Pretérito Imperfeito - Gustavo Araújo

Toninho é um menino que vive com seu pai. Ambos não tem um relacionamento muito amistoso. O pai viveu e encarou a dureza da vida. O menino enfrenta dificuldades com sua apreciação por pássaros, perdeu a mãe muito cedo e sofre bullyng na escola, pois gagueja quando lê.

Em paralelo nos deparamos com a história da menina Cecília, contada sobretudo por cartas que ela envia a uma amiga chamada Carol. A menina vive numa grande casa e tem por hábito a leitura e a escrita. Seu pai, que tem uma história cercada de mistérios, tem de se afastar da família. Cecília, habitando aquela casa com sua mãe, costuma passear no bosque e depois do afastamento do pai passam a receber envelopes sob a porta.

A história das duas crianças, inevitavelmente, se entrelaçam a partir de um encontro no bosque frequentado por Cecília, em que Toninho vai para apreciar pássaros. Ela pede um livro a ele, justo para ele que tem dificuldade de leitura. A dupla de crianças passa a se encontrar para a leitura do livro. Conseguir um exemplar, no entanto, não será fácil para Toninho e ele tem de fazer algumas agruras para realizar seu objetivo.

Pedro Vieira, pai de Toninho, também tem sua história detalhada ao leitor. Pedro agora trabalha como mecânico e já teve outras atividades, das quais uma delas lhe rendeu a alcunha de Trinta e Três.
Em meio ao cenário político do país, dos quais o pai de Toninho e os pais de Cecília participam, as crianças mantém-se a certa distância, no entanto, não sem serem impactadas pelos acontecimentos que se sucedem.

“_ Por que nossos pais nos decepcionam? – perguntou ela, olhando para cima, como se buscasse a resposta desenhada em alguma nuvem.
_ Ora, eles são pessoas... pessoas normais, quero dizer. E por causa disso, não são perfeitos, tem filhos. Todo mundo erra, não é verdade?”

Toninho, de certo modo, lida com seu pai de maneira rude. O pai parece encontrar em seu recôndito passado a justificativa pelo seu modo de ser. Mas a dureza de Pedro, ainda assim, se mostra terna em ações que ele tem para com o filho.

E Cecília, aquela menina que gosta tanto de ler e escrever, desperta em Toninho uma paixão, a sua primeira. Os encontros na clareira do bosque, as conversas francas, os desabafos, enchem de leveza a vida dos dois.


Gustavo Araújo, o autor do livro, nos dá uma narrativa fluída, natural e agradável. Entremeando capítulos que falam do menino Toninho, de Pedro Vieira e as epístolas de Cecília, as peças da história das vidas desses personagens vão se encaixando, de maneira que o leitor não consiga querer parar de ler.

“Pretérito Imperfeito”, publicado pela Caligo Editora em 2015, foi uma grata surpresa e, além da escrita coesa, nos traz uma trama apaixonante. As questões e inquietações dos personagens são abordadas com sutileza e de maneira implícita, mas fortemente demonstradas em suas ações. Os próprios personagens em si são bem construídos e com características marcantes. A literatura, muitas vezes citada em função da paixão de Cecília pelos livros e a observação de pássaros que faz Toninho, os distanciam da confusão que acontece ao redor de suas casas e com seus pais. Mas o impacto de tudo, está na vida das duas crianças, ou seja elas não estão intactas dos abalos. É como se ali, no bosque e na leitura, eles encontrassem uma vida paralela.

Outrossim, além de Pretérito Imperfeito ser um excelente livro, é o tempo verbal que indica um acontecimento que se fez com início e fim no passado. A história contada pelo autor nos dá essa sutil e profunda relação que se forma no pretérito. Relações de pais e filhos com ausências emocionais e físicas, relação com a dificuldade de lidar com problemas na infância, o enfretamento de um menino que (quase sozinho) busca vencer a barreira do medo da leitura, a menina que sabe que algo de errado acontece e se refugia na literatura, a dureza que um pai carrega do passado... são histórias de vidas como de muitas pessoas reais. Gustavo Araújo nos conta de maneira fantástica como essas vidas se cruzam, como essas relações se consolidam, como é possível haver segunda chance, como o primeiro amor desperta e como é possível traçar o final de sua própria história.
Excelente leitura! Recomendo!

Foto: Reprodução
Sobre o autor

Gustavo Castro Araujo nasceu em Curitiba, PR, em 1973. Influenciado por Niccolò Ammaniti e John Boyne, escreveu seu primeiro romance, “O Artilheiro”, finalista no Concurso Nacional do SESC em 2009. Dois anos depois, teve o conto “O Logaritmo do Gato” selecionado para a Coletânea Machado de Assis, do SESC-DF. Em 2013, os contos “O Livro de Elisa” e “Catarina” foram publicados na Antologia “!” da Caligo Editora. Em 2014, o conto infantil “Tempo de Arte” foi selecionado para a coletânea “Monteiro Lobato” do SESC-DF. Em 2015, o romance "Pretérito Imperfeito" foi também lançado pela Caligo. Atualmente, administra o blog literário EntreContos.com

Ficha Técnica
Título: Pretérito Imperfeito
Escritor: Gustavo Araújo
Editora: Caligo
Edição: 1ª
ISBN: 978-85-67006-08-6
Número de Páginas: 286
Ano: 2015
Assunto: Literatura brasileira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.