O Sol também é uma estrela – Nicola Yoon



Um dia. Um encontro. Muitos acontecimentos. Essa poderia perfeitamente ser a síntese do livro O Sol também é uma estrela, da escritora Nicola Yoon, publicado pela Editora Arqueiro em 2017. A tradução da obra foi feita por Alves Calado. Nicola também é autora do livro Tudo e Todas as Coisas, que em breve, terá sua versão cinematográfica. A Arqueiro comprou os direitos do livro, portanto logo teremos uma nova edição nas livrarias.

Natasha Katherine Kingsley é filha de um casal de jamaicanos que vive nos Estados Unidos. Além de seus pais, ela mora com Peter, seu irmão mais novo. A menina fora viver em território americano aos oito anos de idade, quando o pai saiu da Jamaica em busca do sonho de ser ator. No entanto, a família vive ilegalmente no país. Imigrantes ilegais que são, estão na iminência de serem deportados. A ilegalidade fora descoberta pelas autoridades quando Samuel Kingsley, pai de Natasha, fora preso por dirigir embriagado.

Em paralelo temos a história do jovem Daniel Jae Ho Bae. Filho de dois coreanos, nasceu nos Estados Unidos. É um bom filho, um bom aluno e mora com os pais, que são proprietários de uma loja de produtos de beleza para negros e vive as turras com seu irmão mais velho. Os dois não se entendem e, seu irmão, fora suspenso de Harvard. Vai para a universidade para realizar o sonho americano dos pais.

“É melhor ver a vida como ela é, e não como a gente quer que seja.”

Ela não acredita no amor, nem no destino e tenta a todo custo resolver a situação da deportação de sua família. Natasha quer permanecer em terras americanas. Ele, poeta, é romântico, simpático e aparentemente mais imaturo que Natasha. Ela está no dia em que pode ser deportada e ele indo fazer uma entrevista para ingressar na Universidade de Yale. Ela é ligada em ciência e quer ser uma cientista de dados. Ele vai estudar Medicina, mas não sabe o que quer, talvez queira se tornar um poeta. Ele anota poesias num caderninho que carrega consigo, ela adora música e rompeu um relacionamento recentemente.

Eis que, naquele dia, o caminho dos dois se cruzam. E, a partir daí, o leitor passa a acompanhar o desenrolar da história de ambos (e dos outros personagens que com eles cruzam no período em que se passa a trama). A autora construiu o livro de modo que a narrativa seja feita em primeira e terceira pessoa. Em primeira são os capítulos narrados pelos próprios personagens (centrais e secundários). A narração em terceira pessoa aparece nos capítulos em que são apresentados acontecimentos ou informações complementares.

“... por que não existem mais poemas sobre o sol? O sol também é uma estrela...”

Nicola Yoon, em seu segundo livro, dá aos leitores uma história bem delineada. A relação dos jovens com suas famílias, o preconceito pela cor e pela nacionalidade, a desavença entre irmãos, a perturbação que assola personagens secundários e problemas que eles tem de resolver. Esse mundo imperfeito, em que as pessoas realmente tem de lidar com seus problemas, de uma forma ou de outra, aproxima a história ficcional do leitor. E, indiretamente, convoca também à reflexões por parte dos leitores. Numa história singela a autora conseguiu colocar diversos elementos que demonstram muito além do que os personagens vivem. A história deles é rica e a autora consegue transmitir a exata medida de suas angústias e aflições, sem, no entanto, ter que discorrer por páginas e páginas e mais páginas.

Toda a trama se passa num único dia. O fatídico dia em que Natasha está para ser deportada e Daniel tem de realizar uma entrevista. O dia em que seus caminhos se cruzam. O dia em que o encontro entre eles, de certa forma, transforma a vida deles. Sem mais detalhes, para não dar spoiler.

Os capítulos são curtos e a linguagem coloquial e acessível de Nicola, torna a leitura rápida e agradável. E, sem dúvida, os protagonistas vão agradar grande parte do público. São diferentes entre eles e criam uma boa dinâmica para a história. Vale ressaltar também o fato de Nicola ter uma personagem jamaicana e outro coreano, que vivem nos Estados Unidos. A situação de imigrantes num país estrangeiro é um tema bastante atual naquele país.

“O Sol é uma estrela” é um livro envolvente, emocionante e que consegue surpreender. O desfecho é tocante.

A capa do livro é de uma designer australiana, chamada Dominique Falla. Ela trabalha com tipografias e possui uma série de sucesso em que usa pregos e linhas coloridas, o mesmo processo que foi utilizado para compor a capa do lançamento americano e a capa brasileira da obra.

Um ótimo livro!
Foto: Sonya Sone


Sobre a autora

Nicola Yoon é autora do best-seller Tudo e Todas as Coisas, cuja adaptação para o cinema estréia em 2017. Ela nasceu na Jamaica, cresceu no Brooklyn e mora em Los Angeles com a família. É uma romântica incurável que acredita ser possível se apaixonar num instante e que isso pode durar para sempre. O sol também é uma estrela é seu segundo livro. Ele foi considerado Melhor Livro do Ano por Publisher’s Weekly e Amazon e foi finalista do National Book Awards 2016.  

Ficha Técnica
Título: O Sol também é uma estrela
Escritor: Nicola Yoon
Editora: Arqueiro
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-8041-658-9
Número de Páginas: 288
Ano: 2017
Assunto: Ficção americana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.