Conheça Palavras de Poder - Volume 2, de Lauro Henriques Jr.




Chegou aqui o livro Palavras de Poder – Volume 2, de Lauro Henriques Jr., publicado pela Editora Alaúde

Esta edição da obra Palavras de poder reúne entrevistas com alguns dos principais mestres da espiritualidade e do autoconhecimento no mundo. O livro traz para o leitor os ensinamentos de personalidades como lama Surya Das, Jean-Yves Leloup, Susan Miller, Leonard Orr, Yehuda Berg, entre outros.

Sobre a obra

A trilogia Palavras de poder traz as entrevistas que o escritor e jornalista Lauro Henriques Jr. fez com alguns dos principais nomes da espiritualidade e do autoconhecimento no Brasil e no mundo hoje. As conversas são apresentadas de forma profunda e, ao mesmo tempo, fácil de ler, revelando a essência da sabedoria do interlocutor e como esse conhecimento pode ser colocado em prática nos mais variados campos da vida, como os relacionamentos afetivos, a família e a carreira. Mais do que pensamentos, o que se encontra em Palavras de poder são “caminhos, novas possibilidades de ser e de se colocar no mundo”.

Cada um dos três livros que compõem a série expõe o leitor a uma ampla gama de tradições – como budismo, judaísmo, cristianismo – e técnicas – astrologia, psicologia, aiurveda, entre outras – reunindo personalidades de peso especialistas nessas linhas e promovendo a troca de saberes entre eles. Neste volume da série, participam lama Surya Das, Jean-Yves Leloup, Susan Miller, Leonard Orr, Robert Walter, Amit Goswami, Stanislav Grof, dom Laurence Freeman, Yehuda Berg, Donovan e Susan Thesenga, e Satish Kumar.

Além das entrevistas individuais, a obra conta ainda com a seção “Mesa Redonda”, um diálogo inédito em que cada entrevistado responde a uma pergunta elaborada por outra personalidade do livro, o que cria conversas inusitadas e interessantíssimas. O livro também é recheado de histórias saborosas, de contos e lendas que dão vida aos ensinamentos ali apresentados, e notas de rodapé que complementam o relato dos entrevistados, enriquecendo a experiência do leitor.

Assim como há vários caminhos possíveis em uma jornada de transformação, também não há uma forma correta de ler o livro: do início ao fim, de trás para a frente, uma entrevista selecionada ao acaso. Não importa o trajeto, o leitor sairá transformado, renovado, do percurso.

Sobre o autor

Nascido em Belo Horizonte (MG), Lauro Henriques Jr. vive em São Paulo. Como jornalista, trabalhou em alguns dos principais veículos do país, tendo sido editor da revista Superinteressante, do Almanaque Abril e da Revista das Religiões, publicação da Editora Abril voltada para o universo da espiritualidade e do autoconhecimento. Tem oito livros publicados – um deles já traduzido para o espanhol. Entre suas obras, destaca-se a trilogia Palavras de poder (Alaúde), assim como o livro infantil O segredo do anel (Tordesilhinhas), com ilustrações de Ionit Zilberman, e o livro de poemas em prosa Fragmentos do sol chuvoso (Ateliê Editorial), com prefácio de Jorge Mautner e apresentação de Ignácio de Loyola Brandão.

Editora Illuminare recebe originais




Você escreve? Tem um livro de contos que ainda não publicou? Um romance, um livro de fantasia ou um de terror? Quer publicar o seu livro de poesias?

A Editora Illuminare está recebendo originais para publicação. Os interessados devem enviar o original em Word, com biografia, para o e-mail editorailluminare@gmail.com.

A Illuminare publica em parceria de custos com o autor e não é somente a parte de impressão em gráfica. A editora divulga, vende na livraria com 100% do lucro voltado ao autor, envia livros para resenhas, divulga em revista, faz eventos e tudo isso incluso na proposta editorial. Não perca tempo e nem a chance de ter o seu livro publicado.

Site da Editora: http://www.editorailluminare.com.br/              

Obra da Editora do Brasil integra o dossiê da ilustradora Ciça Fittipaldi, indicada ao 32º Prêmio Hans Christian Andersen



A Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) - seção Brasileira do IBBY – International Board on Books for Young People, indica novamente a ilustradora Ciça Fittipaldi como finalista ao Prêmio Hans Christian Andersen (HCA), 2018. A obra Danite e o leão - Um conto das montanhas da Etiópia, recém lançada pela Editora do Brasil, integra o dossiê das obras da ilustradora enviado ao júri.

O prêmio HCA contribui para promover e divulgar a Literatura Infantil e Juvenil em âmbito mundial, junto a especialistas e editores da área. A premiação está na 32ª edição e é considerada o mais alto reconhecimento internacional dado a um escritor ou a um ilustrador de livros infantis, pela totalidade de sua obra. Os brasileiros vencedores do prêmio até o momento foram: Lygia Bojunga, em 1982, Ana Maria Machado, em 2000, e Roger Mello, em 2014, primeiro ilustrador latino-americano a ganhar a honraria.

Este ano a FNLIJ indicou a escritora Marina Colasanti e a ilustradora Ciça Fittipaldi para concorrerem ao Prêmio, cujo resultado será anunciado em abril, durante a Feira do Livro Infantil de Bolonha. Para a indicação de Ciça, a FNLIJ reuniu em um dossiê algumas de suas das obras de destaque. O livro Danite e o leão - Um conto das montanhas da Etiópia foi um dos escolhidos para representar seu trabalho. A obra conta o desafio que a protagonista Danite sofre ao enfrentar a resistência do enteado, Beshir. Recriado pelas mãos premiadas de Rogério Andrade Barbosa e Ciça Fittipaldi, o conto africano deste livro revela uma cultura diferente aos leitores brasileiros e traz um ensinamento universal muito valioso sobre persistência e superação. Gilsandro Vieira Sales, Coordenador de Edição de Literatura da Editora do Brasil, ao comentar sobre a ilustradora Ciça Fittipaldi afirma: “Tê-la em nosso catálogo é motivo de muito orgulho, pois ela é um grande nome da ilustração no Brasil e no mundo”.

Sobre a Editora do Brasil:

Fundada em 1943, a Editora do Brasil atua há mais de 70 anos com a missão de mudar o Brasil por meio da educação.  Como empresa 100% brasileira, foca a oferta de conteúdos didáticos, paradidáticos e literários direcionados ao público infanto-juvenil. Foi fundadora da CBL, SNEL, FNLIJ, IPL e da Abrelivros.

A Sociedade do Espetáculo - Guy Debord

"A Sociedade do Espetáculo", de Guy Debord foi publicado pela Editora Contraponto em 1997.

Na tese de abertura, o autor afirma que “Toda a vida das sociedades nas quais reinam as modernas condições de produção se apresenta como uma imensa acumulação de espetáculos. Tudo o que era vivido diretamente tornou-se uma representação.”

A obra de Debord tem claramente um caráter contestatório. Dessa forma trata de questões que colocam no cerne uma luta contra a sociedade que prefere a imagem e a representação em detrimento do que é natural e concreto, que valoriza a aparência em vez do ser, que prefere a ilusão em vez da realidade.

O livro conduz uma acirrada crítica aquilo que faz com que o homem pare de pensar e que aceite com passividade todas as imposições, conceitos pré-estabelecidos e falsas ilusões que advém da cultura capitalista.

Num mundo conduzido pelo capitalismo as pessoas ficam sedentas em busca de uma representação de imagens que vão despertar o consumo de produtos, bens, serviços e até fatos e notícias. Tudo isso pela representação midiática que cria uma ilusão sobre a realidade (concreta e natural). O espetáculo produz celebridades, produtos, necessidades inexistentes, interesses maquiados, imagens que mascaram uma realidade e vendem uma felicidade que esconde uma sociedade que está dividida, tumultuada e precária.

Tudo isso culmina numa inversão de valores. Em que espetáculo se torna realidade e realidade se confunde com espetáculo. O que faz com que não se tenha uma definição da coisa tal qual como ela é.

Os meios de comunicação de massa criam uma realidade própria para que a sociedade se solidarize e crie novos critérios de julgamento e justiça conforme seus conceitos manipuladores. Conceitos estes que atenderão aos interesses do meio de comunicação e não necessariamente à sociedade  (que se ludibria com a ilusão do espetáculo). Importante mencionar o que diz o autor: "O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre pessoas, mediatizada por imagens". Dessa feita, não é puramente a imagem e, sim, a relação que o humano constrói e solidifica através da representação que outrem criara.

Na sociedade moderna, podemos encarar a visão de Debord como uma construção da luta de classes, e o espetáculo é a forma da dominação da burguesia sobre os demais cidadãos (proletariado). O ponto central de sua teoria é a alienação como consequência do modo capitalista de organização de uma sociedade.


A primeira publicação do livro "A sociedade do espetáculo" se deu em Paris em novembro de 1967. No prólogo feito pelo autor para a terceira edição francesa, em 1992, ele enfatiza: "É preciso ler este livro considerando que ele foi deliberadamente escrito na intenção de se opor à sociedade espetacular. Nunca é demais dize-lo."

Para Debord há espetáculo de dois tipos: o concentrado e o difuso. Ambos, centrados na noção de unificação feliz e, posteriormente, acompanhado de mal-estar, desolação e pavor. O tipo concentrado tem como essência ser burocrático e ditatorial. No contraponto, o espetáculo difuso está presente em regimes mais democráticos, em que a superprodução de mercadorias em marcas variáveis induz e garante um aparente poder de escolha, fazendo crer que os indivíduos vivem num reino falso da liberdade de escolha.

De forma contundente o autor demonstra que a sociedade não tem liberdade de escolha, passa para uma falsa ilusão de uma realidade que ela mesmo cria, deixando de lado a realidade para se amparar no ideal imaginado  (que é amplamente utilizado pelo poder midiático, conduzindo o cidadão e levando-o a crer que ele escolheu o que já haviam escolhido para ele).

É,  sem dúvida, um livro que requer uma leitura atenta e crítica sobre as teses que Guy Debord lança. Leve-se em consideração o seu viés também crítico sobre essa espetacularidade. Um livro que tira o leitor da caixa, o provoca, provoca a sociedade a encarar o que por vezes nega, camufla ou ignora (posto que a falta de informação e o poder crítico real acabam sendo induzidos pelo amplo panorama de imagens que são criadas e mascaradas para mostrar uma realidade fantástica a qual as pessoas se apegam).
Foto: Reprodução

Um livro que chama à reflexão!

Sobre o autor

Filósofo, agitador social, diretor de cinema, Guy Debord se definia como 'doutor em nada' e pensador radical. Ligou-se nos anos 50 à geração herdeira do dadaísmo e do surrealismo Nasceu em Paris em 28 de dezembro de 1931 e se suicidou em 30 de novembro de 1994.

Ficha Técnica
Título: A Sociedade do Espetáculo
Escritor: Guy Debord
Editora: Contraponto
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-859-1017-4
Número de Páginas: 240
Ano: 1997
Assunto: Ciências sociais

Twin Peaks – Arquivos e Memórias será lançado pela DarkSide Books


Foto: DarkSide Books


Foi em abril de 1990, que Twin Peaks deu o seu toque na TV mundial pelas mãos de Mark Frost e David Lynch.

Um bebê tronco, personagens repletos de TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo) e estranhos espíritos da floresta nos ajudariam a emoldurar uma estranha história de amor entre pai e filha. Simbologias transbordavam da tela e se transformavam em assunto nas conversas.

Twin Peaks – Arquivos e Memórias é o primeiro título da Coleção Fora de Série da DarkSide Books, que vai revelar os bastidores das séries de TV.

A obra  escrita por Brad Dukes chega às livrarias no dia 20 de fevereiro, conforme publicação da editora. A Limited Edition (capa dura), reúne depoimentos dos criadores, dos atores e de membros da equipe, além de fotos inéditas da produção e curiosidades incríveis. A série retorna às telas em maio de 2017, portanto dá tempo de rever as duas primeiras temporadas.

No livro a verdadeira história oral da pacata cidade madeireira é escrita e pesquisada por um filho nativo. O autor investigou a fundo os segredos daquele microuniverso surreal e corriqueiro, e promete esclarecer todas as nossas dúvidas sobre Laura Palmer, Bob e o agente Cooper, entre outros.

O livro traz impressões inéditas e exclusivas do cocriador da série, Mark Frost, e de membros do elenco, como Kyle MacLachlan, Joan Chen, Sherilyn Fenn, Piper Laurie, Michael Ontkean, Ray Wise e Billy Zane, entre muitos outros.

Nota: texto adaptado do site da editora.

Foto: DarkSide Books