Livros Lidos em Julho de 2015

Em Julho li “Erasmo de Rotterdam”, de Luiz Feracine que trata do filósofo renascentista que é tido como um dos homens mais inteligentes de seu tempo. E ainda na linha da filosofia e de elaboração do mesmo autor, li “Sêneca”, que fala do filósofo estóico que foi também o tutor de Nero.

Me aventurei pelas crônicas de Carol Teixeira no livro “De Abismos e Vertigens”, em que ela trata de coisas cotidianas, arte, cultura e ainda abre algumas páginas de seu diário ao leitor.

“Andante com Morte”, do escritor e jornalista Mario Pontes foi outro livro lido em Julho. São quatro histórias independentes, muito bem escritas.

Um castelo abandonado, a intenção de transformá-lo num hotel, até que o pânico transforma a realidade de um dos personagens. Essa é a história de “O Torreão”, de Jennifer Egan.

“O Preço de Todas as Coisas”, de Eduardo Porter é um estudo sobre como o preço influência a decisão das pessoas, das empresas, das entidades e dos governos. Tudo tem um preço: trabalho, cultura, mulheres, lazer, fé, tudo.

Ainda em Julho li outros três livros nacionais de ficção. São eles: “O Null”, de Sérgio Egídio Guevara Panceri, “O Ciclista”, de Walther Moreira Santos e “Do Outro Lado Tem Segredos”, de Ana Maria Machado.

O primeiro trata de um personagem que tem vozes dentro de si e que tenta compreender o mundo. O segundo foi ganhador do 1º Prêmio José Mindlin de Literatura e fala de uma bela história de relações humanas e compaixão. O terceiro tem imagens de Guto Lins e fala da história de Bino, filho de pescador, que é um profundo conhecedor do mar, mas que tem o desejo de saber o que tem do outro lado do mar.

Na linha de não-ficcção, li “Histórias Íntimas”, de Mary Del Priore. O livro fala da sexualidade e do erotismo na história do Brasil. Desde as questões sexuais quando o país foi colonizado até a inserção da separação, do divórcio, a mudança de comportamento ao longo do tempo, a homossexualidade  e o surgimento da AIDS, entre outros.

“O Réu e o Rei”, de Paulo César Araújo, conta a história do autor e sua relação com o cantor/compositor Roberto Carlos. Paulo foi o biógrafo do livro proibido pela lei que contava a história do cantor. O escritor conta em detalhes todos os acontecimentos que ocorreram durante sua pesquisa e até mesmo o processo que sofreu para proibir a publicação do livro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.