O Cão dos Baskerville - Arthur Conan Doyle



Publicado originalmente em fascículos numa revista nos anos de 1901 e 1902, “O Cão dos Baskerville” é apresentado ao leitor pela Editora Zahar. Na publicação de 2013 há 40 ilustrações de Sidney Paget (o primeiro a ilustrar as histórias de Sherlock Holmes).

Arthur Conan Doyle, o escritor da história do detetive Sherlock e seu parceiro e amigo Watson, dessa vez leva o leitor a um misterioso e assustador caso. Eles tem uma missão de resolver os enigmas que se lançam numa história nebulosa e talvez sobrenatural que se lança diante deles.

Anotações são levadas a Holmes contando sobre uma maldição para a família Baskerville, que teve membros mortos. Um herdeiro da propriedade familiar chega à cidade e, segundo reza a maldição, será ele o próximo a morrer.

Astuto, inteligente e perspicaz, Sherlock Holmes envia seu amigo Watson para a propriedade afim de que posteriormente os dois façam um cruzamento de suas percepções sobre o caso. Com bastante mistério, uma dose de horror, muitos suspeitos e intrincadas relações que vão se revelando em meio a mentiras e verdades dúbias, somos levados por Conan Doyle a uma história que merece o título de marco no romance policial, pois sem dúvida, de fato o é.

A narrativa é muito bem construída por Doyle, com diálogos que seguem o ritmo que a história demanda e nos coloca no centro desse misterioso caso. Manter-se atento aos sinais, pistas e fatos que são apresentados vai se tornando também a tarefa do leitor, além de Holmes e Watson, naturalmente.

O livro é surpreendente e a edição da Zahar em capa dura, parte integrante da Coleção Clássicos Zahar é de encher os olhos. Com o texto original e integral de Conan Doyle o leitor vai fundo numa história de mistério e suspense de um dos personagens mais conhecidos da ficção.

Ficha Técnica
Título:  O Cão dos Baskerville
Escritor: Arthur Conan Doyle
Editora: Zahar
ISBN: 978-85-378-0955-6
Edição: 1ª
Número de Páginas: 261
Ano: 2013
Assunto: Ficção inglesa

Os Cinco Estágios do Colapso - Lançamento Editora Revan

A Editora Revan lança o livro Os cinco estágios do colapso, do escritor russo Dmitry Orlov.  Nesta obra, o autor mostra como a crise profunda que atravessa o capitalismo em escala mundial torna iminente e inevitável um colapso, uma crise sistêmica – econômica, política, social e cultural. Diante da impotência da população no tocante à paralisia política, às crescentes escassezes de recursos e ao rápido aquecimento global, ele propõe que se realize uma radical mudança cultural, a fim de que nos preparemos para o colapso aparentemente inevitável.

Orlov trabalhou em diversas áreas, inclusive pesquisa em física de alta energia, comércio eletrônico e segurança na Internet. Também já escreveu muito sobre o colapso, sendo o primeiro a comparar o fim da antiga União Soviética a um segundo colapso que se delineia, o dos Estados Unidos. Apesar do quadro pessimista, neste livro ele explica que, se os três primeiros estágios do processo (financeiro, comercial e político) forem enfrentados com as transformações pessoais e sociais adequadas, as piores consequências da derrocada social e cultural (seus estágios finais) poderão ser evitadas. 

Com uma narrativa ácida, o autor não só descreve os cinco estágios do declínio, como também apresenta algumas soluções para sobreviver a ele, detalhando as características típicas das  comunidades  altamente  resistentes. Para isso, ele utiliza como base um exame aprofundado das sociedades pré e pós-colapso.

Em comentário, o membro do Post Carbon Institute Richard Heinberg, destaca a importância das ferramentas criadas por Orlov na intenção de criar soluções viáveis pós-colapso na escala da família e da comunidade. “Mesmo se pensasse que o colapso é impossível, ainda assim eu leria tudo o que Dmitry Orlov escreve, por ele ser um escritor muito divertido. Infelizmente, contudo, algum tipo de colapso, de um grau ou outro, é quase garantido. Orlov presta um ótimo serviço para todos nós ao destrinchar os tipos e graus de colapso de forma a podermos nos preparar para o que é provável e nos mantermos firmes na rejeição do que não vai sobreviver.”, afirma.
 
Sobre o autor: Dmitry Orlov nasceu em Leningrado, União Soviética atualmente, São Petersburgo, Rússia, e ainda criança emigrou com a família para  os  Estados Unidos, na década de 1970. É autor de Reinventing Collapse,  Hold Your Applause!  e  de  Absolutely  Positive.  Escreve regularmente em seu blog  Club Orlov  (http://cluborlov.blogspot.com.br/), visto no mundo inteiro.

Nota: Texto da Editora 

Visite o site da Editora www.revan.com.br

Jogada Mortal - Harlan Coben



Durante a realização de um grande evento de tênis nos Estados Unidos Valerie Simpson é assassinada. A moça é  tenista e quando jovem despertava a atenção por brilhar nos grandes circuitos do esporte. Algo aconteceu e tudo mudou. Depois de passar um período reclusa e cheia de problemas ela toma a decisão de voltar a jogar. No entanto, a sua escolha acontecera pouco antes de sua morte.

Valerie estava procurando por Myron Bolitar, que trabalha agenciando jogadores. Duane, um dos tenistas agenciados por Myron, torna-se um dos principais suspeitos do assassinato de Valerie. O número de telefone da moça em seu celular parece apontar definitivamente para ele, cuja história contada para a polícia não convence, embora ele estivesse em quadra no momento determinado como o do disparo da arma que matou a moça.

No livro “Jogada Mortal”, de Harlan Coben, publicado pela Editora Arqueiro em 2012 (256 páginas), Myron vai em busca de desvendar a verdade por trás da morte de Valerie. O que ela pretendia ao procurá-lo antes de morrer? Incansável na busca pela verdade o agente se depara com outro crime ocorrido há 6 anos (a morte de Alexander Cross – filho de um político influente) e que parece ter alguma ligação com o crime atual.

“(...) Revirar um assassinato de seis anos atrás podia até ser divertido, mas fugia ao seu objetivo. Ele estava atrás do assassino de Valerie. Queria encontrar a pessoa que decidira dar um fim à existência jovem e atormentada da moça. Talvez isso fosse mesmo o que chamam de corrigir uma injustiça. Ou de complexo de salvador ou herói. Ou então de cavalheirismo. Não importava. Para Myron, era muito mais simples: Valerie merecia um destino melhor.”

No caminho do destemido agente ele se depara com pessoas poderosas que tentam a todo custo deixá-lo fora da investigação. As informações se cruzam, se confundem, mas ele mantém-se em seu objetivo de descortinar a verdadeira história. 

O leitor é conduzido por Harlan Coben a uma história de suspense e crimes, em que o passado pode ser a chave para a resposta do presente e direcionar o futuro. O carisma do personagem central do livro e a forma divertida com que dialoga é uma das partes interessantes da trama. Além, é claro, dos elementos que vão se confundindo, dos personagens que demonstrando suas posturas, das falsas impressões que temos de cenas descritas e muitos outros elementos que tornam um livro de ficção agradável. E o caminho de Myron até a verdade não é nada fácil, vez que ele se torna um perigo para políticos e até para a máfia. Sua amada Jéssica também corre perigo. 

Com mais de cinqüenta milhões de livros vendidos no mundo, em “Jogada Mortal” é possível sentir a atração que o autor Harlan Cobe  é capaz de provocar em seus leitores.  Mantém seu ritmo coeso e cheio de reviravoltas que nos surpreendem. Excelente leitura!

Ficha Técnica
Título: Jogada Mortal
Escritor: Harlan Coben
Editora: Arqueiro
ISBN: 978-85-8041-046-4
Edição: 1ª
Número de Páginas: 256
Ano: 2012
Assunto: Ficção americana

A Última Névoa e A Amortalhada – Maria Luisa Bombal



Em “A última névoa e a amortalhada”, da escritora chilena Maria Luisa Bombal temos duas histórias que são narradas a partir de um ponto em comum. Nos dois casos, a personagem central é uma mulher, narradora de sua própria história, contada a partir de um momento em que não mais espera-se que alguém fale: a morte.


Nos dois casos, a morte é o momento a partir do qual vem a tona a vida dessas pessoas. Romances, sentimentos, fatos que se confundem com o ter consciência da morte e a vida que foi vivida.


Melancólico, sentimental, profundo e metafórico. Aí está um pouco da essência do livro de Maria Luisa com as duas histórias, publicado pela Editora Cosac Naify em 2013 com 224 páginas. As duas tramas são independentes, mas podem fundir-se pela visão das personagens que contam suas passagens. Não há nenhuma razão sexista para escrever o que é colocado adiante, mas há certo modo feminino de escrever que Maria Luisa consegue transmitir com muita delicadeza, sem deixar de lado a profundidade.


Uma das partes do texto brinca com a metáfora para referir-se ao orgasmo. “Vou me afundando até os joelhos numa espessa areia de veludo. Mornas correntes acariciam-me e penetram-me. Como braços de seda, as plantas aquáticas enlaçam meu torço com suas longas raízes. Beija minha nuca e sobe até minha fonte o hálito fresco da água.” Um jogo de palavras com uma sensibilidade enorme. Daí ter percebido as palavras do escritor Jorge Luis Borges que escreveu na orelha do livro que “os livros de Maria Luisa Bombal são essencialmente poéticos”. Constatei que o são.


O assunto morte, por si só, pode causar certa estranheza nas pessoas. Contar histórias a partir desse momento parece encaixar-se apenas em livros que irão para o lado macabro, temível, amedrontador desse episódio (da vida) humana. No entanto, nas palavras da escritora a morte parece tornar-se diminuta para exemplificar que a grandeza da vida está sempre presente. Seja na história dessas mulheres fictícias ou na vida de qualquer pessoa.


Não me vem outras palavras para descrever o livro a não ser  dizer que é de rara sensibilidade.


Ficha Técnica

Título: A Última Névoa e A Amortalhada

Escritor: Maria Luisa Bombal

Editora: Cosac Naify

ISBN: 978-85-405-0452-3

Edição: 1ª

Número de Páginas: 224

Ano: 2013

Assunto: Ficção chilena

Concurso Literário Teslapunk

A antologia Teslapunk é promovida pela Madrepérola Editora, em parceria com o autor Maurício Coelho. Podem participar quaisquer pessoas físicas maiores de 18 anos, residentes legais no Brasil. Menores podem participar com autorização do responsável legal.

A seleção dos contos se dará em duas etapas:
  • Envio do texto na seguinte formatação: fonte Times New Roman, tamanho 12,espaçamento entre linhas 1.5 e texto justificado para o email: coletanea2016@gmail.com junto com uma minibiografia de até cinco linhas e contato com o autor do dia 12/01/2016 até 30/04/2016.
  • Se o seu texto for selecionado o organizador entrará em contato.
 Participe e consulte o regulamento completo no site da editora http://www.editoramadreperola.com/.

Conheça o organizador

Maurício Coelho nasceu em Belém, PA. É graduado em Licenciatura em Ciências Biológicas e graduando em Letras em Inglês. Publicou a tradução de The Nursery Alice (A Cuidadosa Alice) de Lewis Carroll. Publicou também um poema na antologia Concurso Novos Poetas 2014, além de um conto na coletânea Horas Sombrias e Nanquim. Também publicou uma antologia solo de histórias chamada Fogo Fátuo.

A Ovelha Negra e Outras Fábulas – Augusto Monterroso



“A Ovelha Negra e Outras Fábulas”, de Augusto Monterroso foi publicado pela Editora Cosac Naify em 2014 e o texto teve tradução de Millôr Fernandes. São quarenta fábulas criadas ou revisadas por Monterroso que nos remetem a lições finais com muito humor, crítica e ironia.


Num primeiro momento podemos acreditar tratar-se de textos bastante superficiais, possivelmente isso se deve ao fato de serem textos simples como pedem as fábulas. No entanto, simplicidade não é sinônimo de “coisa rasa” e o leitor mais atento verá que o autor faz da fábula o seu mecanismo para criticar os dissabores da vida.


Leitura que podemos adjetivar facilmente com o termo agradável. Ao começar o leitor não tem vontade de parar e ler qual será a próxima “lição de moral” que virá com a nova fábula. Mas não pense o leitor que a tal moral será igual aos dos contos que costumamos ler por aí. Ela é entregue por Augusto Monterroso de maneira singular, desconstruída, expondo a imoralidade humana, seu lado nem sempre tão bom.


O autor é de Honduras e fundou a Associação de Escritores e Artistas Jovens da Guatemala. Teve contos publicados em revistas e chegou a ser exilado político. Daí sua conexão profunda com a política, um dos seus temas prediletos.


“A fé e as montanhas”, quarta fábula do livro me fez perceber a forma aguçada com que o autor trataria suas novas e versáteis fábulas e daí pra frente foi uma surpresa ironicamente sagaz. De referências a vivências cotidianas até citações de ícones literários como Kafka e seu personagem Gregor Samsa, passando pela religião, política e costumes diversos. As fábulas de Monterroso conseguem ser ácidas e divertidas.


Ficha Técnica

Título: A Ovelha Negra e Outras Fábulas

Escritor: Augusto Monterroso

Editora: Cosac Naify

ISBN: 978-85-405-0712-8

Edição: 1ª

Número de Páginas: 93

Ano: 2014
Assunto: Ficção hondurenha