Quem Era Ela – J. P. Delaney



“Imagine que você precisa escolher entre doar uma pequena quantia para o museu local que está angariando fundos para um importante obra de arte ou doar para uma instituição de combate à fome na África. Qual você escolhe?”

“Você se envolve em um acidente de trânsito e sabe que a culpa foi sua. A outra motorista está confusa e acha que foi ela quem provocou o acidente. Você diz para a polícia que a culpa foi sua ou dela?”

“Você se sacrificaria para salvar dez desconhecidos inocentes?”

Quem Era Ela, de J. P. Delaney foi publicado pela Editora Intrínseca em 2017 e tem tradução de Alexandre Raposo.

O endereço Folgate Street, número 1, é enigmático. Uma casa minimalista, linda e considerada uma obra-prima da arquitetura londrina. Edward Monkford, da Monkford e Associados, é o excêntrico proprietário da residência e foi ele também quem projetou a moradia.

Jane Cavendish, após ter sofrido um abalo em sua vida, está a procura de um lugar para morar. Aquela casa a encantou. Mas para morar lá não é questão apenas de ser um bom pagador, é preciso passar por um estranho questionário e ter uma entrevista com Monkford. Sabe aquelas três perguntas com que iniciamos a resenha? Elas fazem parte do formulário de inscrição. E para Monkford, que vai avaliá-las, todas as questões tem uma resposta certa.

Em paralelo, o leitor conhece também a história de Emma Matthews, a moradora anterior do misterioso endereço. Uma mulher casada e que tinha desentendimentos com seu marido. Jane, ao morar na casa, recebe algo que remete a Emma. E Jane vai querer saber quem era ela.

“Folgate Street, nº 1 é um lugar ainda mais trágico do eu imaginava.”

Jane, em sua busca por informações sobre a antiga moradora, vai nos contando sua história. O leitor acompanha a narrativa sendo feita em primeira pessoa pelos personagens. Um capítulo é dedicado a Jane (Agora: Jane) e outro dedicado à Emma (Antes: Emma). E com essa alternância de vozes dos personagens a história vai se delineando e sendo revelada. Cruza-se a história dos personagens até o leitor ser levado ao desfecho da trama.

“... no pouco tempo que moro aqui, nunca achei Folgate Strret, nº 1 um lugar assustador. Mas agora o silêncio e o vazio parecem assumir um tom mais sinistro.”

Jane fica às voltas com um novo e diferente relacionamento, algo que pode ajudá-la a se recuperar do trauma recente pelo qual passou. Ela lida ainda com o surgimento de informações sobre os moradores anteriores da residência e trata de buscar esclarecimentos sobre o fato que aconteceu em sua vida e que ainda resvala no seu cotidiano (mesmo com o novo relacionamento).


Surpreendentemente ou não, Emma e Jane são mulheres que tem aparência física similar. As questões psicológicas dos personagens vêm a tona e revelam que não só fisicamente as duas mulheres tem semelhança, mas há outros fatores que podem ligar a história de uma a da outra. As revelações que o autor vai soltando ao longo da história causam frisson.

Quando do início da leitura há alguns pontos que parecem ser bastante explícitos ao leitor. E aí você imagina que o livro terá um final previsível, mas J. P. Delaney consegue surpreender com uma série de reviravoltas que causam espanto e que conseguem prender o leitor até a última página.

Em Quem Era Ela, além dos personagens humanos que vivem em busca de suas descobertas e escondem seus segredos, se cruzando de uma maneira intrigante, a própria casa (a de Folgate Street, nº 1) vira um personagem importante. A moradia deixa de ser o cenário projetado por Edward para se tornar um personagem vivo com características singulares.

O clima de tensão do livro é constante. Os segredos que são desvendados se amarram de maneira convincente. Cabe lembrar que é um thriller psicológico e os personagens se tornam um mistério ao longo da narrativa. São personagens complexos de certa forma, mas bem construídos. Percebe-se claramente as características deles ao serem feitas certas revelações que lhe são atribuídas.

O escritor conseguiu prender a atenção e há aquele frio na barriga para ler a próxima página, o próximo capítulo e concluir logo a história. Para quem gosta de mistérios e segredos que vão surgindo, o livro é altamente recomendado. Uma ótima e surpreendente leitura!

Sobre o autor

J. P. Delaney é o pseudônimo de um escritor que já publicou obras de ficção sob outros nomes, e Quem Era Ela é seu primeiro thriller psicológico. O livro teve os direitos de publicação vendidos para mais de trinta e cinco países. Uma adaptação cinematográfica está sendo filmada pelo diretor vencedor do Oscar Ron Howard.

Ficha Técnica

Título: Quem Era Ela
Escritor: J. P. Delaney
Editora: Intrínseca
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-510-0139-4
Número de Páginas: 336
Ano: 2017
Assunto: Romance inglês

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.