Tudo e Todas as Coisas - Nicola Yoon

Madeline Whitier sofre de uma Imunodeficiência Combinada Grave (ICG), mais conhecida como “doença da criança na bolha”. Basicamente pode-se dizer que ela tem alergia a tudo. Qualquer coisa pode dar início a um processo que desencadeia diversas outras doenças, dado que afeta sua imunidade. Ela nunca saiu de casa, durante os 17 anos que viveu e completa seu 18º aniversário sem tal possibilidade.

De seu quarto branco Madeline não sai. Cuidada por sua mãe e uma enfermeira (Carla), passa o tempo lendo, brincando com sua progenitora e navegando pela internet. A leitura é um dos seus hábitos prediletos. Além disso, a garota tem ainda aulas virtuais pelo Skype.

Depois da mudança de novos vizinhos, Madeline muda também. Ela começa a despertar para o amor, a partir da relação que vai construindo com Olly, o novo vizinho. Como se dará essa aproximação uma vez que a moça não pode sair de casa? Como ela seguirá numa relação que não pode ter toque?

“Desde que Olly entrou na minha vida há duas Maddy: aquela que vive atrás dos livros e não quer morrer e a que vive e suspeita que a morte é um pequeno preço a pagar por isso.” Relata a personagem num dos capítulos.

Ao lado de sua mãe, que perdeu o marido e outro filho num acidente, Madeline, sem dúvida, encontra conforto. Tem tudo que precisa. Por outro lado, tal conforto também pode ser o conforto de sua mãe em ter a filha por perto e poupá-la dos males que podem haver no mundo. Uma relação complexa.

“Amor.
O amor torna as pessoas loucas.
A perda do amor torna as pessoas loucas.”

A narrativa de Nicola Yoon traz vários elementos-surpresa. “Tudo e Todas as Coisas”, publicado pela Editora Novo Conceito em 2016, foi best-seller do The New York Times. É uma história de amor, que precisa vencer barreiras, mas que por ser puro, por assim dizer, vence os obstáculos que possam surgir. Madeline é realmente apaixonada por Olly. Mas nem só de amor se vive, e o drama também está presente na vida de Madeline.

A escritora tem um estilo ágil de narrativa. A fluidez torna a leitura agradável. A única ressalva é que em determinada parte do livro, dada a agilidade, a história passa rápido e alguns pontos poderiam ser mais explorados. No entanto, um livro que tem um final não previsível é interessante, e nesse caso, a autora acertou em cheio, ela surpreende, dado que não é óbvio. Mas sem dúvidas algumas lacunas em função da escrita ágil podem incomodar alguns leitores. 

O livro conta ainda com ilustrações de David Yoon. As figuras representam e-mails de Madeline, projetos, anotações e outras coisas que a moça vivencia no livro.

O tudo que Madeline vive dentro de seu quarto branco e todas as coisas que ela deseja lá fora, podem muito bem ser interpretados como uma metáfora para a vida do ser humano. Não importa a condição social, a experiência, a formação, a raça ou o credo, todos vivemos nosso universo individual e desejamos “todas as coisas” que estão fora de nós.

Um livro dentro das expectativas. Uma boa leitura!

Sobre a autora

Nicola Yoon nasceu na Jamaica e cresceu no Brooklin. Mora em Los Angeles, adora karaokê e é do tipo romântica incurável. “Tudo e Todas as Coisas” é o seu primeiro romance.



Ficha Técnica
Título: Tudo e Todas as Coisas
Escritor: Nicola Yoon
Editora: Novo Conceito
ISBN: 978-85-8163-788-4
Edição: 1ª
Número de Páginas: 300
Ano: 2016
Assunto: Ficção norte-americana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.