[Entrevista] Elton Moraes



Elton Moraes é um viajante dos mundos de faz de conta e criador de histórias do além. Ariano, comunicólogo, apaixonado por literatura e amantes de séries, encontrou nas palavras uma forma de dar vida às suas aventuras imaginárias. O escritor concedeu entrevista ao Tomo Literário e nos falou sobre o início de sua carreira, sobre seus livros, publicações de temática LGBT, novos projetos e outros assuntos.

Tomo Literário: Para começarmos, como foi o começo da sua incursão pelo meio literário?

Elton Moraes: Desde uns nove/dez anos, eu gostava de escrever e brincar com palavras. Fazia alguns contos e até compus uma “música” (de jeito nenhum aquilo era uma música). Além disso, sempre fui muito de fantasiar nas brincadeiras, viajava dentro da minha cabeça. Só que eu sempre digo que o pontapé inicial foi quando fiz aula de música. Na época, comecei a tocar violão e meu professor um dia chegou e disse “quero que você escreva uma música”. Assim, bem pleno. Então eu a escrevi. Tinha uns 13 anos, e depois disso não consegui parar. No ensino médio escrevia poemas na carteira (não façam isso na escola, crianças) e depois transcrevia para o papel. Tudo isso aconteceu ao mesmo tempo em que eu começava a me interessar mesmo por leitura, onde me encontrei e como descobri ser a forma de pôr todas as minhas fantasias para fora, torná-las, de alguma forma, reais.

Tomo Literário: Futuro Renegado, ficção LGBT, está em seu segundo livro. Como surgiu a ideia da história?

Elton Moraes: Te confesso que nem eu sei direito (risos). Futuro Renegado é uma mistureba de ideias e referências que assolavam a mim ou nossa sociedade e literatura. A princípio, enquanto lia dois romances LGBTs, percebi assim como nos hots héteros, que o padrão estava ali, ou que era o protagonista minguado ante ao par romântico dono de si e cheio de qualidades que, acredito, serem muitas vezes superficiais: como o fato de serem os ricaços. Um desses livros era uma ficção com ares de distopia; o outro, era um romance mesmo e bem construído. Juntei essas duas referências com o fato de estarem acontecendo muitas mobilizações políticas no país, como o pedido de Impeachment, lá em 2015, e a crescente visibilidade LGBT e pensei: e se não tivéssemos tantos direitos? E se essas mobilizações, de alguma forma, tornassem as coisas ainda piores? Foi como o primeiro livro nasceu. O segundo, foi meio que consequência de algumas coisas apresentadas anteriormente junto da crescente visibilidade, mas parca representatividade.

Tomo Literário: Como você tem sentido a aceitação da literatura abordando temas que precisam ser compreendidos pela sociedade, com personagens LGBT, por exemplo?

Elton Moraes: À exemplo de Futuro Renegado, a aceitação tem sido muito boa. Apesar de ser uma ficção com temas pesados, é gratificante quando um leitor termina e vem comentar o que achou. Alguns sofrem, outros choram, outros ficam ansiosos (é, acho que matarei meus leitores do coração), mas em algum ponto eles se veem na história. Em algum ponto eles acreditam que realmente podemos enfrentar nossos problemas de cabeça erguida, nos reafirmar e mostrar que viemos a esse mundo para viver como qualquer um.

Tomo Literário: Crônicas de Onyx tem quatro volumes. Quais são as dificuldades para uma série com vários livros? E também, quais são as facilidades?

Elton Moraes: Basicamente, eu me auto intitulo de doido das séries, pois raras são as ideias que vêm fechadinhas para um livro único. Às vezes isso me dá uma aflição, porque, querendo ou não, são anos que você fica em cima de um mesmo universo, com os mesmos personagens. Cansa, não posso negar. Mas ao mesmo tempo, uma série facilita no desenvolvimento dos personagens e na evolução da trama, por poder estendê-la e aprofundá-la. É como acompanhar a carreira de algum artista, sabe, e você vê os altos e baixos e as mudanças, sejam psicológicas, físicas ou de personalidade.

Tomo Literário: Quando surge a ideia de uma nova história, qual o seu processo? Você faz anotações prévias? Se põe a escrevê-la? Coleta informações?

Elton Moraes: Antigamente, eu já ia escrevendo e via no que dava. Hoje, a primeira coisa que eu faço é a capa. Pode parecer doideira (talvez seja?), mas isso me ajuda a ter uma ideia visual do que está surgindo. Junto disso, faço as anotações, pesquiso dados para incrementar ou tirar dúvidas, faço uma lista de personagens importantes (alguns surgem no meio da história sem pedir licença), estruturo os pontos chaves e escrevo a sinopse. Vejo se a história está bem consistente em minha mente, e só então começo a escrever.

Tomo Literário: Vamos falar também de Maxon Carter. Como surgiu a ideia dessa série?

Elton Moraes: Foi durante a escrita de Crônicas de Onyx. Como em Onyx bruxaria é tabu, eu me vi com vontade de escrever algo mais “explícito” sobre magia, com um toque de Rick Riordan. Seria uma trama bem simples, dividida em três livros, no qual o protagonista viveria uma aventura. Eu até escrevi a primeira versão do livro um, mas acabei engavetando para priorizar CdO. Gradativamente, nesse meio tempo, Merlin, Morgana e Rei Arthur se juntaram à trama e ideias novas foram surgindo. A personalidade do Maxon foi se revelando de verdade (ele é lindo, maravilhoso, inteligente e me obrigou a dizer isso) e a aventura a là jornada do herói ficou um pouquinho de lado, correndo na direção contrária, tornando-se algo mais denso e complexo, o que acabou se transformando em uma série de cinco livros.

Tomo Literário:  De forma ampla, o que te move a escrever?

Elton Moraes: Mudar o mundo seria uma bela resposta, mas sou de algo mais próximo: os sonhos me movem. Tenho muitos relacionados à escrita, e essa me dá a oportunidade de conhecer novas pessoas e, principalmente, levar alguma mensagem até elas. Mudar o mundo é essencial, mas nada disso adiantará senão começarmos com as pessoas. Nem todas precisam mudar, claro, mas quero trazer reflexões importantes sobre suas vidas e mostrar que seus sonhos e ideais podem se concretizar. E o sonho dos meus leitores, é o meu sonho.

Tomo Literário: Está trabalhando em algum novo projeto literário? Pode nos contar?

Elton Moraes: Recentemente eu concluí um conto extra para a série Maxon Carter: Gael Ribeiro e os filhos de Tupi, que estará na Amazon dia 28 de setembro! E estou trabalhando em Maxon Carter e a Senhora de Avalon, segundo volume da série, com previsão para novembro/dezembro. Sem data definida ainda. Tenho muitos outros projetos, inclusive algo relacionado a Onyx, mas não posso dizer ainda.

Tomo Literário: Que autores você recomenda ou quais autores influenciaram o seu trabalho como escritor?

Elton Moraes: Tanto me influenciaram de alguma forma, quanto recomendarei eternamente: Josy Stoque, Phillip Pullman, Rick Riordan, Eduardo Spohr, Delson Neto, Matheus Gaudard e Marion Zimmer Brandley. A lista não para por aí, porém são os principais da minha lista no momento.

Tomo Literário: Que livros, de quaisquer gêneros, você indicaria aos leitores e de que maneira esses livros te tocam?

Elton Moraes: Todo Dia, uma ficção adolescente de David Levithan, me fez pensar tanto sobre a vida e nossa existência, sobre como nos portamos, como somos, e o que deixamos de ser. Will & Will, também uma ficção adolescente de Levithan em parceria com John Green. O que o começo parecia parado, ao fim se mostrou uma jornada de autodescoberta e, principalmente, de respeito, amizade e amor.

Eu poderia indicar muitos outros, mas vou me ater a trilogia Fronteiras do Universo, de Phillip Pullman, que é recheado de reflexões (e minha maior inspiração para Crônicas de Onyx); e todos os livros de Rick Riordan (independentemente da famigerada fórmula), principalmente a trilogia Magnus Chase e os Deuses de Asgard <3

Tomo Literário: Quer deixar algum comentário para os leitores?

Elton Moraes: O que eu tenho a dizer é e sempre será: obrigado. Obrigado aos meus leitores, obrigado aos leitores futuros e obrigado aos leitores do blog por deixarem eu tomar um pouquinho do seu tempo. São todos vocês, não importa onde estejam, que fazem um escritor.

Conheça os livros de Elton Moraes

Entre Escolhas e Consequências

Em um Brasil autoritário, onde a comunidade LGBT é considerada uma ameaça, Natanael Ferraz é um fugitivo. Indo de um lado a outro do país, acaba capturado pela Sociedade de Estudos Anti-Homossexuais, uma organização que tem como objetivo fazer experiências em humanos fora do “padrão”.

Formando alianças enquanto confinado, descobrirá que o Novo Governo possui planos maiores do que podia imaginar, além de desvendar um amor quase impossível de guiar. Suas escolhas a partir daí podem trazer consequências irreversíveis, mas será que as consequências poderão mudar o mundo a sua volta muito mais do que irão mudá-lo?

Disponível na Amazon.

A Chave para a Salvação

Após os acontecimentos de "Entre Escolhas e Consequências", o que se esperava era paz, entretanto, dois ataques súbitos e uma doença degenerativa desmancham o sonho de liberdade. Diante de uma conspiração, a comunidade LGBT se perguntará: o espetáculo ainda está em andamento?

Não existe certo ou errado e, agora, o destino está nas mãos de quatro pessoas: Mirian Velásquez convoca Lya Morris para descobrir a verdade, ao mesmo tempo em que precisa lutar para sobreviver; Ranna Roberts é confinada em uma antiga Base de Estudos, onde desvendará uma trama nos bastidores por meio de memórias que não são suas; Natanael Ferraz, culpado de espionagem, vê-se forçado a fugir mais uma vez, agora de seu próprio povo, enquanto tenta manter a lucidez.

Perdidos e separados, os três montarão um quebra-cabeças em busca de uma resolução, mas será que todos os seus esforços serão suficientes para encontrar uma salvação?

Disponível na Amazon.

Maxon Carter e os Artefatos de Merlin

“Eu não sou um herói”

O que Maxon Carter não imagina ao se mudar com a mãe e a irmã para Sombrio, uma cidadezinha no sul de Santa Catarina, é que sua vida possa mudar tanto em tão pouco tempo. Na nova casa, encontra um porão no qual mora ninguém menos que um fantasma, e é com ele que descobre ser um feiticeiro. Entre suas novas descobertas e problemas familiares, fará amigos cheios de segredos e descobrirá que corre um sério perigo.

Cercado de dúvidas, mas determinado a sobreviver, Maxon deverá buscar um dos antigos Artefatos de Merlin, mas, talvez, nem mesmo isso seja suficiente para salvá-lo de ser quem ele é.

Disponível na Amazon.

Fênix: A morte não é o fim de tudo

"A morte não é o fim de tudo".

Laura, Tony, Selene e Duda são amigos de anos e, para selar esta amizade, fazem algo que a simbolize: a tatuagem de uma fênix e um pacto de sangue.Entretanto, após seu pequeno ritual, um deles desaparece e coisas estranhas passam a acontecer. Uma força oculta tentará de todas as formas levá-los à queda, porém, devem seguir “a luz” e encontrar um mago para escaparem e definirem seus destinos.

Para isso, enfrentarão o passado banhado em mistérios e surpresas, a amizade cercada pelas dúvidas e divergências e o amor embebido em prazer e sofrimento.

Serão eles capazes de suportar seus próprios caminhos?

Disponível na Amazon.

Série Crônicas de Onyx


O Guardião Imperial
A Espada Elemental
O Cavaleiro da Morte
A Relíquia da Vida
A Ilha Elementar (spin-off)

Livros disponíveis na Amazon.

Série A Terra de Clon


O Primeiro de Mim
O Último de Nós

Disponível na Amazon.

Acompanhe o escritor nas redes sociais

Twitter: @oEltonMoraes
Instagram: @oeltonmoraes
[Entrevista] Elton Moraes [Entrevista] Elton Moraes Reviewed by Tomo Literário on 00:10 Rating: 5

4 comentários:

  1. Que orgulho desse menino! Ficou muito bacana a entrevista. Deu para conhecer um pouco mais sobre o Elton.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ben, muito obrigado pela visita! Que bom que tenha gostado. Abraço.

      Excluir
  2. Menino, deixa eu te dizer que adorei essa entrevista!
    Obrigado ao blog por me conceder esse espacinho para falar um pouquinho sobre mim e minhas obras! <3
    Abraços!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário.

Tecnologia do Blogger.