O Vale dos Mortos - Rodrigo de Oliveira



“Depois, tudo ficou silencioso. Um silêncio horripilante, quando todos ficam sem nenhuma reação. Os segundos pareceram intermináveis; e aqueles segundos cheiravam a morte...”

Um acidente de carro. Ivan, sua esposa Estela e os dois filhos Matheus e Ana estão dentro do veículo acidentado que despencou de um viaduto. Uma criatura que não demonstra humanidade se aproxima. Depois do temor pelo susto e da gritaria, o ambiente foi tomado pelo silêncio e ali também pairava o cheiro da morte.

Um planeta chamado Absinto vai se aproximar do planeta Terra. E isso, apesar de causar furor, também é visto como a possibilidade de um grande espetáculo. A proximidade desse planeta com a órbita terrestre causa transformações aterradoras ao longo de todo o planeta. Muitas pessoas são afetadas pelo misterioso fenômeno.

Num shopping, a família começa a sentir os efeitos da transformação nas pessoas que por ali estão. “Todas tinham os mesmo movimentos desconexos e vacilantes, e os mesmo olhos brancos. Algumas sangravam, como se tivessem acabado de ser atacadas. Outras pareciam intactas. Mas nenhuma delas pertencia mais à raça humana.” O fato é que a aproximação daquele planeta causara mutação em algumas pessoas, que se tornaram zumbis. Posto isso, é claro que o medo se instaura.

Ivan e Estela passam a viver em fuga, em meio ao desespero e o temor da transformação desses seres horrendos. A fuga tem, logicamente, o intuito de protegerem suas próprias vidas e a vida de seus filhos. Eles utilizam seus conhecimentos para safar-se. Ele é ex-militar e ela analista de sistema. Ambos tem de utilizar dos recursos que estão disponíveis e de suas habilidades pessoais para conseguir seguir para algum lugar em que possam encontrar refúgio.

O livro apresenta passagens nos Estados Unidos, China e França, mas se concentra em sua maioria em terras brasileiras. É no Condomínio Colinas que o grupo de sobreviventes vai montar a sua fortaleza para, a partir daí, lutar pela sobrevivência.

“Ao todo foram necessárias ainda mais quarenta e oito horas para, enfim, se transferirem para o condomínio e remover todos os mortos. No fim daquele dia, em que o último caminhão saiu lotado de cadáveres, uma grande tempestade desabou sobre a cidade, lavando parte do sangue e dando para aquele local um ar menos anormal. Finalmente, o Condomínio Colinas começava a parecer de novo um lar.”

Diversas são as teorias exploradas sobre o surgimento de zumbis e a versão criada por Rodrigo de Oliveira, autor do livro, é bem interessante. Algo apocalíptico existe na visão desse planeta se aproximando da Terra. Histórias de zumbis existem várias, inclusive algumas ganharam bastante visibilidade nos últimos anos, como é o caso da famosa série “The Walking Dead”. Mas antes disso, os zumbis já pairavam no imaginário, tanto pela literatura quanto pelo cinema.

No livro “O Vale dos Mortos”, o primeiro da série “As Crônicas dos Mortos” - maior coleção de livros de zumbis escrita por um brasileiro - e que foi publicado pela Faro Editorial em 2014 - líderes governamentais que são conhecidos também tornaram-se zumbis. Diante de um cenário caótico e de medo, não faltam enfrentamentos dos mais diversos, tanto entre os sobreviventes, que estão em situações-limites, como entre os sobreviventes e seus perseguidores (os zumbis). Muitos corpos vão rolar.

Os personagens dessa trama vivem em busca de sobrevivência, fugindo dos temíveis zumbis, compartilhando o mesmo espaço, se solidarizando uns com os outros, mas também vivendo sob forte pressão e medo. Há, em meio aos humanos, aqueles que tem comportamento desagregador, o que gera conflito em várias passagens da história. O perigo há que ser dividido entre os zumbis que cercam os sobreviventes e aqueles humanos que se relacionam com eles. 

Rodrigo de Oliveira entrega um livro eletrizante, ágil, tenso e aterrorizante. Uma obra sobre zumbis feita com qualidade. E a obra tem o que todo primeiro livro de uma série deve ter: criar vontade no leitor para seguir a leitura dos próximos volumes. Nesse caso, o leitor, sem dúvida, ficará aguçado em embarcar em novas aventuras e desvendar os temerosos acontecimentos que hão de surgir nos livros seguintes.

O primeiro contato que tive com a obra de Rodrigo foi com a leitura do spin-off “Elevador 16” que dá uma excelente noção do que virá nos livros que compõe a série. A expectativa que fora criada com a leitura daquele livro foi superada com a história criada pelo autor nesse primeiro volume. 

Leitores que gostam da temática abordada vão, com certeza, se deliciar com o livro (e com a série). A narrativa é bem construída, as reviravoltas e surpresas que se desenrolam prendem a atenção, os personagens são bem construídos e apresentam dilemas humanos quando se encontram no ambiente e em situações inóspitas como as que vivem e o autor, ao trazer os acontecimentos para áreas brasileiras, deixa a história mais próxima, talvez até mais conectada ao público.

Recomendo e, em breve, teremos aqui no blog as resenhas de A Batalha dos Mortos e A Senhora dos Mortos.

Foto: Reprodução
Sobre o autor

Rodrigo de Oliveira é Gestor de TI e fã de ficção científica, dos clássicos de terror, em especial da obra de George Romero. A ideia para esta série surgiu após um longo pesadelo, tão real que, ao acordar, começou a escrever freneticamente, até concluir o seu primeiro livro. Casado, pai de dois filhos, nasceu em São Paulo e vive entre a capital paulista e o Vale do Paraíba.

Ficha Técnica
Título: A Batalha dos Mortos
Escritor: Rodrigo de Oliveira
Editora: Faro Editorial
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-62409-22-6
Número de Páginas: 307
Ano: 2014
Assunto: Ficção brasileira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.