Livros Lidos em Novembro de 2015



“Tempos da Ditadura - Na Casa da Vovó – o que vi e vivi”, de Francisco Antonio Doria é uma publicação da parceira Editora Revan. Recebi o livro da editora, que conta a história do autor e de suas lembranças durante o período ditatorial do país. Francisco expõe tudo que viveu nesse período, incluindo incursões de sua família, de amigos e de políticos e personalidades que estavam dos dois lados da ditadura (perseguidos e perseguidores).


Da coleção Pensamento e Vida, publicada pela Editora Escala li “Thomas More – Estadista e Filósofo da Utopia”, de Marcos A Pereira. Thomas foi um filósofo que escreveu “Utopia”, livro em que demonstra um mundo novo, um estado ideal, um local em que os cidadãos tem trabalho, liberdade, respeito e harmonia na convivência e na paz humana. Sendo sua obra mais famosa o livro de Marcos aborda a vida, a filosofia e a bibliografia de Thomas More.


Aventurei-me numa das obras mais conhecidas de Franz Kafka, “A Metamorfose”. Publicado pela Nova Fronteira conta a história de um homem que se vê transformado em inseto. Metáfora ao embrutecimento e acomodação humana é um livro que traz um frisson já na primeiras frases do texto.


Ainda li a biografia do físico Stephen Hawking, escrita por ele mesmo, sob o nome de “Minha Breve História”, lançado pela Intrínseca. Conhecemos o homem, o acadêmico, o pesquisador, o físico ao longo de sua breve história. Breve, por ser contada de maneira resumida, mas que no dá a exata noção da grandiosidade e da representatividade de Hawking para o mundo.


“Textos para Nada”, de Samuel Beckett foi outro livro lido no mês. Publicado pela Cosac Naify reúne textos de Beckett em que o narrador tenta lidar com seus conflitos. Na lembrança de fatos, histórias passadas e de sentimentos vividos apresenta-se uma narrativa diferenciada.


“O Vilarejo”, de Raphael Montes reúne histórias macabras e sinistras que prendem a atenção do leitor. Livro altamente recomendado. Possível ler de uma única vez e bem recebido pela crítica literária.


A última leitura do mês de novembro foi “A Prova é a Testemunha”, de Ilana Casoy que conta sobre o julgamento dos criminosos do caso Isabela Nardoni, menina que foi arremessada da janela do sexto andar do prédio em que morava. Detalhado, imparcial, bem colocado o livro nos leva para o interior do tribunal do júri em que o pai e a madrasta da menina foram condenados.


Boa leitura!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.