Um Amor de Swann - Marcel Proust



“... não é diante de outro homem inteligente que um homem inteligente tem medo de parecer burro, não é diante de um grande senhor e sim diante de um grosseirão que um homem elegante receia ver sua elegância menosprezada.”

Em Busca do Tempo Perdido, conhecida obra do escritor francês Marcel Proust, considerado um dos maiores escritores do século XX, é composta de sete volumes.  A obra foi escrita entre 1908 e 1922. No Caminho de Swann é o primeiro desses sete tomos.

O livro Um Amor de Swann é o segundo capítulo do primeiro volume. O que permite a sua publicação de maneira isolada é a independência que o trecho tem de todo o restante do texto de Proust. Originalmente foi publicado em 1913 e nele reside uma narrativa que não se atrela aos demais, ainda que seja parte que constitui o todo. Outrossim, vale dizer ao leitor que Um Amor de Swann é narrado em terceira pessoa, o que diferencia o livro em questão de todo o restante do texto da obra consagrada. Ainda mais, Um Amor de Swann, tem publicações independentes já há bastante tempo e virou filme em 1984.

Com tradução de Cristina Cupertino e Daniel Knight, a Editora Tordesilhas, publicou o livro em 2017, com prefácio de Marcelo Jacques de Moraes – professor titular de literatura francesa da UFRJ.

Em O Amor de Swann temos a história do aristocrata que dá nome ao livro e Odette, a quem se refere “o amor” do título. Swann é conhecedor de arte, entre as quais figuram a pintura e a música, que são abordadas em várias passagens do livro, formando um tripé (pintura, música e literatura). Seu conhecimento é, sem dúvida, notadamente percebido pelos demais personagens no meio em que circula, denotando sua inteligência. Aristocrata, como dito anteriormente, ele freqüenta a alta sociedade francesa, ainda que, de um jeito ou de outro, haja o despertar da antipatia de outros membros do meio. Mas, há que se pesar, que tudo é feito para manter o status. As aparências, ainda que simuladas, são mantidas.

Inicialmente, quando ele conhece Odette, rechaça a ideia de ter qualquer relação com a mulher. Acha-a, inclusive, quase feia, uma figura incapaz de despertar interesse. Odette, a mulher que depois vem a se envolver com Swann, é considerada fútil e tem sua reputação posta em dúvida. Inclui-se a isso o fato de que ela não faz parte da classe burguesa.

“... acho ridículo que um homem da inteligência dele sofra por causa de uma mulher daquele tipo e que ainda por cima nem é interessante”. – Comenta um personagem acerca de Swann e seu sentimento por Odette.

Ao ver uma pintura de Botticelli na Capela Sistina ele recorda-se da moça, como que despertando para a possibilidade de ter com ela algum tipo de relacionamento. Seus sentimentos mudam em relação aquela primeira impressão que tivera. Em Zéfora ele vê Odette. É como se ela fosse então elevada a algo sagrado, posto que a obra mencionada está dentro de um capela. Odette galga, nos sentimentos de Swann, algo mais que a antipatia inicial. Além do despertar pela pintura, como ocorre nesse encontro dele com seu sentimento, a música também o toca, e uma sonata passa a aguçar prazer e recordações em Swann.

Mesmo com aquele desdém inicial, a vida dá voltas e amarra as pessoas.  Ele acaba amando fervorosamente aquela mulher. O sentimento é nele despertado, de tal maneira que até ciúme passa a sentir. E isso ocorre não uma vez somente, mas várias e o coloca em situações inusitadas, mesmo quando provocadas. Podemos dizer que Swann desenvolve uma grande obsessão por Odette. Em algumas etapas, surgem suspeitas e ele passa a querer saber o que Odette faz quando está longe dele.

“Mas era em vão que Swann lhe expunha assim todas as razões que ela tinha para não mentir; elas teriam podido destruir em Odette um sistema geral de mentira; mas Odette não possuía um tal sistema; ela se contentava, cada vez que queria ocultar de Swann alguma coisa que ela tinha feito, em simplesmente não contá-la para ele. Assim a mentira era para ela um expediente de ordem particular...”

O relacionamento, definido como diabólico e “sem escrúpulos” por Samuel Beckett, é o centro do livro de Marcel Proust. Mas também são abordados a idealização da pessoa amada, as máscaras sociais que são utilizadas para parecer o que não se é e aparentar um status considerado relevante, as articulações que se faz socialmente para se alcançar objetivos, a frivolidade das classes mais abastadas, o poderio econômico como cerne das relações e a emoção se sobrepondo à racionalidade. É nesse ponto que vemos o homem tido como inteligente e rico se entregando à emoção. Portanto, a obra vai além do simples fato de tratar a relação de amor entre Swann e Odette, pois se estende à complexidade dos sentimentos humanos, da vida social de um indivíduo.

Swann perde sua racionalidade e acaba exacerbando suas atitudes o que mostra claramente, no texto de Marcel Proust, os extremos do amor. Observa-se também mudanças em Odette que serão reveladas ao longo do livro.

Proust tem uma narrativa de parágrafos longos e frases idem. Em meio a densa história de amor há um pitada de humor. Os personagens do meio em que vive Swann, como o Sr. e a Sra. Verdurin, mostram as facetas do interesse, do falar às escondidas, do fingimento da simpatia, das máscaras sociais. Sr. Verdurin, por exemplo, fala sobre Swann que “ele é o típico fracassado, o sujeitinho invejoso de tudo o que tem um pouco de grandeza”.

Na abertura do livro há a menção de que trata-se de um livro para adentrar a obra de Proust, e isso é perceptível quando conseguimos nos identificar com a trama criada por ele. Um Amor de Swann foi capaz de despertar o desejo pela leitura de mais textos de Proust, de conhecer mais profundamente seu trabalho.

Interessante observar que trata-se de uma história de amor realizada no início do século XX, mas que ainda enseja pontos que são amplamente discutido na sociedade atual. É a prova de que bons textos conseguem ultrapassar o tempo nos quais foram criados.

Um Amor de Swann é um ótimo livro e traz uma história que prende a atenção do leitor.

Foto: Reprodução
Sobre o autor

Marcel Proust (1871–1922), filho de uma abastada família parisiense, frequenta os salões mais badalados da capital francesa e leva uma vida social dinâmica. Ao fim do século XIX, abalado pelo diagnóstico de asma crônica e pela morte da mãe, passa a viver extremamente recluso, dedicando a maioria do tempo à composição de Em busca do tempo perdido. Ficou famoso sobretudo pela inovação estilística e linguística de sua prosa, assim como pela franqueza e pelo tino com que lidou com temas como amor, política e homossexualidade.

Ficha Técnica

Título: Um Amor de Swann
Escritor: Marcel Proust
Editora: Tordesilhas
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-8419-052-2
Número de Páginas: 300
Ano: 2017
Assunto: Ficção francesa
Um Amor de Swann - Marcel Proust Um Amor de Swann - Marcel Proust Reviewed by Tomo Literário on 15:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Deixe aqui seu comentário.

Tecnologia do Blogger.