10 livros de sucesso na década de 80


O Menino Maluquinho – Ziraldo
O livro foi lançado em 1980. Seu protagonista, o Menino Maluquinho, é um garoto tão menino quanto qualquer outro de sua idade. Na grande obra infantil de Ziraldo, verso e desenho contam a história de um menino traquinas que aprontava muita confusão. Alegria da casa, liderava a garotada, era sabido e um amigão. Fazia versinhos, canções, inventava brincadeiras. Tirava dez em todas as matérias, mas era zero em comportamento. Menino maluquinho, diziam. Mas na verdade ele era um menino feliz. A panela na cabeça é sua marca registrada. Em 1981 o livro ganhou o Prêmio Jabuti e se tornou um dos grandes fenômenos editoriais do Brasil. Além de sucesso em livro, “O Menino Maluquinho” virou filme no cinema na década seguinte, mais precisamente, no ano de 1995.

Marcelo, marmelo, martelo e outras histórias – Ruth Rocha
O livro infantil conta a história de Marcelo, um menino muito curioso que vivia fazendo perguntas. Um certo dia, ele cismou com os nomes das coisas e resolveu mudá-los. As outras histórias, citadas no título do livro são de Teresinha e Gabriela, que descobrem a identidade na diferença e de Carlos Alberto, que entende que não temos nada sem amigos.


Série Vaga-lume – Vários Autores
A série Vaga-lume de livros foi lançada pela Editora Ática a partir de 1972, mas teve grande sucesso na década de 80. Na ocasião foi adotada em muitas escolas do país. Alguns dos títulos publicados foram:
A ilha perdida, de Maria José Dupré;
Cabra das rocas, de Homero Homem;
O caso da borboleta Atíria, de Lúcia Machado de Almeida;
O escaravelho do diabo, de Lúcia Machado de Almeida;
O mistério dos morros dourados, de Francisco Marins;
Pega ladrão, de Luiz Galdino;
Açúcar amargo, de Luiz Puntel;
O rapto do garoto de ouro, de Marcos Rey.

Feliz ano velho – Marcelo Rubens Paiva
Foi publicado em 1982. O livro é um relato verdadeiro do acidente que deixou Marcelo tetraplégico, a poucos dias do Natal de 1979. Jovem paulista de classe média alta, vida boa, muitas namoradas, estudante de Engenharia Agrícola, ele vê sua vida se transformar num pesadelo em questão de segundos. Durante um passeio com um grupo de amigos, Marcelo, de farra, resolve dar um mergulho no lago. Meio metro de profundidade. Uma vértebra quebrada. O corpo não responde. Começa ali, naquele mergulho, a história de “Feliz ano velho”. A partir do acidente, Marcelo vê sua vida mudar radicalmente. Seus dias no hospital, as visitas que recebeu, as histórias que viveu são relatadas sob uma nova perspectiva: a de um jovem que sempre fez tudo o que podia e queria, e que, agora, sentado em uma cadeira de rodas, vê-se dependendo da ajuda de amigos e familiares para reaprender a viver.

As brumas de Avalon – Marion Zimmer Bradley
 Embora a obra tenha sido publicada em 1979, foi na década de 80 que conquistou muitos leitores. A Senhora da Magia, A Grande Rainha, O Gamo-Rei e O Prisioneiro da Árvore são os quatro volumes que compõem As Brumas de Avalon - a grande obra de Marion Zimmer Bradley -, que reconta a lenda do rei Artur através da perspectiva de suas heroínas. Guinevere se casou com Artur por determinação do pai, mas era apaixonada por Lancelote. Ela não conseguiu dar um filho e herdeiro para o marido, o que gera sérias conseqüências políticas para o reino de Camelot. Sua dedicação ao cristianismo acaba colocando Artur, e com ele toda a Bretanha, sob a influência dos padres cristãos, apesar de seu juramento de respeitar a velha religião de Avalon.  Além da mãe de Artur, Igraine e de Viviane, a Senhora do Lago que é a Grande Sacerdotisa de Avalon, uma outra mulher é fundamental na trama: Morgana, a irmã de Artur. Ela é vibrante, ardente em seus amores e em suas fidelidades, e polariza a história com Guinevere, constituindo-se em a sua grande rival. Sendo uma sacerdotisa da Avalon, ela tem a Visão, o que a transforma em uma mulher atormentada.  Trata-se, acima de tudo, da história do conflito entre o cristianismo, representado por Guinevere, e da velha religião de Avalon, representada por Morgana. Ao acompanhar a evolução da história de Guinevere e de Morgana, assim como dos numerosos personagens que as cercam, acompanhamos também o destino das terras que mais tarde seriam conhecidas com Grã-Bretanha. “As Brumas de Avalon evoca uma Bretanha que é ao mesmo temo real e lendária - desde as suas desesperadas guerras pela sobrevivência contra a invasão saxônica até as tragédias que acompanham Artur até a sua morte e o fim da influência mítica por ele representada. Igraine, Viviane, Guinever e Morgana revelam através da história de suas vidas e sentimentos a lenda do rei Artur, como se ela fosse nova e original. 

Eu, Christiane F., 13 anos, drogada e prostituída – Kai Hermann e Horst Rieck
O livro foi lançado em 1982 e virou best-seller instantaneamente. Este livro nasceu da gravação do depoimento de Christiane F. em 1978 então com 15 anos - ela depunha como testemunha num tribunal de Berlim. Esta história ensina mais do que o mais bem documentado relatório sobre a situação de uma grande parte da juventude. Christiane F. quis que este livro fosse a público. Como quase todos os viciados em drogas, desejava romper o silêncio opressivo que cerca a questão dos tóxicos entre adolescentes. Ao depoimento de Christiane F. juntou-se declarações de sua mãe e de outras pessoas que dela se ocuparam, assim completando a análise com uma perspectiva diferente. Na década de 80 o livro era “desaconselhável para menores” (vinha com esse aviso na capa) e muitos pais torciam o nariz só de pensar em ver seus filhos com o livro nas mãos. Em 1982 foi o ano também que o livro virou filme, contando com a participação do cantor David Bowie.
 
Síndrome de Peter Pan – Dan Kiley
O livro foi publicado em 1987. Síndrome de Peter Pan é um estado de imaturidade emocional que começa com ansiedade e narcisismo e termina em desespero. É um fenômeno sociopsicológico detectado em homens que, embora tenham atingido a idade adulta, são incapazes de encarar os sentimentos e as responsabilidades dos adultos. No esforço de esconder seus fracassos, recorrem ao fingimento e à falsa alegria.

Complexo de Cinderela – Colette Dowling
O livro entrou na lista dos mais vendidos em 1987. Fala sobre o conflito da mulher moderna, que tem necessidade de ser independente, mas também de ser amada. Num livro fundamental para a mulher, a autora explora suas idéias acerca da psicologia feminina. Segundo ela, as mulheres desejam ser cuidadas e aliviadas das responsabilidades essenciais para consigo mesmas. Colette fez fortuna com os direitos autorais do livro, mas perdeu tudo na década seguinte. A autora sofria de oniomania, doença em que a pesoa compra compulsivamente até ficar totalmente sem dinheiro.

A droga da obediência – Pedro Bandeira
O livro foi escrito em 1985 e vendeu mais de um milhão de exemplares. Uma turma de adolescentes enfrenta o mais diabólico dos crimes. Num clima de mistério e suspense, cinco estudantes - os Karas - enfrentam uma macabra trama internacional - o sinistro Doutor Q.I. pretende subjugar a humanidade aos seus desígnios, aplicando na juventude uma perigosa droga. E essa droga já está sendo experimentada em alunos dos melhores colégios de São Paulo. Este é um trabalho para os Karas - o avesso dos coroas, o contrário dos caretas.

O diário de um mago – Paulo Coelho
“O diário de um mago” lançado em 1987 preparou o caminho para o sucesso internacional do livro “O alquimista”, de Paulo Coelho. Em muitas maneiras, esses dois livros estão conectados – para realmente compreender um, você precisa ler o outro. É preciso mergulhar dentro desse cativante relato da peregrinação de Paulo Coelho pelo Caminho de Santiago de Compostela. Essa fascinante parábola explora a necessidade que temos de encontrar nosso próprio caminho. No final, descobrimos que o extraordinário está sempre presente na vida simples e normal das pessoas comuns. Parte uma história de aventura, parte um guia para o autoconhecimento, essa narrativa apaixonante entrega a perfeita combinação entre encanto e discernimento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário.