Evangelho de Sangue - Clive Barker

"Evangelho de Sangue", do escritor Clive Barker, foi publicado pela DarkSide Books em 2016, com tradução de Alexandre Callari.

No prólogo “Labor Diabolus”, cinco magos (Lili Saffro, Yashar Heyadat, Arnold Poltash, Theodore Felixson e Elizabeth Kottlove) estão reunidos num mausoléu, em que acordaram Joseph Ragowski. O feitiço feito para erguê-lo deu certo e eles recebem a presença temida de um Cenobita. Em meio a um espetáculo de magia aterrorizante uma das mulheres é escolhida pelo Cenobita para dar vida a uma demônia. Felixson, um dos magos, acaba se tornando seguidor do Cenobita.

No “Livro 01 – Vidas Passadas”, Harry D’Amour, membro da polícia de Nova York, tenta “ter uma vida normal, uma vida maculada pelos terrores secretos das presenças que encontrara pela primeira vez ainda criança”. Isso evidencia certa mediunidade que o personagem carrega. Seu parceiro Sam ‘Sacana’ Schomberg não poderia descobrir a verdade sobre os acontecimentos que D’Amour vivenciava. E, mesmo que não queira, ele se depara com uma fera terrível que comete atos atrozes.

O que está feito está feito. O bom e o ruim. Então, faça as pazes com isso ou o passado vai devorá-lo inteiro.”

Harry recebe a missão de se desfazer de uma série de objetos na casa de Carston Goode, localizada em New Orleans e que a esposa dele não sabia que existia. Goode é um homem que está morto. Lá encontra, em meio a objetos que deveriam ser utilizados em rituais e práticas de orgia, uma caixa. A misteriosa Caixa de Lemarchand, também conhecida como Configuração do Lamento é um quebra-cabeça e, resolvê-lo significa “abrir uma porta para o inferno”. É nesse jogo que o membro da polícia se depara com Felixson e o Cenobita. Harry é salvo por Dale e terá de se recuperar. “O Sr. D’Amour será alvo de algumas coisas bem ruins”. Toda vez que alguma coisa ruim se aproxima, as tatuagens de Harry, feitas por Caz, emitem sinais.

Norma Paine, uma paranormal idosa e cega, é amiga de Harry, fala com mortos e também conta com a proteção deles. Ela pressente e teme que acontecimentos diabólicos podem ocorrer diante do fato de que um dos magos está “vivo”.

No “Livro 02 – Dentro do Portal”, o leitor é levado para o Monastério da Ordem dos Cenobitas, uma fortificação cercada de enormes muralhas, que fica na cidade criada por Lúcifer, chamada de Pyratha. Entre a cidade e o monastério existe a Trincheira de Fike. Felixson encontra seu mestre e vai ao Palácio do Não Consumido. O Cenobita, que se chama Pinhead, que na história é acompanhado pelo mago, é banido para as fatídicas trincheiras.

O Sacerdote do Inferno declara que Harry D’Amour será o testemunho dos atos e das filosofias do sacerdote, que terá o seu próprio evangelho. Norma Paine, a amiga paranormal é levada para o inferno. Harry, Lana e Caz vão atrás de Norma, na tentativa de salvá-la do mal.

“Ela realmente não esperava que as regiões infernais se parecessem com qualquer coisa que os grandes poetas, pintores e escritores evocaram ao longo dos milênios, mas mesmo assim ficou espantada por eles terem passado tão longe daquilo que os olhos do espírito viam agora.”

Enfrentamento com demônios, perseguições, descobertas macabras e assustadoras vão mexer com o grupo que está na caçada de Norma.

No “Livro 03 – Estrela Caída” a ação continua. Na Câmara de Lúcifer algo aterrador pode acontecer. Harry se vê, nessa jornada, entre um enorme grupo de demônios e o Sacerdote do Inferno. Coisas impressionantes e descobertas intrigantes acontecerão.

Dando sequência à história, no “Livro 04 – Efeito da Queda”, temos contato com as transformações nas vidas dos personagens, sobretudo na vida de Harry, o protagonista da história de Clive Barker. O Epílogo, denominado de “Prima Facie” traz a conclusão de toda a narrativa.

“Evangelho de Sangue” é um bom livro de terror. Observo que em alguns pontos, histórias que pareciam secundárias ganharam protagonismo e outras que pareciam se tornar maiores, ficaram em segundo plano. No entanto, isso não é um demérito da obra da Clive. Explico. O prólogo, por exemplo, parece um história a parte na narrativa do autor. Mas, na medida em que o livro avança, notamos o quanto introduz a terrível e bruta história que se desenrola depois. Em outros momentos, o livro deriva para contar histórias paralelas de entes que participam da jornada de Harry e, apesar da quebra de ritmo, isso não tira a história do eixo.

O final do livro foi inesperado e durante toda a obra o autor manteve seus traços de tratar o inferno com assuntos relacionados ao sadomasoquismo, rituais, práticas sexuais e busca de prazeres hedonistas, inclusive citando obras de arte como ‘Queda de Lúcifer’ de Tintoretto e o fotógrafo ‘Mapplethorpe’. No que tange aos personagens, vemos alguns muito bem construídos e outros que mereciam um pouco mais de detalhamento.

O livro foi escrito originalmente em 2011 e a DarkSide Books já havia publicado outro livro do autor, “Hellraiser”. O leitor não precisa necessariamente ler um para depois ler o outro, mas para adentrar esse universo de “Evangelho de Sangue”, “Hellraiser” é um flerte interessante e uma leitura agradável e rápida, que vai auxiliar no entendimento de toda a atmosfera violenta e demoníaca que o autor criou. Outrossim, vale a pena ressaltar que um não é continuação do outro, como algumas pessoas ventilam.

Não tenho dúvidas de que os leitores do gênero, como eu, encontrarão no livro bons elementos que tornarão a leitura agradável. Sangrento, aterrorizante, demoníaco, insano, bizarro e com cenas viscerais, Clive apresenta o seu Inferno da maneira que ele muito bem sabe fazer.

O que falar da parte gráfica do livro e da qualidade da DarkSide? Simplesmente, uma obra de arte.

Foto: Reprodução
Sobre o autor

Clive Barker é um homem renascentistas de nossos tempos. Escreveu mais de vinte best-sellers de terror, incluindo “Imajica”, “Livros de Sangue” e a série de livros infantis “Abarat”. Produtor, roteirista e diretor de cinema, é o criador por trás das franquias “Hellraiser” e “Candyman”. O filme “O Último Trem” é baseado em um de seus contos. Dirigiu o vídeo-clipe “Hellraiser”, do Motorhead. Desenvolveu os games “Undying” e “Clive Barker’s Jericho”. É artista plástico.

Ficha Técnica
Título: Evangelho de Sangue
Escritor: Clive Barker
Editora: Darkside
ISBN: 978-85-66636-85-7
Edição: 1ª
Número de Páginas: 320
Ano:2016
Assunto: Literatura norte-americana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.