escuridão e a encarar as imperfeições humanas.

A Costureira e o Cangaceiro
Escritora: Frances de Pontes Peebles
Editora: Nova Fronteira

Adormecia na minha estante um livro grosso que havia comprado há muito tempo. De sobressalto, resolvi ler. No instante que comecei,  notei que parecia muito com o que havia sido apresentado para o livro “Entre Irmãs”. Pesquisando, descobri que tratava-se da mesma história. Os direitos agora estão com a Editora Arqueiro, que publicou o livro com o nome do filme, inspirado na obra. Agora a Rede Globo transformou a história em série.

Trata da história de duas irmãs, que são costureiras, e seguem suas vidas separadas após o falecimento da tia. Diferentes que são, elas se complementam, mesmo seguindo destinos separados, tecendo suas próprias vidas. Os personagens são bem construídos, tem uma história bem caracterizada em seu tempo, costume e cultura. Um livro com muita brasilidade, pelo cenário que traz – o interior e a capital de Pernambuco. De pano de fundo abordam questões inerentes ao papel da mulher na sociedade, a luta pelo voto feminino, a modernização de Recife, as diferenças econômico-sociais. Uma obra que me conquistou pela força e sutileza de sua trama.

A Casa Torta
Escritora: Agatha Christie
Editora: L&PM Editores

Esse não foi uma leitura, mas sim um releitura. Já havia lido há muito tempo e resolvi passear pela história mais uma vez  para resenhar, com a finalidade de comemorar os 127 anos de Agatha Christie. É um dos livros prediletos de Agatha. Também se tornou um dos meus prediletos da autora, por isso o trouxe para essa lista de indicações.

A Casa Torta conta a história do assassinato de Aristide Leonides. Todos os moradores da casa tornam-se suspeitos e, entre eles, parece existir muita discórdia. É um livro policial com uma excelente trama, personagens interessantes, muito suspense e um final daqueles! Agatha Christie é a minha escritora preferida. Rankear seus livros, confesso, é uma enorme dificuldade. Meu top 10 de Agatha Christie varia com o tempo, mas A Casa Torta é um daqueles que sempre recomendo quando me pedem indicações, o que só se confirmou ao relê-lo em 2017.

Epicuro em Meu Jardim
Escritor: Marcos Welinton Freitas
Editora: Multifoco

Nesse ano tive contato com a literatura de Marcos Welinton Freitas. O livro Epicuro em Meu Jardim tem uma bela narrativa. Hedonê, a protagonista, é uma poetisa que lança-se ao prazer. No livro o prazer é tratado sobre dois aspectos: o prazer que ela sente ao fazer poesia e o prazer sexual. É por meio de um deles que ela resgata o seu outro prazer. Chama-me a atenção o fato de que a protagonista é uma mulher que se lança ao gozo, mas que tem também melancolia e busca refúgio na sua reflexão, na introspecção que vem após seus atos.

O autor tem uma prosa lírica e uma personagem contundente. Referências à Lya Luft e Hilda Hilst, duas poetisas/escritoras que admiro, tornaram a leitura ainda mais agradável. E como eu disse na resenha que fiz para o blog: Lance-se ao prazer. Ao prazer da leitura, ao prazer do belo texto do autor, ao prazer provocado pela personagem.

Um Martini com o Diabo
Escritora: Cláudia Lemes
Editora: Empíreo

O que um bom romance policial tem que ter? Uma trama envolvente, personagens fascinantes, intrigas, segredos que são revelados, crimes... Bom, tudo isso e muito mais, tem no excelente livro de Claudia Lemes. Charlie é um personagem intrigante, assim como Rocket. A trama é surpreendente e muito bem desenvolvida. Inspirada pelo clássico O Poderoso Chefão, de Mario Puzo,  e por mestres do gênero noir, a trama que envolve vingança e ódio de um filho pelo pai, me sugou para dentro das páginas do livro.

Um Martini com o Diabo é daqueles livros que não deixam o leitor cair no marasmo. Muito pelo contrário, é um livro inquietante, que nos toma pela história bem contada, pelos personagens, pelas reviravoltas que surgem ao longo da narrativa. Eu, que adoro livros policiais, descobri aqui uma autora que não quero mais largar. Agora quero ler tudo escrito por Cláudia Lemes.

Escrita Maldita
Escritor: Ben Oliveira
Editora: Independente

Duas coisas me chamaram a atenção no livro: a abordagem sobrenatural que Ben Oliveira usa na sua história, que vai envolvendo o leitor pelas beiradas. Vai nos fazendo sentir o arrepio e a tensão vivida pelos personagens. A outra é o fato de utilizar dois personagens escritores, trazendo ao leitor os anseios e inquietações de quem escreve.

Para quem está envolvido com o universo literário e gosta de terror/suspense, vale a pena ler. Na história um autor que virou best-seller com seu livro de terror é convidado para escrever com um consagrado mestre do gênero. Os dois passam a construir a história a quatro mãos e eventos estranhos começam a acontecer. É uma trama cheia de mistérios, retorno ao passado, ares soturnos.

Escrita Maldita é um livro que prende o leitor do começo ao fim. E, quando você acha que tudo está se resolvendo, Ben Oliveira traz mais reviravoltas que nos deixam de queixo caído e que tem total ligação com toda a história que vem sendo contada. Surpreendente!

Tartarugas Até Lá Embaixo
Escritor: John Green
Editora: Intrínseca

O que me chama a atenção no novo livro de John Green é a forma com que ele aborda o transtorno obsessivo compulsivo da protagonista Aza Holmes. A personagem, o tempo todo, tenta lidar com as espirais de pensamentos que a assolam. Por meio de um curativo que ela tem no dedo, e que faz questão de limpar e trocar, desencadeia-se uma série de pensamentos aliado ao medo de contaminação. Possivelmente, pelo fato de o próprio autor ter TOC, soube muito bem representar o transtorno, sem ficar caricato e sem ficar redundante, na repetição de ações (como costumamos ver o estereótipo de quem tem tal tipo de compulsão).

O livro tem um ar de jovialidade e personagens cativantes o que acredito que pode incentivar leitores jovens a buscarem compreensão sobre a existência do transtorno que acomete a personagem. Foi o melhor livro de John Green que li, por isso ele veio parar nesta lista de indicações e de ótimas leituras de 2017.

Ilíada
Escritor: Homero
Editora: Nova Fronteira

O que falar de um clássico? Ainda mais de um livro que é considerado uma verdadeira obra-prima da poesia épica. Pois bem, em 2017 me aventurei pela leitura de Ilíada. Foi um dos livros mais difíceis que já li e, possivelmente, por isso, fui tocado.

O livro narra em 24 cantos, episódios da famosa Guerra de Troia. Quando Helena (a esposa do Rei de Esparta) é raptada por Páris, príncipe de Troia, batalhas são iniciadas. E não somente batalhas entre os homens, mas também entre deuses e humanos. Ler em versos uma longa história, recheada de personagens, com uma forma rebuscada de escrita, tira-nos da zona de conforto, pois é necessário ficar atento ao linguajar distante do que usamos na contemporaneidade.

Ilíada se tornou um livro que, vez ou outra, consulto algum canto, destaco algum trecho e sobre o qual fui buscar saber mais depois da leitura. O li também para desfazer aquela mitificação de que tais livros são complexos demais, chatos demais, densos demais. Clássico recomendado!

De Repente, Nas Profundezas do Bosque
Escritor: Amós Oz
Editora: Companhia das Letras

O livro é uma fábula encantadora. Numa pacata aldeia não existem bichos e as crianças são proibidas de entrar no bosque vizinho. Segundo os adultos, ali reina Nehi, que é considerado o demônio das montanhas. Na escola, uma professora, desenha os animais que chegou a conhecer, mas os alunos desdenham dela, pois eles foram ensinados que aquelas são criaturas perigosas. No entanto, há dois alunos que não se satisfazem com as explicações que ouvem dos adultos e resolvem adentrar o bosque para ver o que tem por lá com os seus próprios olhos.

Metaforicamente a fábula de Amós Oz trata de discriminação, da convivência com o outro, da necessidade de aprender a respeitar as diferenças e o diferente e versa ainda sobre a relação do homem com a natureza. O livro deixa reflexão sobre o ser livre, lutar contra a intolerância e não se deixar dominar pela visão nebulosa, distorcida, viciada e preconceituosa dos outros.

2 comentários:

  1. Olá!
    A maioria dos livros ficaram como indicações, muito obrigada.
    De todos, eu só li "Tartarugas até lá embaixo", terminei ontem mesmo, e eu adorei. Eu amo todos os livros do John Green. ♥
    Espero que faça ótimas leituras em 2018 também.
    Um super beijo!
    Thami, Blog Historiar.

    ResponderExcluir
  2. Que coisa boa ver Escrita Maldita nesta lista. Fiquei muito feliz. Gratidão pela indicação e espero que os leitores do seu blog também gostem do livro.
    Feliz 2018.
    Abraço

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário.

Post Bottom Ad

Pages