[Entrevista] Rodolfo Pomini



Rodolfo Pomini, autor do livro Fúria, concedeu entrevista ao Tomo Literário. Ele falou sobre o livro, novos projetos, desafios da publicação independente, trabalho como capista e outros assuntos. 

Tomo Literário: Como foi o início de sua jornada pela literatura?

Rodolfo Pomini: Começou no ensino médio, ou 2º grau, como alguns chamam (rs), quando na aula de português chegamos na parte de produção de textos e nós, os alunos, tínhamos que elaborar pequenos textos com palavras dadas pelo livro didático. E junto a isso, a professora nos incentivava a ler ao levar uma caixa de livros na sala para, depois da leitura, realizarmos nossos resumos. 

Tomo Literário: Como surgiu a ideia do livro “Fúria”?

Rodolfo Pomini: Nossa, acho que posso dizer que foi meio doido. Tive a ideia a partir de uma estampa de camiseta. E por causa dela, elaborei a história começando pelo fim, depois o meio e por fim o começo (rs). Mas o fim da história, na qual se encaixaria a ideia que veio da estampa, acabou sendo alterado, pois o final do livro caía no sobrenatural, enquanto todo o resto era mais... “real”. Então, para acabar não deixando alguns leitores, talvez chateados, por causa dessa mudança, eu alterei o fim. Também como dica do meu amigo e escritor Danilo Barbosa (autor do livro Arma de Vingança), que leu e comentou sobre o assunto comigo.

Tomo Literário: O livro é uma publicação independente. Para você, quais são os desafios que o escritor independente encara hoje no mercado literário?

Rodolfo Pomini: Na minha opinião, o desafio de ser lido e ser divulgado – se bem que a divulgação depende do quanto o autor está disposto ou podendo investir. É claro que o boca-a-boca ajuda muito, postagens em redes sociais, etc. Mas também existe a questão do desconhecido, e algumas pessoas costumam dizer que não leem esses autores, esquecendo que, esses autores que agora elas conhecem, um dia já foram o tal “Zé Ninguém”. E no meu caso, juntar o que disse antes sobre divulgação com “ser desconhecido e escritor dos gêneros terror, horror e sobrenatural, que muitos ainda torcem o nariz por medo (rs) de encarar este desafio”, é ainda maior.

Mas para quem sente a vontade em ler o livro, se você não tiver uma história que de cara seja bem escrita e sugue a atenção do interessado em dar uma chance à história, vai ser mais uma passagem de olhos e o esquecimento como destino final. 


Tomo Literário: O que te inspira a escrever?

Rodolfo Pomini: A vontade de contar aquela história que surgiu na minha cabeça; os feedbacks positivos de quem lê os meus textos; ao olhar a minha estante de livros; ao ler os livros que gosto; ao ver um bom filme... Muitas situações e coisas podem acabar me inspirando.

Tomo Literário: Além de escritor você também é capista. Como é transmitir a ideia da obra de outro autor e apresentá-la ao público, já que a capa é, quase sempre, o primeiro contato do leitor?

Rodolfo Pomini: Eu sempre gostei de capas de livros, desde o dia que peguei o primeiro para ler. Fiquei curioso em saber como aquilo era feito. Depois veio o gosto pela área de design. Tudo se uniu perfeitamente. Daí, criar uma capa para outra pessoa, se tornou um desafio, porque você tem que dar vida àquelas páginas e fazer algo que atraia leitores. Então, quando conseguimos atingir esse objetivo, a sensação é ótima. Desenvolver uma “identidade” para a obra do autor, uma capa que diga ao leitor o que o espera ali dentro... Conquistar os olhos brilhantes do dono quando ele vê e aprova a arte final... O coração chega a bater mais forte, o sorriso estampa o rosto involuntariamente.

Tomo Literário: Está trabalhando, como escritor, em algum novo projeto literário? Pode nos contar?

Rodolfo Pomini: Há um projeto de terror sobrenatural em que estou retrabalhando, na verdade, pois o escrevi anos atrás, depois “remodelei” para um outro livro porque não gostei do trabalho da editora, na época. Ficou na Amazon durante um tempo. Depois, ao ler novamente uma parte, decidi que ainda não havia chegado aos 100% da minha satisfação. Tirei, reescrevi, deixei guardado por mais um tempo, li outra vez, continuei não gostando, mesmo acreditando que o tema central era e continua sendo bom. Agora ele está criando uma nova forma, com o mesmo assunto. Sobre um livro psicografado. Está indo aos poucos, pois só escrevo quando tenho certeza de que a cena seguinte será ótima.

Tem este livro e um conto, que no momento está parado perto do fim, justamente pelo motivo acima.

Tomo Literário: Que autores você recomenda ou que influenciaram o seu trabalho como escritor?

Rodolfo Pomini: Sinceramente não houve autores específicos que me influenciaram, porque eu leio mais como entretenimento. É claro que às vezes a gente absorve coisas de alguma leitura. Eu leio e imagino, e é desta cena mental que eu posso acabar subtraindo qualquer detalhe. O que estou dizendo pode até parecer um absurdo, não ter tido influência. Mas comecei a escrever porque eu queria uma história do meu jeito e com o meu gosto, ou seja, o sobrenatural. Aliás, são os filmes deste gênero que mais me inspiram.
Agora, recomendar autores... se uma pessoa quiser se embrenhar no “mundo” do sobrenatural, eu diria que o volume Ed & Lorraine Warren – Demonologistas lançado pela DarkSide Books, do autor Gerald Brittle, é um excelente livro de pesquisa.
 
Foto: Reprodução
Tomo Literário: Que livros, de quaisquer gêneros, você indicaria aos leitores e de que maneira esses livros te tocam?

Rodolfo Pomini: Vou dizer que adoro e indico os livros do Dan Brown, James Patterson, Raphael Montes, Jô Soares, John Green, e gosto do Joe Hill. Todos estes são autores nos quais tenho todos ou quase todos os livros. Também gosto da J. K. Rowling com o livro Morte Súbita, Fernanda Torres com a sua obra Fim, do Maurício Gomyde, com Ainda Não te disse Nada e Surpreendente... Não existe, para mim, exatamente uma maneira dos livros destes autores me tocar. É o jeito como um escreve, como o outro desenvolve, como o outro descreve. O modo como a história se desenrola sem cansar... são várias maneiras.

Tomo Literário: Quer deixar algum comentário para os leitores?

Rodolfo Pomini: Quero agradecer por esta entrevista que me deixou muito contente, porque foi um pedido inesperado (rs). 

E quero que ninguém se prenda na leitura de um determinado gênero. Que não tenha preconceito com autores desconhecidos e nacionais. E se você, leitor, estiver em vista de se tornar um escritor... paciência e persistência. Quando escrever uma história, seja educado com quem não gostar dela. Todo escritor tem seus críticos. Se não for construtiva, deixe pra lá e toca para o próximo. De haters é só ignorar e dar distância.

Tomo Literário: Agradeço sua disponibilidade e por ter aceito o convite. Sucesso!

Saiba um pouco mais sobre o autor:

Rodolfo Pomini é autor de mistério, suspense, terror e horror sobrenatural, mora com a família em Macatuba, no interior do estado de São Paulo, desde que nasceu. É cursado em Design Gráfico e técnico em Publicidade. Adora cães e gatos (entre outros animais), tecnologia (principalmente se for voltada para o meio ecológico), livros, filmes e séries. Participou das antologias Dias Contados – Contos sobre o fim do mundo, com a obra Sétimo Dia e Horas Sombrias, com o conto O medo em minha casa, ambas pela Andross Editora. Além destas, também publicou contos na Amazon e Wattpad.

Conheça o trabalho do autor:

Fúria

Rosa Valasquim desmaiou com uma caneta; Sandro Moriel foi posto para dormir com clorofórmio; Yasmin Ivanova estava na piscina quando mãos estranhas a agarraram; Thomas Gerald ganhou um soco que o deixou desacordado; e Müller Cosmus estava mais pra lá do que pra cá por causa do álcool quando lhe tiraram do sofá. Um jogo de gato e rato começa assim que eles despertam e recebem a visita de mascarados loucos para trazerem o inferno até eles. Enquanto encaram a realidade de que há um superior no comando e que essa pessoa de alguma forma os observa. E realmente o Chefe está em sua sala, de olhos na rede de televisores montados na mesa, acompanhando os mandatários fazerem uma vítima por vez. As lembranças foram esquecidas por cinco, mas permaneceram guardadas por um.

Disponível na Amazon.

O leitor também pode acessar o livro no Wattpad.
 
Acompanhe Rodolfo Pomini nas redes sociais

Facebook (página autor): http://www.facebook.com/AutorRodolfoPomini
Facebook (página capista): http://www.facebook.com/RodolfoPominiCapas
[Entrevista] Rodolfo Pomini [Entrevista] Rodolfo Pomini Reviewed by Tomo Literário on 08:00 Rating: 5

Nenhum comentário:

Deixe aqui seu comentário.

Tecnologia do Blogger.